SIGA O EM

PSOL protocola pedido de impeachment contra Temer

Segundo Ivan Valente, Temer não apenas foi "condescendente" com Geddel, como agiu em favor do aliado para que fosse resolvido o impasse da liberação do empreendimento imobiliário

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1089150, 'arquivo_grande': '', 'credito': '/ AFP / EVARISTO SA ', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/11/28/827869/20161128170345723640o.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 28/11/2016 16:38 / atualizado em 28/11/2016 17:04

Agência Estado

/ AFP / EVARISTO SA

O PSOL protocolou nesta segunda-feira, 28, um pedido de impeachment do presidente Michel Temer com base nas denúncias feitas pelo ex-ministro da Cultura Marcelo Calero. Para o líder do partido na Câmara, Ivan Valente (SP), Temer cometeu "crime de responsabilidade" ao se envolver numa questão particular do ex-ministro Geddel Vieira Lima.

O deputado também afirmou que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), deveria analisar com cuidado o caso antes de decidir se vai aceitar ou não a denúncia. "Espero que a Câmara abra o processo de impeachment. O presidente da Câmara tem que levar esse caso a sério. A possibilidade de a insatisfação popular crescer é grande", afirmou.

Segundo Ivan Valente, Temer não apenas foi "condescendente" com Geddel, como agiu em favor do aliado para que fosse resolvido o impasse da liberação do empreendimento imobiliário em Salvador (BA), onde Geddel comprou um apartamento. O deputado afirmou ainda que o presidente "se atolou" quando disse que atuou para resolver um eventual "conflito" entre órgãos do governo. "O problema particular de Geddel se tornou um problema da cúpula do governo", disse.

Na visão do deputado, Temer "de certa forma" ameaçou o ex-ministro da Cultura, quando o "enquadrou" a encontrar uma solução para a questão, remetendo o caso à Advocacia Geral da União (AGU). A peça protocolada pelo PSOL na Mesa da Câmara nesta segunda-feira tem 23 páginas. Cabe a Maia, aliado de Temer, decidir se deflagra ou não o processo de impeachment.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
EVANDRO
EVANDRO - 28 de Novembro às 19:25
Esse partido, Psol! parece uma piada! ele não foi tão eficiente em pedir o impechment da Dilma como agora, mesmo sabendo que o governo dela estava atolado em todo tipo de falcatrua, pelo contrário eles não só não pediram o impechment, como fizeram de tudo para não cassar o mandato da Dilma.
 
Marcos
Marcos - 28 de Novembro às 17:49
A verdade é que todos os partidos politicos são feitos para explorar a população.