SIGA O EM

Três caciques do Rio estão atrás das grades

Ex-governador Sérgio Cabral é preso pela PF no dia seguinte à detenção de Garotinho. Em outubro, ex-deputado Eduardo Cunha, que tem base no estado, também foi detido por corrupção

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 18/11/2016 06:00 / atualizado em 18/11/2016 08:11

Estado de Minas

Em menos de 24 horas, dois caciques políticos que governaram o estado foram presos na Zona Zul do Rio pela Polícia Federal e levados para o presídio Bangu 8. E são três em menos de 30 dias, se considerada a prisão do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB), levado para a carceragem da Polícia Federal em Curitiba, em 19 de outubro. Todos são acusados de corrupção e lavagem de dinheiro.

Na quarta-feira, a Operação Chequinho, que investiga a compra de votos durante a eleição municipal em Campos, no Norte Fluminense, prendeu Anthony Garotinho (PR). Nessa quinta-feira foi a vez de Sérgio Cabral Filho (PMDB), alvo de dois mandatos de prisão preventiva no âmbito da Lava-Jato, acusado de liderar um grupo que desviou R$ 224 milhões em contratos de obras.

A origem da Lava-Jato são os empreendimentos fraudados da estatal petrolífera entre 2004 e 2014, por isso, o juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, também mandou prender Cabral. Simultaneamente, o juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio, decretou a prisão do ex-governador, mas por propinas em outras obras bilionárias, sem vínculo com a Petrobras.


Cabral é acusado de corrupção, organização criminosa e lavagem de dinheiro. Os desvios teriam sido feitos em contratos com as empreiteiras Andrade Gutierrez, Carioca Engenharia, entre outras, em obras como reforma do Maracanã, o Arco Metropoliltano e PAC Favelas em troca de aditivos em contratos públicos.

A operação que o prendeu, batizada de Calicute (referência às tormentas enfrentadas pelo navegador Pedro Álvares Cabral a caminho das Índias), é resultado de investigação em curso na força-tarefa da Lava-Jato no estado do Rio de Janeiro em atuação coordenada com a investigação no Paraná.

Sérgio Moro decretou também o bloqueio de R$ 10 milhões do ex-governador e de outros 11 investigados, inclusive a mulher do peemedebista, Adriana de Lourdes Ancelmo, e do escritório de advocacia dela, o Ancelmo Advogados.

Além de Cabral, foram presos ex-secretários e ex-assessores do seu governo, empresários e operadores do esquema.

As prisões feitas pela Polícia Federal são decorrentes de ação conjunta com o Ministério Público Federal (MPF) e a Receita Federal para investigar o desvio de recursos públicos federais em obras realizadas pelo governo do estado do Rio de Janeiro. Cabral foi preso preventivamente em sua casa, no Leblon e levado pela PF sob gritos de “ladrão” de cidadãos.

Depois, seguiu para exame de corpo delito no IML e para o presídio Bangu 8, no fim da tarde. Em nota, a PF informou que a apuração em curso identificou fortes indícios de cartelização de grandes obras executadas com recursos federais mediante o pagamento de propinas a agentes estatais.

EMPREITEIRAS


O desdobramento das investigações da Lava-Jato em Curitiba revelou a ocorrência de crimes de corrupção, consistentes no pagamento de vantagens indevidas ao então governador em decorrência do contrato celebrado entre a Andrade Gutierrez e a Petrobras, relativamente às obras de terraplanagem no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj)”, afirma o Ministério Público Federal.

Segundo a Lava-Jato, “foram colhidas provas que evidenciam que Cabral recebeu, entre 2007 e 2011, ao menos R$ 2,7 milhões, da empreiteira Andrade Gutierrez, por meio de entregas de dinheiro em espécie, realizadas por executivos da empresa para emissários do então governador, inclusive na sede da empreiteira em São Paulo”.

“Há evidências da prática do crime de lavagem de dinheiro oriundo dos crimes antecedentes. A investigação apurou, por exemplo, que apenas dois investigados, entre 2009 e 2015, efetuaram pagamentos em espécie, de diversos produtos e serviços, em valores que se aproximam de R$ 1 milhão”, informou a Procuradoria.

“Foi identificado que integrantes da organização criminosa de Sérgio Cabral amealharam e lavaram fortuna imensa, inclusive mediante a aquisição de bens de luxo, assim como a prestação de serviços de consultoria fictícios”, diz o Ministério Público Federal.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Andre
Andre - 18 de Novembro às 12:07
Se devolverem tudo que foi roubado, dá para colocar as contas do estado em dia. Pagar os funionários e sobra para a saúde, segurança e educação;
 
jose
jose - 18 de Novembro às 09:58
É isso que acontece quando o povo não sabe eleger seus representantes... É bom sentir na pele para aprender.....