SIGA O EM

Totem é instalado para contar bicicletas em ciclovia de Belo Horizonte

Equipamento que vai ficar na esquina das avenidas Bernardo Monteiro e Afonso Pena entrou em operação na tarde desta sexta-feira

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1050788, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Cristina Horta/EM/D.A Press.', 'link': '', 'legenda': 'N\xfameros registrados pela equipamentos ser\xe3o usados para projetos futuros', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/07/01/779115/20160701185615418245u.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 01/07/2016 14:31 / atualizado em 01/07/2016 21:25

João Henrique do Vale , Gustavo Werneck

Cristina Horta/EM/D.A Press.

Mais um incentivo para o uso da bicicleta será implantado em Belo Horizonte. Começa a funcionar na tarde desta sexta-feira na Avenida Bernardo Monteiro, esquina com a Avenida Afonso Pena, no Bairro Funcionários, Região Centro-Sul, um totem para contar o número de bikes que passam pelo local. A capital mineira é a segunda a implantar o equipamento no Brasil. O objetivo é mensurar quantas pessoas usam as magrelas para se deslocarem pela cidade.

Em apenas 45 minutos – das 14h às 14h45 –, o equipamento registrou 67 bikes. “O aparelho é muito sensível e só registra bicicleta, assim mesmo se o condutor passar com as duas rodas. O objetivo é estimular o uso do transporte e mostrar que ele está crescendo cada vez mais na cidade”, disse a coordenadora do Projeto Pedala BH, Eveline Trevisan, da BHTrans. O morador do Bairro Funcionários Rodrigo Veloso aprovou a implantação do contador: “Passo por aqui todos os dias e o equipamento vai mostrar que o transporte cresce na cidade”.

Os totens para contagem de bicicletas já são usados em outras cidades pelo mundo, como Nova Iorque e Paris. O equipamento detecta os tamanhos e formatos diferentes do meio de transporte nas duas direções. A contagem é feita em tempo real. As bikes são contabilizadas por meio de leitores magnéticos posicionados no solo onde a ciclovia está pintada. Em BH, os moradores poderão acompanhar os números no painel do totem, que vai exibir a passagem de ciclistas por dia, mês e ano.

As informações coletadas com o equipamento servirão para futuros projetos voltados para ciclistas na capital mineira. O totem foi doado pelo Banco Itaú, que também disponibilizou mais de 400 paraciclos que começaram a ser instalados pela cidade. Atualmente, são apenas 279. A previsão é de que os novos sejam implantados até novembro.

As ações fazem parte da campanha “BH tem espaço para todos. #respeiteabicicleta" que visa a incentivar o uso das magrelas nas ruas da capital mineira. Na última semana, foi liberado passeio por dentro do zoológico com as bikes. Foram instalados paraciclos para estacioná-las, com serviço gratuito. Será cobrada a entrada com mesmo valor de um pedestre.

 

(RG)

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Marcos
Marcos - 02 de Julho às 14:10
Bicicletas em BH é a coisa mais esdrúxula que se pode ter. Com a nossa topografia "agradável" há de se entender que bicicletas não são muito favoráveis... mas queremos fingir que somos do primeiro mundo.
 
Cid
Cid - 05 de Julho às 12:41
Esdrúxulo é o seu comentário. Obviamente não entende nada de ciclismo! Bicicletas não foram feitas apenas para andar no plano. São Franscisco, por exemplo, é uma cidade americana cheia de morros e mesmo assim repleta de ciclovias. Eu mesmo moro na Pampulha, trabalho no Mangabeiras e vou de bicicleta! Sem preguiça, sem frescura e sem mimimi!
 
Marcelo
Marcelo - 02 de Julho às 11:55
Quanto tempo demora pra ser vandalizado?
 
Antonio
Antonio - 01 de Julho às 17:35
Será que o número de bicicletas chegará a 100?
 
Marcos
Marcos - 01 de Julho às 15:52
Não acredito no número informado, a menos que tenham escolhido, local dia e hora mais favoráveis a exibir números significativos. As tais ciclovias vivem às moscas.
 
Cid
Cid - 05 de Julho às 12:43
É lógico que se você passar de carro diante de uma ciclovia não vai ver muitos ciclistas. A velocidade de transito é muito diferente.