SIGA O EM

Governadores do Norte e Nordeste travem batalha acirrada por voto

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 26/10/2014 06:00 / atualizado em 26/10/2014 07:22

Jorge Macedo - especial para o EM

Brasília – A reta final do segundo turno das eleições para governadores em estados do Norte e Nordeste do país traz acirradas disputas locais que tornam o resultado incerto nas urnas. Pesquisas de intenção de voto recentes em locais de grande colégios eleitorais, como o Pará e o Ceará, mostram disputa apertada pela preferência nas urnas. A disputa entre Helder Barbalho (PMDB) e Simão Jatene (PSDB) está acirrada entre os 5 milhões de eleitores paraenses. No primeiro turno, a diferença entre os dois foi de apenas 1,4%. Candidato à reeleição, Jatene enfrenta o filho de Jader Barbalho, nome conhecido da política no Pará. Na última pesquisa divulgada, os dois empatavam numericamente, com 50% dos votos válidos.

O segundo turno no Ceará será disputado entre o ex-secretário estadual Camilo Santana (PT) e o senador Eunício Oliveira (PMDB). As pesquisas de intenção de voto mostram uma ligeira vantagem para o petista. Ele conta com o apoio do atual governador, Cid Gomes, do Pros, e de seu irmão, Ciro Gomes, atual secretário estadual da Saúde. Eunício terminou o primeiro turno em segundo lugar, com 46% dos votos, atrás de Camilo, que somou 48%. A diferença entre eles foi de pouco mais de 58 mil votos, num universo de 5 milhões de eleitores no estado.

No Amazonas, o líder do governo no Senado, Eduardo Braga (PMDB), deve ser um dos grandes derrotados de hoje. À frente na maioria das pesquisas do primeiro turno, o peemedebista ficou praticamente empatado com o atual governador do estado, José Melo (Pros), no primeiro turno. Agora, de acordo com os novos levantamentos, Melo está com 53% e ele, 47%. Para aliados, Braga “relaxou” com a liderança no primeiro turno e reduziu o número de agendas. Na reta final, usou como estratégia a aliança com a presidente Dilma Rousseff (PT).

Entre os estados com grande número de eleitores das duas regiões, o Rio Grande do Norte é exceção. Se as urnas confirmarem as pesquisas de intenção de voto, Robinson Faria (PSD) vencerá o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB), com uma vantagem de pelo menos 10 pontos percentuais. Se o parlamentar perder, Alves deixará de ter um mandato pela primeira vez em 44 anos. Ele credita a vantagem do adversário ao apoio que Faria recebeu do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600