SIGA O EM

Terminada a campanha, chegou a hora de Kalil governar

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 31/10/2016 06:00 / atualizado em 31/10/2016 07:56

Estado de Minas

Alexandre Kalil se elegeu com muitas promessas ao povo de Belo Horizonte. Entre elas estão não entregar secretarias a partidos políticos, demitir indicados de vereadores para cargos de confiança, abrir a caixa-preta da BHTrans e concluir obras inacabadas definidas pelo Orçamento Participativo. Frases polêmicas marcaram a campanha do ex-presidente do Galo. Uma delas, aliás, tornou-se emblemática: "Existe uma política que é feita de maneira republicana e está todo mundo assustadíssimo com o fim dela porque está arriscado o prostíbulo acabar. E vai acabar”. O desafio está posto.

PROMESSA É DÍVIDA

» ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL
Secretarias não serão entregues a partidos políticos, declarou Alexandre Kalil. Prometeu nomear técnicos, enxugar a máquina e demitir os indicados de vereadores para cargos comissionados. "São 4 mil cargos distribuídos loucamente, desesperadamente, para a turma de políticos e vereadores que fazem parte da caserna da PBH. O grande instrumento é mandar esses penduricalhos de vereador para a rua", declarou o prefeito eleito. Vai criar a Secretaria de Cultura. As nove regionais da PBH terão secretarias-adjuntas ocupadas por mulheres.

» SAÚDE

 

Transformar o Hospital do Barreiro em centro de especialidades. Contratar pessoal, agilizar exames, ampliar as equipes do Programa Saúde da Família e coletar exames de idosos em casa. Alexandre Kalil declarou que não vai terceirizar o atendimento por meio de clínicas. Quer realizar convênios com escolas de odontologia para que profissionais dessas instituições possam atender nas escolas.

» BH TRANS

Abrir a caixa-preta da BH Trans e renegociar os contratos com as empresas. A BHTrans passará a ser o principal órgão da Prefeitura de Belo Horizonte para cuidar do trânsito. “Vou tomar a BHTrans dos empresários, porque eles mandam lá dentro, e devolver a BHTrans ao povo", afirmou Kalil, prometendo entregar a gestão aos técnicos. Ele quer trocar a frota do transporte coletivo a cada quatro anos. A circulação de ônibus será ampliada, sobretudo nos horários de pico. “Vamos chamar as empresas e informá-las: Belo Horizonte agora tem prefeito, BH agora tem secretaria de transporte, a BHTrans, que não pertence mais a elas. Nós não vamos peitar ninguém, vamos voltar (devolver) para Belo Horizonte o que sempre foi da cidade”.

» UBER X TÁXI
Para Alexandre Kalil, os taxistas são as principais vítimas do avanço do sistema Uber. Ele defendeu esses profissionais, argumentando que a categoria paga muitos impostos, mas observou que a decisão sobre a polêmica caberá à Justiça.

» SEGURANÇA PÚBLICA
Promete dobrar o efetivo da guarda municipal, melhorias na iluminação e aumentar a fiscalização dos espaços públicos. Em parceria com a Polícia Civil, pretende mapear a ação de gangues para desarticulá-las.

» NOVA RODOVIÁRIA
O prefeito eleito vai rever a transferência do terminal rodoviário para o Bairro São Gabriel. De acordo com ele, em momentos de grande movimentação de passageiros, como feriados e fim de ano, por exemplo, o fluxo poderá ser desviado para terminais que funcionam na Estação José Cândido da Silveira, no Bairro Santa Inês.

» ORÇAMENTO PARTICIPATIVO
Concluir obras inacabadas. Priorizar obras do Orçamento Participativo antes de definir novos investimentos.

» OCUPAÇÕES URBANAS
Não promover despejos das ocupações já existentes. Firmar parcerias com advocacias e cartórios para acelerar processos de regularização fundiária na cidade.

» SEM TETO
Oferecer tratamento humanitário a pessoas que vivem em condições sub-humanas nas ruas e logradouros públicos.

» EDUCAÇÃO

Remunerar melhor o professor. Conferir às escolas fundamentais o mesmo nível das Umeis.

» ANIMAIS

Transformar os centros de zoonoses em centros de proteção animal, responsáveis pelo recolhimento e esterilização de animais domésticos.

Frases da campanha

"Vou tentar a reeleição se for bem, porque se for uma merda de prefeito, quem é que vai querer me reeleger?”

“Falou que eu roubo... Eu roubo, mas não peço propina em Furnas" (...) "No debate, quando fui agredido desesperadamente pelo descontrole total do João Leite – fui chamado de ladrão –, quis dizer: 'Eu devo, mas eu não recebo propina'. Mas saiu, infelizmente, no calor, 'eu roubo' (...). Eu nunca roubei. Deus sabe que eu nunca roubei, eu sei, meus filhos sabem. Você que mora em Belo Horizonte sabe que eu posso ser tudo, mas eu nunca roubei”

“Prefeito não gera emprego. Ele dá oportunidade ao comerciante, industrial, aos pequenos comerciantes para trabalhar. Muito ajuda quem pouco atrapalha. A PBH hoje atrapalha o comércio, a indústria, a start up”

“Não posso prometer para vocês as obras que sei muito bem que vocês precisam, porque isso é pura demagogia. Mas posso dizer que vou correr atrás dos recursos e que saneamento básico será prioridade, porque isso é dar condições mínimas para as pessoas viverem bem. É muito mais importante do que fazer viaduto para cair na cabeça da população”

“Enquanto a Secretaria de Saúde for ambicionada loucamente por grandes partidos, a saúde não tem solução. Porque não era para todo mundo ter esse desejo pela Secretaria de Saúde”

“Esses velhos políticos ‘infelizmente’ vão estar desempregados no final desta eleição”

“Qualquer pessoa que administrou uma loja ou uma lanchonete de vender vitamina de morango já fez mais do que ele (João Leite). Ele tirou a luva de goleiro e vestiu a gravata de deputado”


Alexandre Kalil, prefeito eleito de BH

Tags: eleicoes2016
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Marcos
Marcos - 31 de Outubro às 16:04
Quanto ao BHTRANS faltou algo que ele disse: "Acabar com a industria da multa, agente escondido atrás do poste, multando adoidado". Segurança pública é prioridade, pois lugar de bandido é na cadeia. Já o UBER sua posição de é retrocesso, contra-mão da modernidade.