SIGA O EM

Deputado aliado de Temer que STF afastou do cargo retorna ao país

O deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), delatado pelo dono da JBS, desembarcou na manhã desta sexta-feira no Aeroporto de Cumbica

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1123429, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Dida Samapio/estad\xe3o Conte\xfado', 'link': '', 'legenda': 'Deputado Rodrigo Rocha Loures', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2017/05/19/870202/20170519080718330202u.jpg', 'alinhamento': 'right', 'descricao': ''}]

postado em 19/05/2017 08:02 / atualizado em 19/05/2017 08:11

Estado de Minas

Dida Samapio/estadão Conteúdo

O deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), delatado pelo dono da JBS, Joesley Batista de ser  testa de ferro do presidente Michel  Temer (PMDB/SP), desembarcou na manhã desta sexta-feira no no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, São Paulo. El estava em Nova Yotk, nos Estados Unidos, acompanhando o evento Person of The Year, no qual o prefeito de São Paulo João Doria (PSDB)foi premiado.

O deputado Loures é citado na delação de Joesley Batista,  dono da JBS, por  encaminhar ações em favor da empresa no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) em troca de propina.

No saguão do aeroporto, ele foi chamado de "ladrão", "bandido" e algumas pessoas pediram "cadeia". Ele não  falou com a imprensa.

Após a delação de Joesley Batista, da JBS, o ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin determinou o afastamento de Loures do mandato de deputado federal. (Ouça  o áudio da conversa de Joesley Batista e o presidente Michel Temer)

Nessa quinta-feira (18), a Polícia Federal (PF) cumpriu mandado de busca e apreensão no gabinete do deputado. Uma barreira de policiais legislativos impediu o acesso dos jornalistas ao oitavo andar do anexo quatro da Câmara dos Deputados.

O gabinete do parlamentar é vizinho aos gabinetes do líder do governo no Congresso, deputado André Moura (PSC-SE), do deputado Mauro Lopes (PMDB-MG) e do oposicionista Chico Alencar (PSOL-RJ). Não havia no horário nenhum funcionário do deputado no local. A polícia legislativa teve que abrir o gabinete para o cumprimento da ordem judicial.

A busca e apreensão durou quatro horas e meia . Os agentes da PF deixaram o gabinete do deputado apenas com um malote.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Full
Full - 19 de Maio às 10:56
No aniversário de 1 ano do governo coxo-golpista, a casa tá caindo literalmente.