SIGA O EM

De Sarney a Dilma, história de Romero Jucá acumula cargos e escândalos

Presidente da Funai, da Conab, líder de governo de Fernando Henrique, Lula e Dilma, o peemedebista sempre ocupou cargos importantes ligados ao Poder Executivo.

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1038532, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Ant\xf4nio Cruz/ Ag\xeancia Brasil', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/05/23/765418/20160523145807168507u.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}]

postado em 23/05/2016 14:48 / atualizado em 23/05/2016 17:23

Marcelo da Fonseca

Antônio Cruz/ Agência Brasil
O pernambucano Romero Jucá (PMDB), de 61 anos, passou os últimos 35 anos de sua vida mantendo ótimas relações com os principais nomes do poder em Brasília. Desde 1985, quando José Sarney (PMDB) assumiu a Presidência da República, com a morte de Tancredo Neves, o político passou pelos partidos PSDB, PDS, PFL, PPR e PMDB, e sempre manteve relação próximas com os chefes do Executivo. Assumiu cargos comissionados nos governos Sarney e Fernando Collor, foi líder de governo nas gestões dos ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva e da presidente afastada Dilma Rousseff.

Em 1986, filiado ao PSDB, ele foi nomeado pelo então presidente José Sarney (PMDB) presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai). Dois anos depois, aos 34 anos, Sarney o indicou para governador do recém-criado estado de Roraima. Em 1990, tentou manter a vaga por meio do voto popular, mas perdeu a eleição. Jucá jamais voltaria a assumir os principais cargos do Poder Executivo e ganhou espaço no Poder Legislativo e se tornou um forte articulador no Congresso.

Jucá se envolveu em polêmicas logo nos primeiros anos em que ocupou cargos importantes na capital federal. Em dezembro de 1989, pouco depois de deixar a presidência da Funai, ele manifestou-se contra o plano de retirada de cerca de 40 mil garimpeiros que haviam invadido terras indígenas ianomâmis. Meses antes da eleição para governador de Roraima, em que o peemedebista tentava permanecer na cadeira, a Procuradoria-Geral da República denunciou Jucá sob acusação de que, quando era presidente da Funai, ele realizou venda ilegal, mediante suborno, de madeiras de lei ad reserva indígena Uru-eu-au-wau.

Em 1992, foi nomeado por Fernando Collor para a Companhia Brasileira de Abastecimento (Conab), ligada ao ministério da Agricultura, onde ficou até 1994, quando foi eleito senador pelo PPR. Logo no início do governo FHC, Jucá foi denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) em processo por corrupção, formação de quadrilha e peculato, que teriam sido praticados durante sua passagem pela Funai. Ainda assim, mediante recurso junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), conseguiu tomar posse no Senado. Em seguida ele foi chamado para a vice-liderança do governo de Fernando Henrique Cardoso e se tornou um dos principais articuladores do tucano no Congresso.

Logo que o PSDB deixou o Planalto Jucá se mudou para o PMDB, em 2003, e passou a articular o apoio da legenda ao governo Lula. Em 2005 assumiu o ministério da Previdência do governo petista, mas foi exonerado aós denúncias de corrupção, e voltou para o Congresso, onde liderou a bancada governista. Jucá manteve a liderança do governo até 2012, ficando por dois anos como líder do governo Dilma no Senado. Desde então, passou a criticar a falta de diálogo de Dilma com lideranças parlamentares e articulou a queda da petista.

O peemedebista teve papel importante nas negociações para a votação do desembarque do PMDB da aliança com o governo da presidente afastada Dilma, concretizado em março, durante votação por aclamação. Jucá, ao lado de Eduardo Cunha (PMDB) e o ministro da Casa Civil Eliseu Padilha, coordenaram a reunião que durou menos de quatro minutos e oficializou o rompimento com a petista. “A partir de hoje ninguém no país está autorizado a exercer qualquer cargo federal em nome do PMDB”, afirmou Jucá.

No ano passado, Jucá teve seu nome envolvido no esquema de corrupção da Petrobras, investigado pela operação Lava Jato. Em delação premiada, alguns empreiteiros citaram pagamentos de propinas para o político. Jucá nega as denúncias e ressaltou, ao assumir o cargo de ministro do Planejamento, que denúncias são diferentes de condenações e, por isso, está tranquilo sobre sua permanência no governo.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Gil
Gil - 24 de Maio às 08:18
Eu não sei o que é pior se é a bandidagem entre os políticos, ou a deficiência intelectiva dos mesmos. O cidadão esta saturado de tantas mentiras e discursos falaciosos, a continuidade desses parasitas no poder esta nós levando a uma situação obscura, e os bandidos serão os primeiros a sofrerem as consequências.
 
