SIGA O EM

Marina pede à coligação que fique fora de 'guerra suja'

Sem citar o nome de Aécio Neves, a ex-candidata disse que aguardaria a definição dos partidos sobre os compromissos que deveriam ser assumidos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/10/2014 14:31 / atualizado em 09/10/2014 14:47

Agência Estado

Brasília, 09 - Em uma carta com duas páginas, a ex-candidata do PSB à Presidência da República, Marina Silva, pediu que neste segundo turno da sucessão presidencial os partidos que integraram sua coligação se recusem a participar da "guerra suja da destruição" e que não abram mão do debate programático de "alto nível".

Marina, que não compareceu ao encontro marcado para esta manhã, agradeceu o apoio do PPS, PPL, PRP, PHS, PSB e PSL na primeira fase da campanha e destacou a união das siglas em torno do programa de governo. O documento foi duramente atacado pelos adversários.

"Vivemos quarenta dias enfrentando uma das campanhas de destruição mais sórdidas e mentirosas já feitas na história do País e estamos fortes, inteiros para continuar nossos caminhos, agora mais qualificados, mais consistentes, mais refletidos, mais desafiados", diz a ex-senadora na carta, referindo-se implicitamente aos ataques do PT.

Sem citar nominalmente o candidato tucano Aécio Neves, a ex-candidata disse que aguardaria a definição dos partidos sobre os compromissos que deveriam ser assumidos pela "candidatura identificada com o sentimento de mudança, de modo que eles se expressem em atitudes, políticas, ações e modelo de governança que de fato materializem novos tempos para o Brasil".

Previsto para ser anunciado hoje, Marina adiou seu comunicado, e amanhã a coligação deve encaminhar o conjunto de propostas ao tucano. Marina só anunciará sua posição depois que Aécio se manifestar sobre os compromissos programáticos.