Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Em risco, motoristas de aplicativos criam códigos para aumentar a segurança

Sequestro de condutor e sumiço de outro expõem perigos da atividade e deixam categoria em alerta em Minas. Polícia faz recomendações também aos usuários


postado em 07/01/2020 06:00 / atualizado em 07/01/2020 07:37

(foto: Arte/Paulinho Miranda)
(foto: Arte/Paulinho Miranda)


Depois de um motorista de aplicativo, de 34 anos, permanecer por cerca de 24 horas em cativeiro após aceitar uma corrida, profissionais da categoria se mostram apreensivos com os repetidos casos de assalto e roubo dentro do carro. No caso de ontem, o homem conseguiu fugir e levou a polícia a prender três suspeitos em Esmeraldas, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Na capital, familiares e amigos estão à procura do motorista de Uber Luiz Antônio da Silva Rodrigues, de 25 anos, desaparecido desde sexta-feira. Os casos acendem um alerta e a Polícia Militar (PM) dá dicas de segurança para motoristas e passageiros. Por sua vez, a categoria se une e cria códigos por meio de grupos de WhatApp para tentar se manter mais segura.

O caso mais recente ocorreu na madrugada de ontem. Segundo o tenente Fagner Costa Messias, do 18º Batalhão de Contagem, na noite de domingo o rapaz procurou uma companhia da PM pedindo ajuda. Ele contou que é de Governador Valadares e pegou dois passageiros na noite de sábado, que haviam solicitado uma corrida. No meio do caminho, eles anunciaram o assalto. O motorista foi colocado no banco do carona, com um dos criminosos sentado atrás dele segurando uma arma, enquanto o outro assumiu a direção.

Eles dirigiram até Esmeraldas, a mais de 300 quilômetros de Governador Valadares, onde encontraram um comparsa. “Ele estava em uma região de mata onde tinha uma lagoa e o pessoal estava o tempo todo o vigiando. Estava sentado de cabeça baixa. Já bem à noite (no domingo), por volta das 19h ou 20h, ele percebeu certa fragilidade na segurança que faziam sobre ele. Daí se encorajou e evadiu do local em que se encontrava, correu em direção a uma rodovia, buscou informações e conseguiu chegar a uma base de apoio”, detalhou o tenente Fagner. Durante as diligências, os policiais descobriram que o carro do motorista, um Gol G5, havia sido apreendido horas antes em uma operação. No momento da abordagem, os ocupantes disseram que o carro pertencia a um parente. Como a documentação estava atrasada e o condutor não tinha carteira, o carro foi recolhido.

A partir daí, os policiais localizaram a casa de um dos suspeitos de assalto, onde foram informados de que eles haviam acabado de embarcar em um outro carro de aplicativo. “Nós conseguimos o telefone desse motorista e eu fiz uma ligação pra ele”. O tenente disse ao condutor que os passageiros eram criminosos e que poderiam assaltá-lo, mas que mantivesse a calma porque eles seriam abordados a qualquer momento. Segundo ele, após a ligação o trio ficou desconfiado e pediu para o motorista mudar o trajeto várias vezes, mas o carro acabou abordado em uma operação de cerco e bloqueio no Bairro Floresta Encantada.

Bruno Silva Costa, de 32, roda como motorista de aplicativo há dois anos. Ele, que trabalhava como operador logístico, usa o App como a principal fonte de renda, diz nunca ter sido alvo de assalto, mas se sente muito vulnerável. “Sinto medo da violência. Tenho medo ser assaltado. Já ouvi várias histórias, me sinto vulnerável demais. Isso porque carregamos todo tipo de pessoas”, disse. Ele conta que adota muitas medidas de auto-segurança. “Procuro olhar a nota dos passageiros (no aplicativo) e o local onde estou. E, se for a noite, não pego qualquer pessoa. Prefiro rodar durante o dia. Caso tenha dúvidas, uso do meu sexto sentido me dizendo para não pegar ou não a corrida”, acrescentou. Por isso, ele frisa a importância da avaliação após os fins da corrida. “É assim que filtramos os passageiros. Muito importante a questão da avaliação. Tem muito motorista ruim, mas também tem muitos passageiros ruins”, disse.

