SIGA O EM

PSDB exibe fala de Renata Campos no horário eleitoral

O apoio da família Campos a Aécio havia sido oficializado por meio de uma carta lida pelo filho de Eduardo, João Campos, em comício com o tucano

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 22/10/2014 15:37 / atualizado em 22/10/2014 19:06

Agência Estado

Reprodução

As críticas foram deixadas de lado no programa eleitoral dos presidenciáveis na televisão, com os candidatos focando em propostas e apoios recebidos. Renata Campos, viúva do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, apareceu pela primeira vez no programa de TV do PSDB em um depoimento de apoio a Aécio Neves. O PT repetiu o programa exibido na noite de ontem, no qual destaca o agronegócio e obras de infraestrutura.

"Sabíamos que teríamos que ter um novo caminho para chegar a um novo Brasil. Hoje, temos duas possibilidades, que é continuar como estamos ou trilhar um caminho de mudanças", disse Renata Campos, na propaganda tucana. "É fundamental alguém que tenha capacidade de diálogo, que saiba juntar e que tenha capacidade de gestão. Aécio representa não um partido, mas um conjunto de forças que se juntaram neste segundo turno para dar esse caminho de mudança que o Brasil pediu nas urnas", ressaltou.

O apoio da família Campos a Aécio havia sido oficializado por meio de uma carta lida pelo filho de Eduardo, João Campos, em comício com o tucano. Renata, porém, ainda não havia falado publicamente sobre esse apoio. A propaganda do PSDB também exibiu o depoimento de Paulo Câmara (PSB), eleito governador de Pernambuco no primeiro turno. "Eduardo Campos pediu para não desistirmos do Brasil. Sou brasileiro, sou pernambucano, sou Aécio", disse Câmara. Outros apoios do Nordeste também foram destacados na peça, para fazer contraponto à investida petista em redutos nordestinos.

A propaganda tucana mostrou propostas para segurança, saúde e educação, com inserções frequentes de Aécio explicando os detalhes dos novos programas. "Chegamos na reta finalíssima desta campanha. Apenas quatro dias nos separam de uma grande vitória. Será a vitória da mudança. Em todos os lugares, o que eu percebo é que esse amplo sentimento de mudança, que já foi vitorioso no primeiro turno, vai ser ainda mais vitorioso no segundo turno", disse o candidato, que fez também um convite aos eleitores indecisos: "A você que ainda não tomou a sua decisão, eu te faço um convite: acredite, confie e venha com a gente".

A propaganda de Dilma destacou as últimas pesquisas Datafolha e Vox Populi, que mostram a petista quatro pontos à frente do tucano, com empate técnico no limite da margem de erro. "Ao longo desta campanha, provamos que o Brasil de hoje é muito mais forte do que aquele de anos atrás", disse Dilma. "O Brasil tem dado mais uma prova de que é um país extraordinário, capaz de superar qualquer desafio. É nesse Brasil que acredito."

A petista deu destaque às linhas de crédito rurais e ao "salto" na produção agrícola. "Sabe o que isso significa? Mais comida na mesa dos brasileiros, mais exportações e mais recursos na nossa economia".

"A verdade é que nossos produtores nunca tiveram tanto apoio para modernizar e ampliar os seus negócios. Vamos continuar nesse rumo, mas sou a primeira a reconhecer que eles ainda enfrentam muitos problemas para transportar a produção", admitiu Dilma, explicando que esse trabalho é de médio prazo, mas que os resultados já aparecem. A peça mostrou a construção e a ampliação de rodovias, ferrovias e portos e o apresentador afirmou que Aécio não reconhece que Dilma vem fazendo o que "os governos tucanos nunca fizeram". "O Brasil ficou décadas sem investir em suas ferrovias", disse Dilma, e garantiu: "O Brasil vai voltar a andar nos trilhos".

Os programas eleitorais dos dois candidatos travaram uma "batalha" de jingles de apoio de artistas. Do lado petista, o compositor Chico Buarque de Holanda e a cantora Marina Lima foram os destaques. Na peça tucana, os atores Lima Duarte e Rosamaria Murtinho declararam a preferência por Aécio.

Assista ao depoimento:
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.