SIGA O EM

Resgate de tesouro arqueológico sob a lama da mineração não chegou a 1%, diz promotor

Passados quase cinco meses do rompimento da barragem que arrasou comunidades históricas em Mariana, cerca de 500 peças sacras foram recuperadas da lama, mas um tesouro de proporções incalculáveis segue soterrado em locais como Bento Rodrigues

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1022749, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Leandro Couri/EM/DA Press', 'link': '', 'legenda': 'Povoado abandonado come\xe7a a dar primeiros sinais de vida, com verde brotando do barro seco, mas cotidiano e tradi\xe7\xe3o religiosa sobreviveu apenas nas lembran\xe7as de moradores', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/04/02/749430/20160402075822850508i.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}, {'id_foto': 1022750, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Samarco/Divulga\xe7\xe3o', 'link': '', 'legenda': 'Surpresas continuam surgindo na \xe1rea atingida, como pe\xe7as de madeira entalhada entregues por morador', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/04/02/749430/20160402080153222053u.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}, {'id_foto': 1022751, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Leandro Gon\xe7alves de Rezende/Arquivo pessoal/Divulga\xe7\xe3o', 'link': '', 'legenda': 'Mas acervo valioso, como o altar da Capela de S\xe3o Bento, continua desaparecido', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/04/02/749430/20160402080705621555a.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}]

postado em 02/04/2016 06:00 / atualizado em 02/04/2016 08:07

Gustavo Werneck

Leandro Couri/EM/DA Press
Vidas reconstruídas em meio a marcas cada vez mais fortes. E, pelo visto, eternas. Quase cinco meses após a destruição de Bento Rodrigues e de outras comunidades em Mariana e municípios vizinhos, os antigos moradores não conseguiram sepultar a dor pelas perdas, inclusive do patrimônio cultural. “Nem nunca mais vamos conseguir; é muita história, tempo demais ali”, afirma José do Nascimento de Jesus, o Zezinho do Bento, um dos representantes do subdistrito soterrado pela lama que vazou em 5 de novembro da Barragem do Fundão, da mineradora Samarco. Um pouco de alegria ainda brota, no verde que ressurge da terra arrasada e em objetos sacros que são encontrados na imensidão ainda dominada pelo barro. Dele, até agora, foram resgatadas perto de 500 peças, sendo 360 pelo Ministério Público de Minas Gerais e 125 pela Samarco, de quatro templos – dois em Bento Rodrigues, um em Paracatu de Baixo e outro em Gesteira, já na cidade de Barra Longa, na Zona da Mata.


Na avaliação do coordenador da Promotoria Estadual do Patrimônio Cultural e Turístico de Minas Gerais (CPPC), Marcos Paulo de Souza Miranda, o volume de peças recuperadas pela Samarco é muito pequeno diante do acervo de proporções gigantescas que igrejas e capelas atingidas abrigavam. “A mineradora não conseguiu encontrar nem 1% do que se perdeu, embora esteja lá com uma equipe de arqueólogos”, critica o promotor de Justiça.

Os objetos localizados pela Samarco estão sendo levados para um imóvel alugado pela empresa em Mariana. Segundo os técnicos da mineradora, estão passando por processos de higienização. Já o material localizado pela CPPC, em parceria com Centro de Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis (Cecor), da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, estão sendo levados para o Museu Arquidiocesano de Arte Sacra de Mariana, no Centro Histórico da cidade. A expectativa é de que as peças sejam restauradas.

O coordenador da CPPC teme pelas novas ameaças ao patrimônio, que inclui, além de igrejas e capela, pontes, casario e outros bens de valor histórico. “A empresa está querendo construir o dique S4, para diminuir a vazão de sedimentos em direção ao Rio Doce, e vai comprometer estruturas arqueológicas. Certamente, haverá novos danos”, alerta Marcos Paulo. A Samarco, via assessoria de imprensa, informa que a obra do dique não será mais executada, pelo menos em Bento Rodrigues, exatamente para preservar um muro que foi descoberto durante as escavações. Sobre o pequeno número de objetos sacros localizadas pela empresa em quase cinco meses, os assessores alegam que “o trabalho ainda não terminou”.

A quinta-feira reservou uma surpresa para os arqueólogos que atuam na região a serviço da mineradora. Airton Antônio Silva, morador da comunidade de Ponte do Gama, em Mariana, entregou duas peças de madeira entalhadas, características de balaústres ou mísulas (suportes para peças em paredes), típicas de igrejas, que foram devidamente embaladas e acondicionadas na reserva técnica em Mariana. A equipe voltava para a cidade colonial, no fim da tarde, depois de um trabalho de campo, quando o homem, que estava à beira da estrada, sinalizou para o carro, dando a entender que tinha algo muito importante para informar.

Samarco/Divulgação

LEMBRANÇAS Com a área do subdistrito de Bento Rodrigues interditada pela Defesa Civil, os ex-moradores pouco voltam ao local onde viveram, criaram filhos, produziram a famosa geleia de pimenta-biquinho, rezaram e se divertiram. “Fiquei sabendo que tem arqueólogos trabalhando lá, encontrando até antigos muros. Isso é muito bom”, afirma Zezinho, de 70 anos, natural de São João del-Rei, na Região do Campo das Vertentes, mas que viveu 33 anos “no Bento”, como adultos, jovens e crianças se referem ao vilarejo surgido no século 18 pelas mãos do bandeirante Bento Rodrigues.

Morando em um imóvel alugado pela Samarco em Mariana desde a catástrofe que deixou 18 mortos e um desaparecido, Zezinho não se esquece de tudo a que as peças sacras encontradas remetem. Casado com Maria Irene de Deus, ele conta que junto dos demais católicos participava do Terço do Santíssimo, das missas, tocava violão no coral e das celebrações em louvor ao padroeiro São Bento, no mês de julho. E havia também o lado profano, mas divertido: na pracinha, aos domingos, a turma se juntava para jogar truco. “Tínhamos uma loja de artesanato, mas acabou tudo com a lama.”

A agente de saúde Cláudia de Fátima Alves também volta no tempo para se lembrar da avalanche. “Não tem jeito, a emoção sempre volta. Graças a Deus, estou viva, mas perdemos muitas pessoas”, lamenta. “Há três meses não volto lá, pois está fechado. Sempre teve muita festividades religiosas lá no Bento, as missas do Natal e do Ano-Novo, as celebrações da Semana Santa, enfim, todos reunidos sempre”, observa Cláudia. Os antigos moradores não se esquecem também nas celebrações na Capela de Nossa Senhora das Mercês, do século 18, hoje um símbolo da antiga comunidade protegido por tapumes por determinação do MPMG.

Leandro Gonçalves de Rezende/Arquivo pessoal/Divulgação

RECUPERAÇÃO  De acordo com a Samarco, desde o dia seguinte ao acidente, a empresa está comprometida em “resgatar, armazenar e restaurar as peças sacras das igrejas localizadas nas áreas afetadas pelo acidente com a Barragem do Fundão”. Técnicos explicam que “assim que é finalizado o resgate, ainda em andamento, empresa especializada em restauração de peças sacras dá início ao processo”. Outra frente é a preservação dos imóveis: “Para isso, uma empresa especializada em engenharia civil e restauração está encarregada de analisar todos os parâmetros das estruturas das igrejas, como seus pilares, altares e piso”.

 

Exposição na Assembleia

O contraste entre o marrom das ruínas e o verde da vegetação, aves ciscando no meio da destruição e um carro estacionado sobre o lamaçal em Bento Rodrigues. Os flagrantes foram captados pelas lentes do fotógrafo Cláudio Nadalin e poderão ser vistos até 15 de abril em exposição na Galeria de Arte do Espaço Político-Cultural Gustavo Capanema, na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (Rua Rodrigues Caldas, 30, Bairro Santo Agostinho), em Belo Horizonte. A mostra tem o sugestivo nome de Oh! Minas Gerais... e traz, com sensibilidade, o cenário de desolação deixado pela maior tragédia socioambiental do Brasil. Nadalin fez o trabalho durante a operação SOS Mariana, de resgate de bens históricos, comandada pelo Ministério Público de Minas Gerais e Cecor/UFMG. O fotógrafo Júnior Rodrigues também apresenta ensaio fotográfico.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600