SIGA O EM

No primeiro turno, voto de 34% foi definido na reta final, revela Ibope

Nas cidades com mais de 500 mil habitantes, a parcela dos eleitores que improvisam o voto é ainda mais numerosa, chegando a 45%

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 24/10/2016 07:31 / atualizado em 24/10/2016 07:35

Agência Estado

São Paulo - Um em cada cinco eleitores brasileiros admitiu ter escolhido seu candidato no próprio dia da eleição, em 2 de outubro, segundo pesquisa inédita do Ibope. A esses 19% do eleitorado somam-se outros 15% que disseram ter feito a escolha não muito antes, nos últimos dias antes de ir à urna. Ou seja, pelo menos um em cada três votos dados no primeiro turno foi decidido em cima da hora.

É esse terço que derruba líderes e elege azarões. Em horas, um favorito pode virar terceiro colocado. Foi assim com Celso Russomanno em 2012 e 2016, e com Marina Silva em 2014.

Nas cidades com mais de 500 mil habitantes, a parcela dos eleitores que improvisam o voto é ainda mais numerosa, chegando a 45% - a mesma taxa da média das capitais. É quase metade do eleitorado das principais cidades do País deixando para decidir em cima da hora em quem vai votar.

Não é coincidência que o desinteresse e volatilidade sejam maiores nas grandes cidades, onde o eleitor está mais distante do candidato e do governo. A uma semana do segundo turno, 24% dos eleitores de Manaus dizem que ainda podem mudar seu voto. Em Belo Horizonte, 20%. Já tinha sido assim no primeiro turno.

Já nos municípios menores, onde o eleitor conhece o prefeito pessoalmente e o trata pelo apelido, 63% dizem definir o voto logo no início da campanha.

Há outra diferença importante entre as eleições de prefeito nas grandes e pequenas cidades. Nas metrópoles e capitais, a principal fonte de informação para o eleitor escolher seu candidato é a TV: 36% citam-na como maior influenciador do voto.

Nas cidades até 50 mil habitantes, a TV é secundária. Conversas com parentes e amigos são protagonistas: 27% dizem que é assim que escolhem em quem votar, contra 13% nas cidades grandes. A TV é o principal influenciador para só 19% nas pequenas cidades.

A dificuldade de conhecer o candidato de perto, a falta de discussão sobre política com amigos e parentes e a intermediação da relação com os representantes pela TV parecem aumentar o desinteresse pelo processo eleitoral nas maiores cidades e, por tabela, a mutabilidade das intenções de voto. Por isso, são as capitais também do voto improvisado.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600