SIGA O EM

Maia diz que manifestantes que invadiram a Câmara serão indiciados

Grupo ocupou o plenário da Casa por mais de quatro horas nesta quarta-feira

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1086728, 'arquivo_grande': None, 'credito': 'Lucio Bernardo Jr. / C\xe2mara dos Deputados', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/11/16/824322/20161116205302857546i.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 16/11/2016 20:42

Paulo de Tarso Lyra

Lucio Bernardo Jr. / Câmara dos Deputados

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) afirmou, na tarde desta quarta-feira (16/11), que todos os manifestantes que invadiram o Plenário da Casa durante a sessão de hoje serão indiciados.


O primeiro secretário geral da Câmara, Beto Mansur (PRP-SP), afirmou, ainda, que "o grupo invadiu uma área federal". Por volta das 18h50, os militantes deixaram o local. O indiciamento será por invasão de patrimônio público e depredação de patrimônio.

 

"Vão ser todos indiciados e presos. Vão sair daqui direto para a Polícia Federal. Não há negociação com quem comete crime. A negociação era, até então, enquanto estavam fora do Plenário. Eles invadiram, quebraram uma porta e subiram na mesa do presidente da Câmara. Isso é inaceitável", disse Maia.

 

Algumas pessoas que estavam do lado de fora da Câmara bateram palmas para os militantes que deixaram o Plenário. "Viva os patriotas que estão arriscando a vida pelo Brasil", gritam.

 

Os participantes do protesto, que começou por volta das 15h de hoje, são de extrema direita e pedem intervenção militar. "Nossa bandeira jamais será vermelha" e "Viva Sérgio Moro! General Já" foram os hinos cantados por eles. 

 

O vice-líder do governo na Casa, Darcísio Perondi (PMDB-RS), comentou sobre a pauta do grupo: "Eles leram uma pauta extensa que vai desde o fim das aposentadorias milionárias de juízes e parlamentares, o fim da corrupção e uma intervenção militar já. É um grupo radical de direita, o que é lamentável, pois eu já vivi a ditadura militar e defendo o valor da democracia". Mais cedo, houve tumulto e confusão entre policiais legislativos e , que afirmaram que só deixariam o local se o Exército fosse retirá-los.

 

O ato ocorreu na fase de pronunciamento dos parlamentares durante sessão presidida pelo deputado Waldir Maranhão (PP). O grupo entrou no Plenário pelo Salão Verde da Câmara e foi direto para a parte superior onde fica a mesa diretora dos trabalhos. A porta de vidro do local foi quebrada e a sessão foi suspensa.

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Druso
Druso - 17 de Novembro às 10:54
Olha o nível das Donas Marias. A mais magrinha pesa 50 arrobas.
 
ROBSON
ROBSON - 17 de Novembro às 10:18
tem tanto ladrão do poder público pra policia federal prender, que não vai ser possível prender a população de bem.
 
Full
Full - 17 de Novembro às 11:59
população de bem???????????????? Meu deus...
 
Antônio
Antônio - 17 de Novembro às 09:38
O chefe do covil de ladrões chamado Câmara Federal deve é colocar as barbas de molho porque o povo já não aguenta mais tanta roubalheira e descaso com a coisa pública.
 
Antônio
Antônio - 17 de Novembro às 09:37
Não invadiram um poder do estado! Invadiram um covil de ladrões que deveriam esta em sua grande maioria na cadeia!
 
Thiago
Thiago - 17 de Novembro às 07:31
E daí se invadiu uma área federal? Mais de centenas de instituições também federais de ensino, centros de museus e outros prédios estão invadidos e vocês sequer escutam essas vozes...
 
Geraldo
Geraldo - 17 de Novembro às 00:29
Que horror, estão querendo criminalizar as manifestações. E não é invasão, o nome certo agora é ocupação.