Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

A saúde deve estar em primeiro lugar, sempre

Isso não elimina a legítima preocupação com a velocidade da recuperação econômica


postado em 25/03/2020 04:00 / atualizado em 25/03/2020 07:53

Lojas fechadas na rua de maior movimento do comércio em São Paulo mostra impacto das medidas para conter o coronavírus no Brasil (foto: Nelson Almeida/AFP)
Lojas fechadas na rua de maior movimento do comércio em São Paulo mostra impacto das medidas para conter o coronavírus no Brasil (foto: Nelson Almeida/AFP)

Um tema sensível ganhou as redes sociais nos últimos dias. De um lado, os que defendem a quarentena imposta pelas autoridades. De outro, os que consideram que ela deve ser aliviada pelo bem da economia. As discussões foram marcadas por boa dose de intransigência, como se uma ideia não pudesse conviver com a outra. Nesse caso, é preciso dizer que a questão da saúde sempre estará acima de qualquer coisa. Portanto, se o importante é ficar em casa para preservar a vida das pessoas, cada um terá de fazer a sua parte – empresários, trabalhadores, desempregados, seja quem for. Isso não elimina a legítima preocupação com a velocidade da recuperação econômica. Sem empresas funcionando, nenhum país sobrevive, seja ele chefiado por governos de direita, centro ou esquerda. Deve-se, portanto, ter bom senso para tratar a questão e deixar as paixões ideológicas de lado. Nestes tempos conflagrados, equilíbrio talvez seja a qualidade mais necessária.

Dono do Madero pede desculpa

Muitos empresários postaram vídeos nas redes sociais reclamando do home office de seus funcionários. Alguns erraram no tom das mensagens, deixando a impressão que não estão preocupados com as vítimas do coronavírus, mas apenas com os seus negócios. Ontem, Junior Durski, dono da rede de restaurantes Madero, pediu desculpa por suas declarações, consideradas insensíveis. Em plena crise, não é hora de criar polêmicas capazes de afetar a reputação das empresas.
 

'Apesar de toda volatilidade desde a semana passada, não significa que já chegamos ao fundo do poço'

afael Ribeiro, analista da Clear Investimentos, analisando até que ponto o Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, pode cair

 


PepsiCo vai contratar 6 mil funcionários

Parece estranho falar em contratações quando a maioria das empresas sofre com o coronavírus, mas algumas delas resolveram abrir os cofres. Nos Estados Unidos, a PepsiCo vai contratar 6 mil funcionários imediatamente, com benefícios completos e para período integral. Segundo a empresa, a ideia é aumentar o ritmo de produção para abastec er os supermercados e “dar alívio à pressão que o mercado de trabalho no país está sofrendo.” Belo exemplo que poderia ser seguido por corporações brasileiras.

Empresários se unem para arrecadar recursos

Um grupo de lideranças de Minas Gerais se uniu em uma força tarefa para arrecadar recursos para a compra de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e itens hospitalares para a rede de saúde do estado. A construtora MRV, por exemplo, doou R$ 500 mil para a Rede Fhemig (que incluiu o Hospital Júlia Kubitschek e outros). Para os interessados em se juntar à campanha, basta realizar o depósito em uma conta criada pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de Minas Gerais.

RAPIDINHAS


• Com a regulamentação da telemedicina, a Cia. da Consulta lança nesta semana o médico online, que é o atendimento a distância. Os médicos vão trabalhar em casa e os agendamentos podem ser feitos no site da rede de clínicas. O serviço é direcionado para pacientes que têm sintomas como tosse, febre, dor de garganta ou falta de ar.

• Para o fundador da Cia. da Consulta, Victor Fiss, o atendimento online é um serviço de responsabilidade social. “Além de diminuir o fluxo nas clínicas, o objetivo é preservar a segurança dos pacientes e colaboradores”, diz. “A medicina online é o melhor caminho para minimizar a propagação do novo coronavírus.”

• A Netflix vai reduzir a qualidade do streaming no Brasil durante a pandemia do coronavírus. A medida, que deve afetar a transmissão de vídeos em 4K e em alta definição, foi tomada para evitar a sobrecarga das redes no país com o isolamento social e o aumento do trabalho remoto. A iniciativa já tinha sido adotada por Facebook e Instagram.

• A gigante do streaming está faturando com a quarentena global. No acumulado do ano, as ações da Netflix subiram 9,2%. Para efeito de comparação, os papeis da Disney caíram 40% no mesmo período. Resultado: agora, o valor de mercado da Netflix é de US$ 158 bilhões, maior do que o da própria Disney (US$ 154,8 bi lhões).


USS 252 bilhões

Será a queda das receitas das companhia áereas em 2020, segundo cálculo da Associação Internacional de Transportes Aéreos (IATA). Com o avanço do coronavírus, estima-se que o número de passageiros cairá 38%


*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade