Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Tudo ou nada para a Peugeot

Os clientes que não estiverem satisfeitos com os serviços oferecidos pela companhia não vão precisar pagar pela mão de obra


postado em 02/05/2019 06:00 / atualizado em 02/05/2019 09:08

(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)

A marca francesa Peugeot, uma das poucas montadoras que não aproveitaram o reaquecimento do mercado automobilístico brasileiro, vai partir para o tudo ou nada no Brasil. Depois de cair 21,5% em vendas no primeiro trimestre na comparação com os três meses anteriores, a empresa decidiu lançar uma estratégia inusitada: os clientes que não estiverem satisfeitos com os serviços oferecidos pela companhia não vão precisar pagar pela mão de obra. A iniciativa faz parte do plano chamado “Virada Brasil”, que começou a ser executado em 2015 e que agora chega à sua investida mais radical. “Era hora de mudar”, diz Ana Theresa Borsari, presidente da Peugeot no Brasil. “Aproveitamos um momento econômico não muito favorável no país para executar um plano ousado de transformação, sempre alinhado às expectativas dos nossos parceiros e consumidores. Agora é hora de crescer, acelerar e conquistar o mercado.”

Burger King cresce e ameaça McDonald’s
O Burger King vai investir em lojas de rua para crescer no Brasil. A maior parte das 100 unidades que pretende abrir em 2019 será nos segmentos “free standing” e “in-line”, como são chamados os estabelecimentos com e sem drive thru. No Brasil desde 2004, o BK demorou para engrenar no país. Agora, é uma ameaça real para o McDonald’s, o principal rival. Até pouco tempo atrás, cada loja do McDonald’s gerava 30% a mais de receitas do que uma unidade do BK. Atualmente, a diferença é de 10%.

Marriott vai concorrer com Airbnb no aluguel de casas

Dona de bandeiras como Sheraton e Ritz-Carlton, a rede Marriott, maior empresa hoteleira do mundo, vai entrar no ramo de aluguel de residências. Nos últimos anos, a Marriott tem sofrido – como qualquer gigante do setor – com a concorrência feroz do Airbnb. Agora, o grupo resolveu contra-atacar. A ideia do projeto, que começará nos Estados Unidos, é oferecer os mesmos serviços de locação do Airbnb, mas com mimos adicionais como linha telefônica para suporte 24 horas por dia.

No Canadá, há muito emprego para pouco candidato
Enquanto no Brasil os índices de desemprego teimam em não diminuir, no Canadá as empresas têm encontrado dificuldade para preencher as vagas disponíveis. Desde o início do ano, 430 mil empregos em pequenas e médias empresas não foram ocupados devido à falta de candidatos. Com vagas ociosas, as companhias não cumprem metas e adiam planos – cenário que pode afetar o crescimento econômico. O desemprego no Canadá está em 5,6%, o índice mais baixo em 43 anos.

RAPIDINHAS

l O brasileiro nunca comprou tanto pelo celular. Segundo a empresa de segurança digital Compre&Confie, as vendas on-line realizadas por esses dispositivos aumentaram 28% em 2018 na comparação com o ano anterior. Os smartphones já concentram 43% dos negócios, enquanto o desktop é responsável pelos demais 57%.

l Sócio-diretor da comercializadora e gestora Ecom Energia, Paulo Toledo está otimista com o setor energético brasileiro. Segundo ele, o governo tem adotado um discurso pró-mercado “que vai ao encontro das economias mais modernas”. Para o executivo, o modelo liberal e aberto a competidores gera preços menores – o que, afinal, beneficia os consumidores.

l O mercado de vinhos importados no Brasil cresceu 5,7% em volume no primeiro trimestre de 2019, apesar de cair 2,1% em valores monetários, de acordo com dados de auditoria de importação da Ideal Consulting.  O levantamento mostra que os chilenos continuam na liderança do mercado.

l O desempenho modesto da economia no início de ano não comprometeu a atividade das companhias médias, com faturamento entre R$ 30 milhões e R$ 200 milhões, segundo levantamento da área de Middle Market do Itaú. O ritmo da concessão de crédito está, inclusive, mais forte que o verificado em 2017 e 2018, com crescimento na casa dos dois dígitos.


Publicidade