Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Brasileiros tiram dinheiro da poupança para pagar despesas de rotina

Enquanto os recursos estiverem escassos, faltará dinheiro para atividades e itens não essenciais, o que atrasará a retomada da economia. O varejo tem dados sinais alarmantes.


postado em 17/06/2020 04:00 / atualizado em 17/06/2020 08:13

Com lojas fechadas por causa da pandemia, varejo teve queda de 16,8% em abril, o maior tomo registrado nos últimos 20 anos (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Com lojas fechadas por causa da pandemia, varejo teve queda de 16,8% em abril, o maior tomo registrado nos últimos 20 anos (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)

A crise está reduzindo os níveis de poupança dos brasileiros. Segundo levantamento do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), em maio, 15% dos investidores retiraram dinheiro de suas aplicações para pagar despesas do dia a dia.

Outros 11,3% se declararam endividados e 26,8% estão vivendo o que a FGV chama de “estresse financeiro”, quando a renda não é suficiente para honrar todos os compromissos.

Mais preocupante ainda: especialistas acham que esses indicadores podem piorar. Enquanto os recursos estiverem escassos, faltará dinheiro para atividades e itens não essenciais, o que atrasará a retomada da economia.

O varejo tem dados sinais alarmantes. Em abril, as vendas no comércio caíram 16,8% na comparação com março, o pior resultado desde o início da série histórica, em janeiro de 2000. Roupas, calçados e livros sofreram mais, com quedas dos negócios superiores a 40%.

ANP age para evitar desabastecimento


A perspectiva de falta de diesel nos próximos dias em mercados como Minas Gerais, Paraná e Santa Catarina fez a Agência Nacional de Petróleo (ANP) tomar uma decisão de emergência para garantir o abastecimento. Ontem, a agência aprovou a redução do percentual de mistura obrigatória do biodiesel ao óleo diesel dos atuais 12% para 10% no período entre 16 e 21 de junho. A medida é positiva para as empresas, já que o preço do biodiesel é superior ao do diesel nas refinarias.

(foto: Carlos Reinis/Band/Divulgação - 8/9/12)
(foto: Carlos Reinis/Band/Divulgação - 8/9/12)

''A gente não fatura com delivery nem 10% do que faturava em um mês. Se tirar o custo da embalagem, que é caríssima, mais o custo da entrega, às vezes perdemos dinheiro. Mas é preciso mostrar que estamos ativos''

Erick Jacquin, dono do restaurante Président, jurado do programa MasterChef e um dos chefes mais estrelados do país



Qual é o futuro dos escritórios corporativos?


Depois dos ataques terroristas às Torres Gêmeas de Nova York, em 2001, especialistas disseram que escritórios imensos que reuniam milhares de funcionários em um mesmo edifício estavam condenados. Não foi o que aconteceu. Pouco depois, o setor de imóveis empresariais voltou com mais força. Agora, futuristas garantem que o home office vai acabar com os grandes escritórios. Será? Como as empresas que têm forte cultura corporativa vão cativar funcionários a distância? Ninguém sabe.


Cade considera “complexa” 


A compra da Nike do Brasil pelo Grupo SBF, que controla a varejista Centauro, foi considerada  “complexa” pela Superintendência do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). A declaração abre espaço para questionamentos sobre os riscos de concentração de mercado. Agora, a Nike do Brasil e a SBF deverão apresentar até 3 de julho o estudo completo sobre as eficiências econômicas a serem geradas pela operação, anunciada em fevereiro deste ano por R$ 900 milhões.

US$ 1 bilhão

É quanto a Unilever investirá em um fundo dedicado a combater as mudanças climáticas. É um dos maiores desembolsos já feitos por uma empresa nessa área

RAPIDINHAS


  • Primeira instituição de ensino superior a entrar com pedido de recuperação judicial durante a pandemia, a Universidade Cândido Mendes acaba de contratar um nome de peso para liderar sua reestruturação. Trata-se do executivo Paulo Narcelio, que atuou em complexos processos no RJ, como do grupo OGX.
  • Uma pesquisa do ManpowerGroup, líder global em soluções de recursos humanos, projetou a expectativa de geração de emprego no país no terceiro trimestre do ano. Considerando que se trata da maior crise da história recente, os resultados não são tão ruins assim. Segundo o estudo, apenas 21% dos empregadores vão cortar pessoal.
  • A Sony vai lançar nos Estados Unidos o PlayStation 5. Pela primeira vez na história, será possível comprar o modelo sem leitor ótico – os jogos são acessados apenas via compra digital. A iniciativa representa um marco nessa indústria e é um indicativo das mudanças do setor. Para quem é avesso a novidades, o leitor tradicional também estará disponível.
  • As ações da montadora americana Nikola dobraram de valor em apenas duas semanas. Em comunicado feito ao mercado, a fabricante de veículos elétricos prometeu o uso do hidrogênio nas células de combustível em vez das tradicionais baterias. Estudos mostram que os carros elétricos a hidrogênio têm autonomia maior.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade