SIGA O EM

Samarco admite que barragens correm risco de rompimento; chuva agrava situação

Mineradora afirma que diques de rejeitos remanescentes do complexo onde ocorreu desastre estão ameaçados - incluindo o maior deles - e anuncia obras que devem consumir até 90 dias. Temporada de chuvas é complicador e aumenta preocupação

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 961866, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Jair Amaral/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': 'A represa do Germano acumula o maior volume e tem rachaduras em uma das paredes de conten\xe7\xe3o. Conserto levar\xe1 no m\xednimo 45 dias, metade do prazo da interven\xe7\xe3o no segundo dique ', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/11/18/709139/20151118081315777143u.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 18/11/2015 06:00 / atualizado em 18/11/2015 12:48

Renan Damasceno - Enviado Especial , Paula Carolina /Estado de Minas

Jair Amaral/EM/D.A Press
Mariana – Sob chuva e vivendo dias de incerteza, as comunidades que vivem próximas ao curso de lama resultante do rompimento da barragem da Samarco, no último dia 5, só têm esperança de recuperar a tranquilidade no ano que vem. Ontem, a empresa admitiu que as duas represas remanescentes do complexo – Germano, a maior de todas, que contém rejeitos, e Santarém, que acumula água – correm risco. Segundo a mineradora, o reparo da primeira vai durar 45 dias, enquanto a segunda, cuja contenção foi erodida pelo fluxo de lama do desastre, só deve estar completamente reparada em 90 dias.

Segundo o engenheiro civil José Bernardo, geotécnico da Samarco, a prioridade é consertar a Barragem de Germano. “Com o esvaziamento (do Fundão), a Selinha (um dos três diques) sofreu erosão. O atendimento é emergencial e vamos reparar a partir da base. O aterro de blocos de rocha será construído de baixo para cima, para escorar o dique. Vai durar 45 dias, aproximadamente”, afirmou.

O fator de segurança da parede mais frágil da Barragem de Germano é de 1,22, em uma escala cujo ideal é 2. Está abaixo do coeficiente de segurança recomendado, de 1,5, e até do considerado pela empresa aceitável em situações adversas, que é de 1,3 – a título de comparação, a segurança da Barragem do Fundão, que se rompeu, era de 1,58, acima do recomendado, segundo o laudo da última vistoria, realizada em julho. “Diferentemente do contexto do Fundão, o problema maior está ligado à erosão, e não propriamente à estabilidade da barragem”, disse o engenheiro.

O trabalho de reforço das estruturas começou no dia 10. Serão necessários 500 mil metros cúbicos de terra e blocos de pedra para as barragens – cerca de 50 mil viagens de caminhões de menor porte. Há 170 pessoas trabalhando no projeto. “Todas as obras estão ocorrendo em paralelo, mas estamos priorizando a contenção de Selinha e a Barragem de Santarém, mas vamos trabalhar todas as estruturas para que o coeficiente de segurança fique acima de 1,5”, afirmou o diretor de Operações e Infraestrutura, Kléber Terra.

O diretor voltou a lamentar o desastre, mas disse que não é caso de pedir desculpas, e sim de verificar o que ocorreu: “A gente teve um evento trágico. A Samarco também está envolvida nele e estamos muito solidários e muito sofridos com tudo o que aconteceu. Nós também, como funcionários desta empresa. Não acho que seja o caso de desculpa, acho que é o caso de verificar claramente o que aconteceu. Somos parte do processo, e a empresa está fazendo seu maior esforço”, afirmou.

PREOCUPAÇÃO A situação da Barragem de Santarém preocupa, com coeficiente de segurança de 1,37. “Em Santarém, estamos com um cronograma de aproximadamente 90 dias para transportar todo o material, terminar a abertura dos acessos. Faremos o preenchimento da erosão, o nivelamento da crista da barragem e a recuperação da extremidade, de modo a aumentar o nível de segurança”, explicou o engenheiro José Bernardo.

