Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Depois de Alemanha, França e EUA, Brasil estuda socorro a aéreas

Plano de ajuda às companhias está sendo negociado com bancos privados, fundos de investimento e o BNDES, ainda sem valor definido


postado em 05/05/2020 04:00 / atualizado em 05/06/2020 11:32

Nos EUA, o governo deverá liberar para a American Airlines ajuda de US$ 4,7 bilhões do Tesouro(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press - 6/1/14)
Nos EUA, o governo deverá liberar para a American Airlines ajuda de US$ 4,7 bilhões do Tesouro (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press - 6/1/14)

 

A Lufthansa, principal companhia aérea da Europa, enviou comunicado aos funcionários informando que está prestes a fechar um pacote de socorro com o governo alemão estimado em 10 bilhões de euros. Desde o início da crise do coronavírus, as proibições de viagens forçaram a empresa a manter 700 aeronaves em solo, o que levou a uma queda de 99% no número de passageiros transportados e perdas diárias de 1 milhão de euros. Outro gigante europeu, o grupo Air-France-KLM deverá receber 11 bilhões de euros dos governos da França e Holanda. Nos Estados Unidos, a American Airlines espera embolsar US$ 4,7 bilhões do Tesouro americano. No Brasil, o governo negocia com bancos privados, fundos de investimentos e o BNDES um plano de socorro de valor ainda indefinido. A gravidade da situação foi confirmada pelo balanço da Gol. No primeiro trimestre de 2020, a empresa perdeu R$ 2,3 bilhões. No mesmo período do ano passado, os prejuízos eram de R$ 32 milhões.

 

“O coronavírus atropelou as empresas paradas no tempo”

O consultor especializado em tecnologia Eduardo Tancinsky diz que tem se surpreendido com o número de companhias que não sabem como vender pela internet. “O coronavírus atropelou as empresas que estavam paradas no tempo”, diz ele. “Conheço redes de franquias donas de produtos com potencial de vendas on-line que não têm ideia de como colocar suas mercadorias na casa dos clientes.” Na opinião do especialista, a pandemia deixará para trás quem não se abriu para a transformação digital.

 

(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press - 13/12/12)
(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press - 13/12/12)

 

Cinemark fatura com pipocas pela internet

A Cinemark, segunda maior rede de cinemas do mundo, aposta na criatividade para gerar algum faturamento enquanto as suas salas permanecem fechadas. Há alguns dias, fechou parceria com o iFood para vender pipoca e itens de bomboniere pelo aplicativo. Por enquanto, apenas a cidade de São Paulo conta com o serviço, mas a ideia é levá-lo para outros municípios. A empresa também passou a vender na loja virtual objetos como garrafas e copos temáticos de grandes sucessos do cinema.

 

R$ 50 bilhões

é o valor total das dívidas das montadoras brasileiras com os bancos. As vendas em queda devem agravar a situação

 

(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press - 22/8/18)
(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press - 22/8/18)

 

De volta aos anos 90

A crise do coronavírus fez as vendas de veículos repetirem os níveis de quase 30 anos atrás. Em abril, os emplacamentos de automóveis e comerciais leves totalizaram 51.362 unidades, o que representa uma queda de 77% na comparação anual. “Lamentavelmente, voltamos aos patamares de vendas do início da década e, no setor como um todo, aos volumes de 1992”, disse, em nota, Alarico Assumpção Júnior, presidente da Fenabrave, a associação das concessionárias.

 

"Não vejo outra saída para o país neste momento de crise a não ser gastar. Tomara que gaste bem, com escolhas certas que envolvam educação, urbanização e saneamento"

Murillo de Aragão, presidente da Arko Advice

 

RAPIDINHAS

 

 

  • Projeção feita pela consultoria LCA mostra o estrago que a crise do coronavírus provocará no setor da construção civil. Segundo o estudo, o segmento pode encolher até 10% em 2020. A construção sofre no Brasil. De 2014 a 2018, nos anos Dilma e no pós-impeachment, encolheu 30%. O breve refresco veio em 2019, quando avançou 1,6%.
  • A Via Varejo, dona das marcas Casas Bahia e Ponto Frio, apresentou os resultados de vendas das 224 lojas reabertas em municípios que permitiram a retomada das atividades comerciais. A surpresa foi positiva. Segundo a empresa, as unidades que voltaram a funcionar têm desempenho igual ao do período que antecede a crise do coronavírus.
  • A Afya Educacional, maior grupo brasileiro de ensino na área de medicina, estreia hoje a segunda temporada da websérie Residência Médica. Os novos episódios abordarão os 51 diagnósticos que mais caem em provas de residência médica. O fio condutor á a saúde mental dos alunos.
  • Lançada em 2018, a websérie foi a primeira do gênero no mundo. Com fins acadêmicos, ela é produzida em um hospital de verdade, com professores médicos presentes no set de gravação. A série gratuita é destinada principalmente a estudantes, médicos e profissionais da saúde. Para assistir, o interessado deve acessar o endereço medcel.com.br/serie. 

 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade