SIGA O EM

Lobista do PMDB que enviou 1,3 milhão de francos suíços a Cunha diz que não é 'apegado ao dinheiro'

João Augusto Rezende Henriques usou argumento do desapego para justificar ao juiz Sérgio Moro a razão de não saber afirmar quem são os destinatários de pagamentos da offshore Acona

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 12/11/2016 10:07 / atualizado em 12/11/2016 10:22

Agência Estado

São Paulo - Condenado na Lava-Jato por intermediar o pagamento de milhões em propinas no esquema de corrupção na Petrobras, o lobista João Augusto Rezende Henriques afirmou, em seu interrogatório perante o juiz Sérgio Moro na quarta-feira (9/11), que nunca foi "apegado ao dinheiro".

O suposto desapego foi um dos argumentos do empresário para justificar o porquê não soube afirmar ao juiz da Lava-Jato quem são os vários destinatários de pagamentos feitos por sua offshore Acona a outras contas no exterior.

O depoimento de João Henriques, apontado pelos investigadores como lobista do PMDB, foi tomado na ação que tem como ré a mulher do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, Cláudia Cordeiro Cruz. A Lava Jato identificou, com apoio do Ministério Público suíço, que parte da propina paga ao ex-deputado no exterior em contas secretas foi usada para bancar compras de luxo de Cláudia.

“Eu tinha o controle do seguinte, a maior parte do lucro (da Acona) era meu. Só isso que eu tinha. Nunca fui apegado ao dinheiro, não. Gostava de executar as coisas. E eu sempre tive uma remuneração, desde 2002 que eu ganho de R$ 2 milhões a R$ 3 milhões por ano. Eu sempre ganhei bem, porque eu sempre trabalhei na estratégia das coisas, sempre tive capacidade para definir a estratégia, com quem falar, como falar, como resolver, como agir”, afirmou.

Em maio de 2011, a Acona recebeu um total de US$ 10 milhões da Lusitania Petroleum, empresa que controlava o campo de exploração em Benin, na África, que foi vendido para a Petrobras naquele ano, em um negócio que teria contado com a consultoria de Henriques. Desta conta, o empresário repassou 1,3 milhão de francos suíços para uma das offshores de Cunha, por meio de cinco transferências já identificadas pela força-tarefa em Curitiba.

Além destas operações, a offshore de Henriques fez vários outros pagamentos para empresas cujos destinatários ainda não foram identificados.

Questionado reiteradas vezes por Moro sobre cada uma das transferências, o lobista disse que não saberia falar quem eram os destinatários. “Quando você transfere para uma conta, ela não tem o nome da pessoa, ela tem um swift (numero da conta)”, explicou o lobista.

O juiz da Lava Jato, então, questionou novamente: “O senhor não sabe nem me relacionar se o pagamento é para X, para Y? Qual a causa desse pagamento?”. “Não, nós estamos em 2016, isso ai nós pagamos em 2011. Eu não lembro nem o que eu fiz ontem, pô”, afirmou.

O lobista, contudo, garantiu que sua empresa prestou consultoria e até contratou outros técnicos e especialistas para levantar as informações do campo em Benin, que foram apresentadas à Petrobras para a proposta de compra. Ele chegou a citar os nomes de três pessoas que teria pago para fazer o serviço, sem, contudo, assinar contrato com eles. “Não precisava, (eles) são meus amigos por muito tempo, eu fiz de boca, e eles acreditam e receberam o que era devido”, afirmou.

Apesar de citar os nomes e os supostos pagamentos, ele não identificou nas transferências de suas empresas quem eram os destinatários. João Henriques disse a Moro que, de toda a movimentação em sua offshore, teria sobrado para ele US$ 4 milhões, e que não houve ilegalidade em suas operações no exterior.

A Lava Jato suspeita que o restante do valor da propina paga pela CBH, empresa pertencente à Lusitania Petroleum, para fechar o negócio com a Petrobras e que foi depositado na conta Acona, de João Henriques, foi distribuído para diversas outras offshores cujos beneficiários ainda não foram identificados, havendo suspeitas de que outros agentes públicos receberam propinas nessa operação.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600