SIGA O EM

Mais da metade da população mundial não usa internet

Problema é maior 'entre as mulheres, os idosos, as pessoas menos educadas, com rendas mais baixas e os moradores de zonas rurais'

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1087938, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Portal de Planos/Internet', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/11/22/825912/20161122163416292952o.JPEG', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 22/11/2016 15:37 / atualizado em 22/11/2016 16:37

AFP /Agence France-Presse

Portal de Planos/Internet
Mais da metade da população mundial não usa a internet devido ao custo proibitivo da banda larga, afirma um relatório das Nações Unidas divulgado nesta terça-feira em Genebra.

A União Internacional de Telecomunicações da ONU (ITU, siglas em inglês) disse que cerca de 3,9 bilhões de pessoas não têm acesso à internet em casa ou no celular, e que o problema é maior entre as "mulheres, os idosos, as pessoas menos educadas, com rendas mais baixas e os moradores de zonas rurais".

A ITU destaca que o maior obstáculo é o custo do acesso à banda larga, que apesar de ter ficado mais barata nos últimos dez anos, continua sendo "claramente inacessível" em muitos países pobres. Em 2008, o preço médio de uma conexão fixa de banda larga no mundo era de 80 dólares mensais, uma tarifa que caiu para 25 dólares no ano passado, segundo a organização.

No entanto, nos países mais pobres, um pacote mensal de banda larga fixa com apenas um gigabyte de dados - que é aproximadamente a quantidade necessária para baixar um filme - ainda custa mais da metade de um salário médio anual.

A internet em dispositivos móveis pode ser uma solução para ampliar o acesso, disse a ITU, observando que as redes de banda larga móvel cobrem tecnicamente 84% da população mundial.

Mas para muitos, o custo do aparelho é a maior barreira econômica para o acesso à internet móvel, de acordo com a organização. "Em 2016, as pessoas não ficam mais on-line, elas estão on-line", diz o relatório. "No entanto, muitas pessoas ainda não estão usando a internet, e muitos usuários não se beneficiam plenamente do seu potencial", acrescenta.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600