Diego
Diego - 24 de Maio às 07:46
Mas a corrupção não acabaria assim que a Dilma deixasse o Palácio? Olha... que surpresa, não acabou não kkkkkk
 
Antônio
Antônio - 24 de Maio às 06:31
Cadê o juiz coxinha perseguidor de petista? E a prisão da família de cunha que não tem foro privilegiado? O circo golpista está armado somente contra um partido para manter o PMDB e PSDB no jogo.
 
Andre
Andre - 23 de Maio às 21:30
Esse sujeito já tem a cara de um grande 171. Pilantra de carteirinha. Graças ao bom Deus, que toda a podridão na politica estão vindo à tona.
 
José
José - 23 de Maio às 20:40
Todos que contribuiu para esta situação atual, para o surgimento de tais eminencias pardas que assumam suas responsabilidades ! ! ! E TRATEM DE CONSERTAR ! ! !
 
José
José - 23 de Maio às 20:23
"""""Presidente da Funai, da Conab, líder de governo de Fernando Henrique, Lula e Dilma, o peemedebista sempre ocupou cargos importantes ligados ao Poder Executivo.""""""""""""" Será se era porque ele """CONVERSAVA / NEGOCIAVA"""""""""""""" COM PESSOAS DO JUDICIÁRIO, como ele falou agora ? ? ? ?
 
José
José - 23 de Maio às 20:18
Quem não TEME, MAS TEME-R TREME ! ! ! - - - - Só são os primeiros 15 dias ! ! !
 
José
José - 23 de Maio às 20:15
Estou muito curioso para ver as atitudes de três autoridades muito em voga hoje, são eles: - JANOT. - MORO, e - Ministros do STF - - - - MORMENTE DE SUA EXCELÊNCIA GILMAR MENDES ! ! ! Estou muito curioso e lendo todos os jornais, vendo todos os noticiários, enfim, todos meios de comunicação - - - - - - - MUITA CURIOSIDADE ! ! !
 
Gilberto
Gilberto - 23 de Maio às 19:05
NUUUUH! Agora descobriram que ele á sujo, reinventaram a roda!
 
José
José - 23 de Maio às 18:36
Romero JUCÁ: - Deu o GOLPE NO BANCO DO SEU ESTADO ADOTIVO, só de 30.000.000, e GOLPEOU até o prazo de BENEFÍCIO DA JUSTIÇA VENCER / PRESCREVER. - ETC. - Agora sabemos que COMANDO O PETROLÃO -----. E -----------> AJUDOU 0O GOLPE PARLAMENTAR ! ! ! Queria completar com o ABAFA Á LAVA-JATO ! ! ! Belo curriculum, bem a cara do PMDB ! ! !
 
José
José - 23 de Maio às 20:21
Ao ler estas falas dele, agora lembrei do fato do crime dele no banco do estado ter o prazo prescrito ! ! ! - - - - Será que andou """"""""""falando"""""""""""" com alguém do Judiciário à época ? ? ? ?
 
José
José - 23 de Maio às 18:32
Governo de confiança ! ! ! Como dizia aquele personagem comediante: """""""VAMPIRO BRASILEIRO . . . . ECO """"""""""""""" ! ! !
 
José
José - 23 de Maio às 18:31
golpista - - - - > é GOLPISTA - - - - SAFADO - - - - LADRÃO - - - - - COVARDE - - - - QUE AGE NA SURDINA - - - - DESCARADAMENTE ! ! !
 
leonardo
leonardo - 23 de Maio às 17:51
Isso esta mais parecendo um querendo tomar o pirulito do outro. PMDB tomou do PT, agora o PSDB vai tomar do PMDB e enquanto isso o pais vai acabar la no fundo P ....Q......P.....
 
leonardo
leonardo - 23 de Maio às 18:37
O PSDB tá atolado até mais do que o pescoço e o corpo inteiro nas maracutaias com dinheiro público. São ricos às custas do suor do trabalhador que paga impostos.
 
Daniel
Daniel - 23 de Maio às 16:33
Ministério de Notáveis.... sei.....Brasil acorda!
 
José
José - 23 de Maio às 20:17
Tai a notoriedade ! ! ! - - - - NÃO SÃO MACHETES EM PRIMEIRA PÁGINA ? k k k k k k k k k k k k k -------- Fora ele só ANA RICKMAMM ! ! !
 
Full
Full - 23 de Maio às 15:13
A Folha Corrida do vagabundo é extensa.
 
leonardo
leonardo - 23 de Maio às 18:53
A ficha corrida do chefe dele, Michel Temer, não é também muito lá de um cristão, pelo contrário. - O legal é que na gravação eles falam que o Michel Temer é unha e carne com Eduardo Cunha. E ainda, que o Aécio já era, pois todos já sabem da corrupção dele.