INSEGURANÇA O representante do Sindicato dos Motoristas de Aplicativos Mateus Rocha disse que ainda é muito pouco o que os aplicativos fazem pela segurança da categoria e que muitos se sentem vulneráveis. “Não temos dados concretos, pois o sindicato não tem acesso a esses dados junto à Secretaria de Segurança Pública. Em compensação, o sentimento de aumento de assaltos é nítido, visto a repercussão que observamos nos apelos e, principalmente, nas redes sociais. O WhatsApp é uma ferramenta importante para a categoria e todos os dias temos notícias de roubos e assaltos”, informou.

Mateus conta que os próprios motoristas se organizam para “cuidar um dos outros”. “Eles se vigiam. Eu mesmo tenho grupo para troca de informações e de rastreamento em tempo real. Temos acesso aos dados do colega, como nome completo e placa do veículo. Dessa forma, em alguma situação suspeita, enviamos código via WhatAapp. Nos criamos nosso próprio código de comunicação”, contou. Em seguida, eles chamam a polícia ou vão para o local onde está o suspeito. “É difícil chamar a polícia, pois estamos sempre em movimento. Não tem um endereço fixo”, acrescentou.

Ele acredita que ainda são necessários investimentos significativos por parte dos aplicativos para melhorar na tecnologia para conferência de dados dos passageiros, como reconhecimento facial ou biometria, além de uma comunicação mais eficiente com as forças de segurança pública. “O estado também deve investir em tecnologias de segurança. Os aplicativos não investem porque dessa forma nós acabaríamos ficando "caros" para as empresas e o estado não investe simplesmente porque não tem dinheiro, é fato público”, acrescentou.

O Estado de Minas tentou levantar estatísticas de crimes relacionados a motoristas de aplicativo, mas isso não foi possível nem através da Polícia Civil de Minas Gerais ou pela Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp). “A Polícia Militar, por intermédio do Comando de Policiamento da Capital, esclarece que faz análise e controle dos crimes que ocorrem na cidade, inclusive os relativos a motoristas de aplicativo”, informou a corporação. A polícia recomenda que em caso de qualquer suspeição, busque auxílio. “E se infelizmente houver de fato o crime, não reaja. Mantenha a calma e não faça movimentos bruscos, a vida é o bem mais precioso”, acrescentou.

Desaparecido


Familiares e amigos continuam à procura do motorista de Uber Luiz Antônio da Silva Rodrigues, de 25, desaparecido desde sexta-feira, em Belo Horizonte. Ele saiu de casa para trabalhar e não voltou mais. O último contato que ele fez com a namorada foi na manhã de sábado. O jovem dirigia um Gol branco, placa PZN-1817.

Segundo o pai, o músico Fernando Rodrigues, Luiz rodava no turno da noite. No dia do sumiço, ele falou com o filho por volta das 22h. "Liguei pra ele na sexta, depois daquela chuva forte para ver se estava tudo bem. Ele disse que sim e que trabalharia a noite toda", contou Fernando. A família começou a estranhar o sumiço do jovem no início da noite de sábado. "Às vezes ele dormia na casa de amigos ou da namorada. Por isso, no sábado durante o dia pensamos que ele estivesse dormindo. Achamos estranho quando deu 18h e ele não atendia. Depois, o Whatsapp dele foi bloqueado", relatou o pai.

Daí em diante, o pai e outros familiares começaram a ligar para amigos, namorada e pessoas próximas do rapaz na tentativa de obter informações de seu paradeiro. "A namorada dele disse que a última vez que falaram foi no sábado, por volta de 6h da manhã. Ele relatou que tinha rodado a noite toda, estava muito cansado e dormiria. Disse também que desligaria o celular", contou Fernando. Depois disso, Luiz Antônio sumiu e o celular foi desligado.

O jovem trabalha com o transporte de passageiro por aplicativo há três anos. O pai o descreve como uma pessoa tranquila e que nunca teve problemas. "Nunca tive conhecimento dele se envolver em confusão, usar drogas ou qualquer coisa que pudesse justificar um sumiço assim", comentou.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade