Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

No rastro do coronavírus, devedores poderão ser beneficiados

Projeto de Lei 1.397, aprovado pela Câmara dos Deputados, dá salvaguarda para todo tipo de endividado junto a estados e a União até dezembro de 2021


postado em 27/05/2020 04:00 / atualizado em 05/06/2020 11:15

Votação no Senado: casa ainda vai discutir e votar texto que beneficia devedores, aprovado na semana passada pelo Câmara dos Deputados(foto: Jefferson Rudy/Agência Senado 6/5/20)
Votação no Senado: casa ainda vai discutir e votar texto que beneficia devedores, aprovado na semana passada pelo Câmara dos Deputados (foto: Jefferson Rudy/Agência Senado 6/5/20)

 

A pandemia do coronavírus monopoliza as atenções e muita discussão importante passa despercebida. É o caso do Projeto de Lei 1.397, aprovado na semana passada na Câmara e que agora será submetido ao Senado. Ele reserva armadilhas para a arrecadação federal e dos governos estaduais ao definir regras transitórias para empresas em recuperação judicial ou em vias de chegar a esse ponto. Na prática, o texto dá salvaguarda para todo tipo de devedor até dezembro de 2021. O artigo 15, por exemplo, determina que “ficam suspensos atos administrativos de cassação, revogação, impedimento de inscrição, registro, código ou número de contribuinte fiscal, independentemente da sua espécie, modo ou qualidade fiscal, sob a sujeição de qualquer entidade da federação, que estejam em discussão judicial, no âmbito da recuperação judicial”. Trata-se de um presente para devedores contumazes. Para se ter uma ideia, só no mercado de combustíveis, cerca de R$ 3 bilhões em tributos deixarão de ser recolhidos até o fim de 2021.

 

Centauro anuncia oferta de ações

 

A rede de artigos esportivos Centauro se tornou a primeira empresa a anunciar uma oferta de ações em plena pandemia do coronavírus. A iniciativa é importante: de certa forma, ela retrata a confiança da companhia na retomada econômica. Segundo o Grupo SBF, que controla a Centauro, a oferta deverá movimentar R$ 928 milhões. Antes da crise do coronavírus, a rede crescia em ritmo forte e vivia uma das melhores fases de sua história. Em fevereiro, comprou a Nike do Brasil por R$ 900 milhões.

 

Tim quer mais mulheres na área de tecnologia

 

A Tim promoveu uma videoconferência diferente. O encontro virtual reuniu mulheres da área de tecnologia da empresa para apresentar projetos que desenvolvem. Na plateia, universitárias de cursos ligados ao ramo tecnológico. A iniciativa é interessante. Segundo a Unesco, no Brasil as mulheres respondem por 33% dos profissionais que se formam em áreas como ciência , tecnologia, engenharia e matemática. Quando se fala da indústria digital, a força de trabalho delas representa só 25%.

 

“O bom senso prevaleceu”, diz Abal

 

A aprovação pela Câmara dos Deputados do substitutivo ao Projeto de Lei 550, que trata da segurança de barragens, agradou a Milton Rego, presidente da Associação Brasileira do Alumínio (Abal). “O bom senso prevaleceu”, diz o executivo. “No calor da tragédia, pipocaram ideias que não tinham a ver com segurança. O objetivo era punir simplesmente.” O projeto de lei original reunia propostas surgidas logo depois do acidente de Brumadinho, em janeiro de 2019. Agora, segue para apreciação do Senado.

 

''A hotelaria está se redescobrindo após os efeitos da pandemia do coronavírus. Novos mercados irão se abrir e o desafio é entender a mudança no comportamento dos clientes''

Chieko Aoki, presidente da rede Blue Tree Hotels


 

US$ 234 milhões

foi o volume de investimentos diretos no país em abril, segundo dados do Banco Central. É o pior resultado para o mês em 25 anos

 

RAPIDINHAS 

 

A reabertura da economia na Europa levou o Burger King a apresentar, com bom humor, uma novidade. A rede lançou o Social distancing whopper, sanduíche que tem três vezes mais cebola crua do que o normal. Segundo o Burger King, ele incentiva as pessoas a manter distância. O motivo é insólito: o hálito ruim 

de quem comeu.

 

A crise do coronavírus não afetou o setor de alimentos especiais, que abrange as áreas de nutrição infantil, nutrição enteral (essencial para pacientes com COVID-19) e suplementes alimentares, entre outros. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Alimentos para Fins Especiais e Congêneres (Abiad), o segmento cresceu 3,4% no primeiro trimestre.

 

É surpreendente a capacidade do agronegócio brasileiro resistir a crises. Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o PIB do setor poderá crescer até 2,5% em 2020, mesmo considerando os impactos negativos da pandemia do conoravírus. Se tudo der errado, a alta será de 1,3%.

 

O pôquer on-line virou febre na quarentena. As longas estadas em casa estimularam as pessoas a jogar mais. Segundo a consultoria Poker Industry Pro, que monitora o tráfego mundial de pôquer on-line, o número de mesas digitais cresceu 150% desde janeiro, e 10 milhões de novos jogadores passaram a se arriscar nas cartas. 

 

 

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade