18°/ 33°
Belo Horizonte,
18/SET/2014
  • (12) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Dilma dá puxão de orelha e enquadra militares que criticaram o governo Ação produziu o efeito esperado: entidade retirou o texto polêmico da internet

Junia Gama -

Paulo de Tarso Lyra

Publicação: 24/02/2012 07:52 Atualização: 24/02/2012 07:54

A presidente Dilma Rousseff, irritada com os militares da reserva pelas críticas polêmicas publicadas em nota contra o governo, acionou o ministro da Defesa, Celso Amorim, para que enquadrasse o grupo. Em plena quarta-feira de cinzas, Amorim convocou uma reunião com os comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica, mais o chefe do Estado Maior Conjunto das Forças Armadas, general José Carlos de Nardi, e expressou sua contrariedade com o manifesto do Clube dos Militares, divulgado na semana passada.

A forte reação da presidente Dilma, materializada no puxão de orelha que Amorim deu nos oficiais, surtiu efeitos rápidos. Nessa quinta, o site do Clube Militar publicou nota em que os presidentes da entidade “desautorizam” o texto anterior, que havia sido assinado por eles próprios.

Segundo um integrante da cúpula do Ministério da Defesa, durante a reunião, que levou à publicação da retratação, Amorim teria dito aos comandantes que o Clube Militar extrapolou no direito à manifestação ao fazer referência a uma atitude da presidente Dilma Rousseff, já que ela é a comandante suprema das Forças Armadas. “A crítica à presidente é inaceitável. Foi um erro grave do Clube Militar”, apontou o interlocutor do ministro.

Na nota, os presidentes dos clubes Naval, Militar e de Aeronáutica, todos oficiais da reserva, afirmam que a “preocupação” da presidente Dilma “em governar para uma parcela da população sobrepuja-se ao desejo de atender aos interesses de todos os brasileiros”. O texto cita as declarações da ministra de Direitos Humanos, Maria do Rosário, ao Correio, em que ela afirma a possibilidade de condenações criminais contra torturadores a partir de informações coletadas pela Comissão da Verdade. Os militares atacam a presidente por não ter vindo a público “contradizer a subordinada”.

No entanto, o remendo foi considerado “lacônico” e, portanto, insuficiente. Horas mais tarde, após o Correio procurar porta-vozes do Clube Militar em busca de justificativa para o recuo, ambas as notas tinham sido retiradas do ar. Para pessoas próximas ao ministro da Defesa, a suspensão de qualquer menção ao tema no site teria deixado o chefe da pasta satisfeito.

Punição


Ontem, interlocutores palacianos afirmaram ao Correio que a presidente Dilma Rousseff ficou “extremamente contrariada” com a nota dos militares e telefonou para o ministro Celso Amorim para que tomasse providências. Na conversa, eles comentaram a “insubordinação” dos militares da reserva. O estorvo alcançou proporções tão grandes que, no governo, chegou-se a buscar a possibilidade de punição para os oficiais da reserva na legislação.

Ao final, ficou acertado que o Palácio do Planalto não se manifestaria oficialmente sobre o assunto e que a iniciativa de repreender os comandantes seria creditada ao ministro. A autonomia de Amorim em tomar esse tipo de atitude decorre de uma alteração na lei que rege a organização das Forças Armadas, de 2010. Desde então, o ministro da Defesa passou a exercer, legalmente, a direção superior das Forças Armadas. Como resultado da mudança, Celso Amorim não precisaria pedir permissão à presidente Dilma para atuar em situações de crise. Mas interlocutores da presidente asseguram que a iniciativa partiu dela: “O Celso Amorim fez isso a mando dela. Essa reação tem tudo a ver com o jeito Dilma de agir”, declarou uma fonte palaciana.

A estratégia seria uma forma de evitar mais atritos com as Forças Armadas, especialmente pela proximidade da instalação da Comissão da Verdade, que irá investigar, por um período de dois anos, violações dos direitos humanos cometidas durante a ditadura militar. A aprovação do projeto ganhou forte resistência de setores militares, que acusam a iniciativa de “revanchista”. Dilma Rousseff está analisando os nomes que irão compor a comissão, que deve começar os trabalhos de apuração em menos de três meses.

A avaliação dos próprios comandantes das Forças Armadas também é de que os oficiais do Clube Militar, apesar de não representarem os da ativa, exageraram. Pesou também, para a decisão de recuar, a possibilidade de embates com o governo prejudicarem a negociação de reajustes salariais da categoria.

Porta-voz


O Clube Militar é uma instituição centenária, com sede no Rio de Janeiro, que congrega oficiais da ativa, da reserva remunerada ou reformados, com o intuito de estreitar os laços entre os integrantes das Forças Armadas. A entidade tem atuação em todo o país e são os oficiais da reserva que presidem os clubes. Essas associações costumam ser porta-vozes de manifestações políticas da categoria, já que os oficiais da ativa são proibidos de emitir declarações com teor político. Com extensa representatividade até o regime militar, após a democratização os clubes militares começaram a ter uma atuação esvaziada.

 

Tags: celular

Esta matéria tem: (12) comentários

Autor: Edmilso Ramalho
Parabéns Jornal Estado de Minas. Por garantir aqui o direito de expor a opinião. Parece que para muita gente, a lei não estabelece limites a liberdade expressão. Entendo que cabe aos Juízes de direito expor as suas opiniões nos autos dos processos. Como disse o Lula no puxão de orelhas aos juízes. | Denuncie |

Autor: Lourdes Marques Peixoto R Souza
Viva o PT!!!!! Olha a ditarura se firmando!!!!!! Direito de expor a opinião está na constituição!!!! Olha ai a guerrilheira se transformando em ditadora!!!! Faça o que digo, mas não faça o que faço!!!! | Denuncie |

Autor: Antonio Rodrigues da Silva
Parabens Presidenta, puxe as redeas antes que o MAL cresça. | Denuncie |

Autor: José Resende
Infantilização é o mote, quando se trata de seres humanos. A média estatística é cruel... Aguardem novas intervenções.... | Denuncie |

Autor: José Resende
Tá só começando... Aguardem... | Denuncie |

Autor: carlos bertoline
Para quem dizia defender a democracia, agora vem amordaçar a todos. Liberdade de expressão não é palavra existente em vocabulário de esquerdistas. Che Guevara a mando de Fidel calava aqueles que os criticavam, com mortes horrendas. Dilma, como terrorista da esquerda que foi, não pode ficar atrás. | Denuncie |

Autor: Edmilso Ramalho
Claudio. Concordo plenamente "cada macaco no seu galho". Cabe aos partidos políticos e entidades da sociedade civil organizada, ficar dando pitacos me assuntos políticos. Aos membros do poder judiciário e Militares que se acomodem as suas funções e limites determinados em LEI. | Denuncie |

Autor: Edmilso Ramalho
Conheçam a constituição. Estamos é um estado democrático de direito,e, presidencialista. O COMANDO SUPREMO DAS FORÇAS ARMADAS É O CHEFE O PODE EXECUTIVO. ESCOLHIDO DEMOCRATICAMENTE PELOS CIDADÃOS VIA ELEIÇÃO. QUEM ESTÁ CONTRA QUE APRESENTE SEUS CANDIDATOS NA PRÓXIMA ELEIÇÃO. Parabéns DILMA. | Denuncie |

Autor: claudio barcellos
NÃO SEI COMO ALGUÉM EM SÃ CONSCIÊNCIA PODE APOIAR O MILITARISMO. CADA MACACO NO SEU GALHO. CIVIS NO PODER E MILITARES NA CASERNA ! ( E DE BICO CALADO ) | Denuncie |

Autor: Geraldo Santos
Olha a Guerrilheira ai!Infelizmente estamos sendo Governando por Sindicalista e ex-guerrilheiros que nada contribuiram para a melhoria e Democracia do nosso Brasil.Estes PTralhas são assim, falaram muitos de outros Partidos mas seguem a risca a cartilha do PSDB.O Povinho sem criatividade. | Denuncie |

Autor: Admilson Mo
Interessante.Qdo os militares censuravam os civis, eram ditadores.E agora?Os civis censurando os militares?Madeira q dá em Chico dá em Francisco?No futuro vamos instalar a "Comissão da Verdade" contra os atuais lingua presa.Lincoln tinha razão:"quer conhecer um homem(mulher)? De-lhe o poder!". | Denuncie |

Autor: valmir marques
puxão de orelhas = infantilização da linguagem midiatica e infantilização das mentes | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.