SIGA O EM

Primeira baixa

Roberto Freire assume a Cultura com promessa de aumento de recursos

Marcelo Calero é o primeiro ministro a sair desde que Temer assumiu definitivamente o cargo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1087306, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Marcelo Camargo/ Ag\xeancia Brasil', 'link': '', 'legenda': '"Saio do Minist\xe9rio da Cultura com a tranquilidade de quem fez tudo o que era poss\xedvel fazer, frente os desafios e limita\xe7\xf5es com os quais me defrontei" Marcelo Calero,na carta em que pede demiss\xe3o do cargo de ministro da Cultura', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/11/19/825069/20161119073043131331u.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}, {'id_foto': 1087307, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Reprodu\xe7\xe3o Flickr/Roberto Freire', 'link': '', 'legenda': '"\xc9 preciso calma nessa hora. (...) Aceitei o convite porque \xe9 responsabilidade nossa, n\xf3s que participamos do impeachment, contribuir com este governo" Roberto Freire (PPS-SP), deputado e novo ministro da Cultura', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/11/19/825069/20161119074122640358a.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 19/11/2016 06:00 / atualizado em 19/11/2016 08:19

Estado de Minas

 

Reprodução Flickr/Roberto Freire

Brasília – O ministro da Cultura, Marcelo Calero, pediu demissão ontem. A informação foi confirmada pela pasta e pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, em nota. No texto, a secretaria anuncia que o substituto será o deputado Roberto Freire (PPS-SP). Em carta endereçada ao presidente Michel Temer, com data de quinta-feira, Calero alega “divergências” com integrantes do governo para entregar o cargo. “Saio do Ministério da Cultura com a tranquilidade de quem fez tudo o que era possível fazer, frente os desafios e limitações com os quais me defrontei. E que o fez de maneira correta e proba”, afirmou o agora ex-ministro.

Segundo bastidores, Temer teria ligado para Calero por voltadas 19h de ontem para saber se ele havia reconsiderado a decisão de deixar a pasta. O presidente ouviu uma negativa. O então ministro reforçou que estava mesmo decidido a sair. É a primeira baixa no ministério de Temer desde que ele assumiu efetivamente o cargo após a cassação definitiva de Dilma Rousseff.
Marcelo Camargo/ Agência Brasil

Presidente do PPS, Roberto Freire, que já havia flertado com a cadeira no início do governo do peemedebista, confirmou que será o novo ministro da Cultura. Ele disse à reportagem que ficou “impactado” com o convite. O deputado informou que ainda não conversou com o presidente e que pretende falar também com  Calero. O novo ministro afirmou começa com uma boa notícia para o setor que é a disposição de Temer em injetar mais recursos para políticas da área.

“Para você pode não ter sido uma surpresa, mas fiquei impactado (com o convite). É preciso calma nessa hora. Não falei com o presidente ainda. Mas aceitei o convite porque é responsabilidade nossa, nós que participamos do impeachment (de Dilma Rousseff), contribuir com este governo, fruto de nossa ação no Congresso”, disse Freire.

O novo ministro comentou o que deve encontrar na pasta: “O que posso dizer é que temos boas notícias. O próprio presidente já falou que há uma previsão de aumento de recursos para a área de cultura, no orçamento. Já é um sinal importante. Estamos vivendo um momento um processo de reformas. A sociedade exige isso. Na cultura também temos que discutir alguns entraves. Posso dizer que serei mais um integrado na equipe e trabalhando para ver esse governo encaminhar bem sua transição (para 2018), na maior normalidade institucional”.

Perguntado se por ter origem num estado – Pernambuco – de ricas manifestações culturais seria um fator favorável, respondeu: “Um pernambucano paulista, minha representação na política. Mas sou nacional. Sempre fui. Desde o velho partidão (PCB)”.

Protestos

Quando Michel Temer assumiu o Palácio do Planalto, ainda como presidente em exercício, em maio – após o afastamento da então presidente Dilma Rousseff, em razão do processo de impeachment que ela enfrentava no Congresso Nacional –, o presidente decidiu extinguir o Ministério da Cultura e transformá-lo em uma pasta do Ministério da Educação. Diante da reação negativa de setores culturais e de artistas, com diversos protestos pelo país, Temer optou por recriar a pasta. À época, Calero era o secretáro de Cultura e se tornou ministro.

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
José
José - 19 de Novembro às 19:21
Vai precisar de oposição ? ? ? Vai precisar do povo ! ! ! PARA MANDAR ESTES GOLPISTAS PARA A pqp ? ? ?
 
Full
Full - 19 de Novembro às 11:54
Roberto Freire, traíra, golpista e oportunista.
 
marcelo
marcelo - 19 de Novembro às 09:36
Um dos participantes do golpe , agora já pegou o seu cargo, agora começa o desvio.
 
marcelo
marcelo - 19 de Novembro às 09:36
Um dos participantes do golpe , agora já pegou o seu cargo, agora começa o desvio.
 
Voltaire
Voltaire - 19 de Novembro às 09:31
Promessas de recursos para a CULTURA. Num país onde o Governo faz questão que ninguém aprenda nada, senão descobrem o que fazem e, principalmente o quanto não fazem, vai investir na CULTURA??? Eu ainda prefiro acreditar em papai Noel.
 
Sylvio
Sylvio - 19 de Novembro às 09:29
Entendi tira recuros da educação e da saúde e coloca na cultura para ser desviado pela lei rouanet.