SIGA O EM

'Temer terá serenidade para conduzir esse momento', diz Bruno Araújo

Ministro das Cidades, do PSDB, afirmou que o momento é de ter união para superar a crise e minimizou o pedido de impeachment contra Temer.

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 25/11/2016 12:13 / atualizado em 25/11/2016 12:22

Agência Estado

O ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB), minimizou nesta sexta-feira, 25, a crise que atingiu o Palácio do Planalto, após o pedido de demissão do ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima. "O presidente Temer, com certeza, terá serenidade para conduzir esse momento. É uma prerrogativa do presidente de escolher os seus auxiliares", afirmou Bruno na chegada do evento do PSDB, promovido na Câmara dos Deputados.

Questionado sobre o surgimento de possíveis pedidos de afastamento de Temer da presidência, o ministro afirmou: "No Congresso se pediu o impeachment de todos os presidentes. O momento é de ter unidade para enfrentar a profunda crise".

O estouro da crise, que ocasionou na queda de Geddel, ocorreu após vir a público trecho do depoimento, realizado à Polícia Federal, em que ex-ministro da Cultura Marcelo afirma ter recebido pressão do presidente Temer para liberar um empreendimento imobiliário em Salvador.

Calero disse aos investigadores ter gravado conversas sobre o assunto. Foram alvo do "grampo" além do presidente e de Geddel, o chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha.

No depoimento à PF, Calero narrou ter recebido pressão de vários ministros para que convencesse o Instituto do Patrimônio Histório Nacional (Iphan) a voltar atrás na decisão de barrar o empreendimento La Vue, onde Geddel diz ter adquirido um apartamento, nos arredores de uma área tombada de Salvador.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600