13°/ 24°
Belo Horizonte,
24/JUL/2014
  • (4) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Honras que ficaram para trás » Restos mortais de João Goulart serão recebidos com glórias de chefe de Estado em Brasília Em um momento de reparação histórica, os restos mortais do ex-presidente João Goulart, deposto pelos militares em 1964, serão recebidos em Brasília com glórias de chefe de Estado

Ana D'angelo -

Publicação: 10/11/2013 06:00 Atualização: 10/11/2013 08:03

João Goulart no discurso de posse: ex-presidente foi enterrado às pressas, em 1976, sem nenhuma homenagem (Arquivo EM/D.A Press)
João Goulart no discurso de posse: ex-presidente foi enterrado às pressas, em 1976, sem nenhuma homenagem

Brasília – Quase 50 anos depois da deposição do presidente João Goulart pelo golpe militar de 1964, um capítulo da história brasileira será recontado. Na próxima quinta-feira, de volta à capital federal, Jango receberá as homenagens fúnebres como chefe de Estado que lhe foram negadas em 1976, após morrer, aos 57 anos, no exílio na Argentina. Enterrado às pressas na sua cidade natal – São Borja (RS) –, sem realização de autópsia e sob as vistas contrariadas de autoridades militares, o caixão de Jango será desenterrado na quarta-feira, e os restos mortais levados para Brasília. Serão recebidos com honras militares pela presidente Dilma Rousseff, na base aérea do aeroporto internacional de Brasília.


“É um momento histórico da maior importância. O procedimento investigativo é, de um lado, a busca da verdade pela família e pela nação. Do outro, é a realização de um ato de justiça, já que o único presidente que morreu no exílio não recebeu nenhuma homenagem especial”, afirma a ministra-chefe da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário. De acordo com ela, a orientação da presidente é preparar esse ato com respeito pleno à figura histórica de Jango.

Do aeroporto de Brasília os despojos vão para o Instituto Nacional de Criminalística da Polícia Federal, para dar início aos trabalho que tentarão comprovar a causa da morte. A suspeita é de que o ataque cardíaco que vitimou Jango, conforme aponta o laudo oficial, foi provocado pela ingestão de substância misturada criminosamente aos medicamentos que tomava em virtude de problemas cardíacos. Sua morte teria sido uma ação de agentes da Operação Condor, uma aliança político-militar entre os regimes militares ditatoriais do Brasil, Argentina, Chile, Paraguai, Uruguai e Bolívia, que atuou nas décadas de 1980 e 1990 para perseguir os opositores.

Amostras No dia da exumação, estarão presentes autoridades, os peritos convocados e familiares. Mas só poderão ficar próximos ao jazigo os especialistas do Brasil, da Argentina, do Uruguai e de Cuba, responsáveis pelos exames e análises do material, e o filho do ex-presidente João Marcelo Goulart, que é médico. A participação do perito cubano Jorge Perez Gonzalez foi uma solicitação dos familiares. Reitor da Faculdade de Medicina de Cuba, Perez participou da exumação do revolucionário venezuelano Simón Bolivar e do argentino Che Guevara.

Amostras serão encaminhadas a laboratórios internacionais para verificar a presença de substâncias estranhas ou em excesso que podem ter provocado a morte do ex-presidente. Mesmo que os laudos não sejam conclusivos sobre a causa da morte, fragmentos serão guardados para eventual retomada do caso no futuro, com o desenvolvimento da tecnologia. A ministra Maria do Rosário explica que, caso não seja possível comprovar o assassinato do ex-presidente, permanecerão os indícios com base em documentação e depoimentos de testemunhas de que, mesmo estando no exílio, Jango foi monitorado e perseguido pelas ditaduras do Cone Sul.

O processo de exumação dos restos mortais do ex-presidente teve início em 2007, quando os familiares solicitaram a reabertura das investigações sobre sua morte ao Ministério Público Federal. Após o arquivamento do caso pelo órgão, eles recorreram à Secretaria dos Direitos Humanos. Eles se basearam em revelações feitas por Mário Neira Barreiro, ex-agente da ditadura uruguaia, preso em Porto Alegre, que garantiu que Jango foi morto pela Operação Condor. A exumação foi determinada em abril do ano passado pela Comissão Nacional da Verdade, criada pela presidente Dilma.

 

Jazigo vistoriado

A sepultura de Jango permanece intocada desde 1976, segundo o governo. Peritos já estiveram no cemitério em agosto deste ano inspecionando o local, tirando medidas e coletando informações sobre o jazigo, que é da família. No caso de Jango, não houve a tradicional exumação do cadáver que ocorre, em geral, a partir do quinto ano após o enterro para acomodação dos restos mortais em sepulturas menores e definitivas. O jazigo onde está o caixão do ex-presidente tem três metros de profundidade e duas galerias. De um lado estão Jango e sua mulher. Do outro, sua irmã Neuza Brizola e o marido e ex-governador do Rio de Janeiro Leonel Brizola.

Os peritos verificaram, no entanto, que há sinais de infiltração por água de chuvas, o que pode comprometer a integridade do material que precisa ser coletado para as perícias. A equipe responsável pela exumação, composta de peritos brasileiros e também da Argentina, do Uruguai e de Cuba, já providenciou um caixão um pouco maior que o do ex-presidente, para, se possível, acomodá-lo integralmente e, assim, evitar alteração do estado em que forem encontrados os despojos. Caso não tenha condições de retirá-lo sem desfazer a estrutura do caixão, os restos mortais serão acomodados em uma caixa.
 

Esta matéria tem: (4) comentários

Autor: Geraldo Pianetti F.
A atuação dele foi pífia e patética e bastou os generais falarem forte que ele deu no pé para proteger suas fazendas de gado. Era populista e marqueteiro, só chegou à presidência por causa de um rumor que era filho do Gegê. Não deixou saudade, quem viveu a época lembra disto. | Denuncie |

Autor: Nilton barreto
Esse é o Brasil que tem a cabeça fincada somente no passado. Esse é o Brasil do PT. | Denuncie |

Autor: mauro gomes
Agora os defensores da teoria da conspiração acreditam que ele foi assassinado assim como JK, Tancredo Neves e outros como se esses indivíduos fossem imortais, não morressem naturalmente. Ou seja, alguns presidentes do Brasil foram, inteligentemente, assassinados. Que assassinos geniais, puxa! | Denuncie |

Autor: mauro gomes
Ridículo, patético. Esse indivíduo era latifundiário, pecuarista e politiqueiro. Com o discurso populista e hipócrita dele sobre reforma agrária e reformas, que certamente ele não queria, inflamou as massas, dando mais motivos para o golpe militar. Ele ajudou a anarquizar com o país. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.