SIGA O EM

Kalil se elegeu com campanha quase três vezes mais barata que a de João Leite

Enquanto o tucano contratou R$ 9 milhões, o candidato do PHS ficou em R$ 3,5 milhões.

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1083582, 'arquivo_grande': '', 'credito': ' Paulo Filgueiras/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/10/31/819781/20161031145949452660a.ZDFGHDFG', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 31/10/2016 13:53 / atualizado em 31/10/2016 15:00

Juliana Cipriani /

 Paulo Filgueiras/EM/D.A Press

A campanha do candidato derrotado à Prefeitura de Belo Horizonte, deputado estadual João Leite (PSDB), vai custar quase três vezes mais do que a do prefeito eleito, Alexandre Kalil (PHS). Juntos, os dois contrataram despesas da ordem de R$ 12,5 milhões, segundo a prestação de contas do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais. As contas, que ainda podem ser fechadas até 19 de novembro, ainda estão no vermelho.

O prefeito eleito Alexandre Kalil declarou ter contratado R$ 3.549.754,63 em despesas. Os valores são atualizados até o meio da semana passada, pois há um prazo para abastecer os dados no sistema online. Deste valor, ele já pagou R$ 2.762.856,79, menos do que os R$ 3.226.489,97 que a campanha tem em caixa.

O maior doador da campanha foi o próprio Kalil, que gastou R$ 2,200 milhões de recursos próprios, o que representa 68,19% do total arrecadado. O segundo no ranking de doadores é o empresário Rubens Menin Teixeira de Souza, presidente do Conselho Administrativo da MRV Engenharia, que contribuiu com R$ 200 mil, mesmo valor dado pelo PHS.

Os também empresários Pedro Lourenço Oliveira e Frederico Lavorato Arantes também doaram R$ 100 mil cada.

O deputado estadual João Leite, que perdeu a disputa, contratou R$ 9.014.562,49 em despesas das quais já pagou R$ 3.513.281,76. O total de recursos arrecadados pelo tucano até meados da semana passada, segundo o TRE, é de R$ 3.667.967,70.

O maior doador foi o PSDB, que empenhou R$ 2,340 milhões. Outros R$ 300 mil vieram do DEM e R$ 219 mil do PP. O empresário Sinai Waisberg doou R$ 100 mil.

O presidente do grupo Patrimar, Alexandre Araújo Elias Veiga, doou R$ 100 mil. Já o vice-presidente da MRV, Marcos Alberto Cabaleiro Fernandes, forneceu R$ 58 mil.

 

De acordo com o TRE, o prazo para declarar as contas do primeiro turno termina nesta terça-feira. Já os gastos do segundo turno podem ser informados até o dia 19.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Aminadab
Aminadab - 01 de Novembro às 07:02
Se o Kalil gastou 1/3 do que gastou o Leite, isso mostra q SE GASTA DEMAIS e de maneira DESORDENADA em uma campanha eleitoral, ato INVERSAMENTE proporcional aos PROJETOS apresentados pelos CANDIDATOS e pelos PARTIDOS, na verdade o q existe é UM ENRIQUECIMENTO ILÍCITO NAS "BARBAS DO TSE" , desde 2988 e JOGAM NA LATA DO LIXO com a CONIVÊNCIA do TSE mais de 1MILHÃO DE REAIS POR ANO, pois, cada ELEITOR PARA POR ANO R$7,50 para o FUNDO PARTIDÁRIO, bem como, também PAGA POR ATRAVÉS DAS MULTAS POR NÃO IR VOTAR A BAGATELA DE 800MILHÕES de reais, assim é MOLE SER PRESIDENTE de partido AD ETERNUM!
 
Diego
Diego - 31 de Outubro às 19:57
Tenho dó do município de Contagem. Vai acabar virando cabide de emprego pra essa turma que saiu da Prefeitura e já estava fora do Governo do Estado...
 
Alexandre
Alexandre - 31 de Outubro às 19:17
O povo de Beagá reconduziu a turma do PT à Prefeitura. Kalil "tiririca" puxou os votos para o Paulo Lamac (ex-PT) , discípulo de Marina Silva (REDE ; plano B do PT), governar de fato a cidade. Foram os 80 mil votos do PT que fizeram a diferença no 2º turno.
 
Diego
Diego - 31 de Outubro às 19:58
Alexandre, quero que nos aponte um único desvio de conduta (na justiça ok, transitado e julgado e não lenda urbana de internet) do Paulo Lamac. Essa mania tucana de não aceitar a derrota já passou de todos os limites. Só tem valor quem é tucano? Nada disso rapaz...
 
joel
joel - 31 de Outubro às 19:05
Dessa vez o grupão vai ter seu investimento de volta em outras praias....
 
José
José - 31 de Outubro às 17:41
Viva os """"""NÃO VOTO"""""" - - - - - - CAMPEÕES ! ! ! Como NÃO TEVE GANHADOR - - - - vai o SEGUNDO COLOCADO MESMO ! ! !
 
Aloisio
Aloisio - 31 de Outubro às 17:29
O Senadorzinho quando perde diz que a eleição teve fraude.Aí prepara um golpe com uns cretinos que existem como a advogada que diz que a Russia vai invadir o Brasil.
 
Aloisio
Aloisio - 31 de Outubro às 17:29
O Senadorzinho quando perde diz que a eleição teve fraude.Aí prepara um golpe com uns cretinos que existem como a advogada que diz que a Russia vai invadir o Brasil.
 
Full
Full - 31 de Outubro às 16:22
Não se iludam achando que Kalil botou 2 milhões de recursos seus na campanha. Um turco jamais faria isso. Mas um italiano, sim: Vitório Medioli.
 
Antônio
Antônio - 31 de Outubro às 15:57
ESSA É A DIFERENÇA ENTRE O DEPUTADO PARASITA QUE ESTÁ ACOSTUMADO A GERIR, OU MELHOR, SE BENEFICIAR DA COISA PÚBLICA E O PAGADOR DE IMPOSTOS QUE TEVE QUE VENDER UM APARTAMENTO DE SUA PROPRIEDADE PARA PEITAR O PARASITA. O PAGADOR DE IMPOSTOS SABE QUANTO CUSTA GANHAR CADA CENTAVO DO QUE ELE TEVE QUE DESFAZER PARA PEITAR O PARASITA. QUANTO AO PARASITA, ESSE ACHA QUE DINHEIRO PÚBLICO É DE SUA PROPRIEDADE E, PORTANTO, PODE SAIR PELO RALO.
 
rodrigo
rodrigo - 01 de Novembro às 07:50
Se vai dar certo? Não tenho certeza! Certeza eu tinha que o outra não daria de maneira alguma! Agora persistir no erro simplesmente por medo de uma mudança, é coisa de fraco! É COISA DE COXINHA!
 
Castro
Castro - 01 de Novembro às 02:17
Ohhh.... O pobre cartola que teve que fazer um contrato de venda do apartamento para seus próprios filhos... E você acha que ele também vai doar todo o salário dele para obras de caridade também? Se liga, otário.
 
Silvio
Silvio - 31 de Outubro às 17:43
Ótima postagem, Antonio. Para um que esta acostumado com dinheiro publico não ha fundo no pote, enquanto o outro, valoriza e economiza em seus gastos de campanha.