A barragem acumula 5 milhões de litros de sedimentos, cerca de 10% do que desceu no dia da tragédia. Pelo monitoramento, não registrou ainda nenhum movimento anormal. “Existe o risco, e nós, para aumentar a segurança, estamos fazendo as ações emergenciais necessárias”, explicou Germano Lopes, gerente-geral de Projetos e Estruturas.

CHUVAS Se a preocupação existe e é admitida pela própria mineradora, as chuvas ainda podem agravar o problema. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a previsão para a região que inclui Mariana é de chuva moderada ainda hoje, que tende a diminuir amanhã e depois, com ocorrência de pancadas, mas pode voltar a aumentar no fim de semana, com a chegada de uma frente fria que deve durar até a próxima segunda-feira. A previsão é de um fim de novembro chuvoso.

“Estou preocupado com essa previsão, pois não existe nada que seja feito a curto prazo para minimizar a situação, a não ser o monitoramento. Essas barragens não têm mais os drenos funcionando da mesma forma de quando foram executadas”, afirma o perito Gerson Ângelo José Campera, especialista em solos e aposentado do Instituto de Criminalística , que esteve no local após a tragédia para orientar equipes de perícia.

Gerson explica que, sem drenos, a água tende a subir e a passar sobre a barragem, causando erosões e originando aberturas como as que estão aparecendo no dique do Germano. “São rachaduras causadas por essa movimentação de água e adensamento de material não drenado”, diz. Segundo o especialista, além do aumento de risco de rompimento, a chuva pode comprometer o próprio trabalho da Samarco de reforçar as estruturas. “Tenho minhas dúvidas se vão conseguir fazer o trabalho nesse prazo”, observa.

“Se houver um período de chuvas prolongado e com pancadas fortes, o melhor é retirar todas as pessoas dos locais próximos e restringir o acesso, pois o risco de fato existe”, reforça o geólogo e professor aposentado da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Fernando Pires, que já trabalhou na região. Ele acrescenta que é preciso trabalhar o quanto antes para amenizar os riscos. “O fator tempo é crítico. Já se perdeu muito tempo antes do rompimento, lamentavelmente. Agora não se pode perder mais”, alerta.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Wagner
Wagner - 02 de Dezembro às 19:34
O QUE SERÁ MAIS IMPORTANTE? É preocupante como os fatos são resolvidos no Brasil e principalmente em Minas Gerais. Recentemente se reuniram, melhor dizendo um %u201Cmonte%u201D de prefeitos e governador para tratar dos desastres acontecidos. Política ou politicagem, 2016, teremos eleições municipais, terá algum proveito, são votos... Prefiro acreditar que há interesse em ajudar o próximo, mais não consigo ver desta forma, multar ajuda alguma coisa??? Talvez seria melhor reunir pessoas e profissionais e irem de encontro a realidade hoje, o que ainda poderá acontecer, precisamos decisões e ações.
 
Geddy
Geddy - 18 de Novembro às 13:15
Na boa, esse assunto Samarco, barragem, Mariana, Bento de num sei o quê, Paracatu já deu...Pô, me ajuda aí. Muda o drive!
 
Helena
Helena - 18 de Novembro às 11:35
Nunca vi tanta irresponsabilidade. Já sabiam disso e agora que o "bicho pegou" anunciam que outras barragens podem romper. Se este país fosse sério essa turma estaria na cadeia e sem perdão. Depois querem que acreditemos no Brasil.
 
Ramon
Ramon - 18 de Novembro às 09:11
Como o MPF e a Policia Federal nunca viram isto ??
 
Leon
Leon - 18 de Novembro às 15:53
Polícia Federal, isso não é serviço de Polícia, fiscalizar barragem
 
Robson
Robson - 18 de Novembro às 15:31
Aqui no Brasil só se vê o que interessa, só se noticia o que interessa, e o que interessa nunca interessa ao povo!