Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Gol quer retomar os voos com o Boeing 737 Max em abril

O avião mais vendido da Boeing está proibido de voar desde março do ano passado, após dois acidentes, um na Indonésia e outro na Etiópia, causarem 346 mortes


postado em 23/01/2020 04:00 / atualizado em 23/01/2020 07:45

(foto: Gol/Divulgação )
(foto: Gol/Divulgação )

A Gol tem pressa em retomar os voos do Boeing 737 Max. Segundo o vice-presidente financeiro da companhia, Richard Lark, a ideia é que as aeronaves decolem em abril. Lark, porém, parece ignorar a opinião das autoridades regulatórias. O avião mais vendido da Boeing está proibido de voar desde março do ano passado, após dois acidentes, um na Indonésia e outro na Etiópia, causarem 346 mortes. Por enquanto, não há nada indicando que o 737 Max será liberado. Mesmo se for – e se a Boeing der as garantias fundamentais de segurança –, uma pergunta deve ser feita: os passageiros estarão dispostos a entrar em uma aeronave que, no período de apenas cinco meses, provocou dois acidentes fatais? Muitos provavelmente evitarão o 737 Max a todo custo. Para a Gol, a questão é mesmo séria. Desde a suspensão do 737 Max, a companhia mantém sete aeronaves desse tipo estacionadas. Aviões parados, nem é preciso dizer, significam pesados prejuízos.

 
(foto: Reprodução da Internet )
(foto: Reprodução da Internet )
 

Varejo ressuscita conceito “store in store”

O varejo brasileiro redescobriu o modelo “store in store” – ou uma loja dentro de outra. O conceito fez sucesso no passado em lojas de departamento como Mappin e Mesbla e agora volta renovado. É o caso da Marisa, que abriu espaço em suas unidades para quiosques do Magazine Luiza que vendem itens como smartphones. Há outros exemplos. O Carrefour assinou com a marca de cosméticos Vult e a Pernambucanas com a Avon. A proposta é a mesma: vender as marcas em espaços exclusivos nas lojas.
 
 

Para brasileiros, emprego e saúde são prioridade

É interessante o resultado da pesquisa feita pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) sobre o que os brasileiros consideram prioridade em 2020. De acordo com o levantamento, a diminuição do desemprego (39%) e a melhora da saúde pública (também 39%) deveriam ser os principais focos do governo neste ano. Para efeito de comparação, o combate à corrupção foi citado por 25% dos entrevistados.
 
 
(foto: Márcio Bruno/Yellow/Divulgação )
(foto: Márcio Bruno/Yellow/Divulgação )

Patinetes urbanos começam a sair de cena

A febre dos patinetes parece chegar ao fim. 
Dona das marcas Yellow e Grin, a Grow vai retirar os veículos de circulação em 14 cidades brasileiras, incluindo Belo Horizonte e Brasília. Apenas três centros continuarão com os serviços: Curitiba, Rio de Janeiro e São Paulo. Mesmo assim, as operações serão “reestruturadas” nesses locais, segundo a companhia. Dificuldades de regulamentação, vandalismo e o crescente desinteresse dos usuários estão por trás do declínio dos patinetes.
 
 
(foto: Jack Guez/AFP)
(foto: Jack Guez/AFP)

''É possível agregar mais valor compartilhando ideias
e ouvindo opiniões do que escondendo o negócio'' - Uri Levine, fundador do Waze

RAPIDINHAS

 
» A mudança no comando da Via Varejo, dona de marcas como Casas Bahia e Ponto Frio, e a perspectiva de recuperação da empresa deixaram os investidores animados. Nos últimos dois anos, a Via Varejo foi a companhia que mais ganhou investidores pessoa física no país: o número saltou de 5,7 mil para 122 mil, uma variação de 2000%.

» Um conhecido gestor de fundos de ações com duas décadas de experiência no mercado diz que nunca viu tanto otimismo com a performance da bolsa. “Estou preocupado com isso”, afirma. “Tem muito investidor que acabou de entrar no mercado e acha que vai ganhar dinheiro sempre. As pessoas precisam estar preparadas para quando a maré virar”.

» Os fabricantes de pneus encerram 2019 no zero a zero. Segundo dados da Anip, associação que reúne as empresas do setor, foram vendidas 59,5 milhões de unidades no ano passado, um pouco menos do que as 59,6 milhões negociadas em 2018. O fraco desempenho é resultado do crescimento modesto da produção de veículos.

» Novos sinais de retomada da economia: ontem, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) informou que a intenção de consumo das famílias chegou a 97,1 pontos em janeiro – é o melhor resultado para o mês desde 2015. O consumo em alta deve impulsionar os resultados do varejo em 2020.


R$ 2,7 bilhões  foi quanto as salas de cinema brasileiras arrecadaram em 2019 com a venda de ingressos, alta de 13% em relação ao ano anterior. Apesar do avanço do streaming, a sétima arte nunca esteve tão bem
 

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade