SIGA O EM

Samarco

Minério que vazou em Mariana deixa pescado com elevados índices de arsênio

Pesquisa foi feita em unidades ambientais do Espírito Santo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1039656, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Leandro Curi/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/05/27/766747/20160527110040349762a.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 27/05/2016 10:32 / atualizado em 27/05/2016 23:13

Paulo Henrique Lobato /

Leandro Curi/EM/D.A Press
O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) concluiu a análise do impacto causado pelos rejeitos de minério que vazaram da Barragem de Fundão, em Mariana, na Região Central de Minas, em 5 de novembro de 2015, em três unidades de conservação no Espírito Santo. A mina é de propriedade da Samarco, controlada pela Vale e BHP Billiton.

Técnicos apuraram níveis elevados de arsênio em 75% das amostras de camarão rosa e em 100% das de peroá capturadas na Área de Proteção Ambiental (APA) Costa das Algas, no Refúgio de Vida Silvestre (RVS) de Santa Cruz e na Reserva Biológica (Rebio) de Comboios.

O estouro da barragem de Fundão é o maior crime socioambiental do Brasil: 19 pessoas morreram, centenas de famílias foram desalojadas, lugarejos foram destruídos, mais de 40 cidades de Minas e do Espírito Santo tiveram o abastecimento de água comprometido, cerca de 1,5 mil hectares de matas ciliares foram devastados, três rios foram afetados (Gualacho do Norte, Carmo e Doce) e um incontável número de animais foram assassinados.

O relatório ainda aponta estresse fisiológico nas espécies estudadas e risco de eventual contaminação do ser humano que consumir os pescados. O relatório foi entregue ao ICMBio por especialistas que integraram a primeira expedição no monitoramento feito pelo navio de pesquisa Soloncy Moura na foz do Rio Doce.

De acordo com o relatório, a coleta de água feita antes da lama chegar nas unidades pesquisadas no Espírito Santo revelou aumento na concentração de ferro, alumínio, chumbo, cromo, maganês e cádmio em comparação com a porção retirada desses locais após a passagem dos rejeitos de minério.

Por causa disso, o ICMBio e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) defendem a proibição da pesca na parte litorânea afetada. A atividade havia sido proibida pela Justiça em fevereiro, mas uma liminar suspendeu a determinação.

Pesquisadores embarcaram no navio Soloncy Moura para uma segunda expedição, na segunda quinzena de abril, numa área que abrange o Sul do Espírito Santo ao arquipélago de Abrolhos, no Sul da Bahia. As amostras ainda estão sendo analisadas pelos especialistas.

Mineradora responde

"A Samarco reconhece o estudo de bioacumulação encomendado pelo ICMBio, que identificou os metais acima padrões das normas vigentes em muitas amostras", informou a mineradora, por meio de nota divulgada na tarde desta sexta-feira. 

A empresa diz também que já havia realizado suas próprias análises, com mais amostras, entre dezembro de 2015 e fevereiro deste ano. "As conclusões são similares sobre a presença acima dos padrões de arsênico e selênio em organismos marinhos (em geral, mas não em todas as amostras), e de zinco no caso das ostras. Cabe ressaltar que resultados elevados foram registrados tanto em áreas impactadas pela pluma como em áreas fora de sua área de influência", explica a Samarco.

Ainda segundo a empresa, "(...) os mesmos estudos também mostraram que os níveis destes elementos (zinco, arsênio e selênio) foram identificados desde o início do mês de dezembro, quando ainda não havia tempo para que ocorresse a acumulação destes elementos nos organismos marinhos". A Samarco também ressalta que realiza o monitoramento da água e já emitidos mais de 45 mil laudos de análise. "Os resultados da qualidade do ambiente marinho indicam que não há ocorrência significativa de metais pesados. Testes também reforçam que o rejeito não é tóxico, sendo composto basicamente por óxido de silício, de ferro e de alumínio".

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600