SIGA O EM

Índios protestaram em linha férrea de Resplendor

Comunidade Krenak alega que está sem água e sem caça, devido à contaminação do Rio Doce, que consideram sagrado

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 959701, 'arquivo_grande': '', 'credito': '', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/11/13/707734/20151113214150516930e.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}, {'id_foto': 959702, 'arquivo_grande': '', 'credito': '', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/11/13/707734/20151113214204991993u.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 13/11/2015 21:29 / atualizado em 13/11/2015 21:42

Estado de Minas


Índios da Comunidade Krenak, em Resplendor, na Região do Rio Doce, fez um protesto, nesta sexta-feira, em linha férrea local.

A comunidade reclama da degradação do Rio Doce, para eles considerado sagrado. Além da relação espiritual, estão sem água e sem como caçar.

Esta semana, um grupo elaborou um documento cobrando providências para a descontaminação do Rio Doce (Uatu). No documento, o grupo Krenak relata que mantém uma relação espiritual com o rio e acrescenta que, diante de todo o desastre, exige que os responsáveis tomem medidas urgentes também com relação ao abastecimento de água na aldeia, com reservatórios para todas as famílias.

"Sabemos também que os problemas causados com o rompimento dessa barragem irão permanecer ao longo de muito anos. Nossos peixes estão todos mortos, nossas caças estão ficando doentes e nossa flora toda destruída e contaminada com os rejeitos e substâncias tóxicas laçados em nosso Rio Doce. Diante de todo o desastre causado pela Samarco/Vale e BHP, exigimos que sejam feitos projetos voltados para caça, pesca, planta e tudo o que envolve a vida do povo Krenak, uma vez que o Rio Doce está presente em todos os aspectos do nosso povo. Também exigimos indenização por danos morais causados à nossa cultura e religião".
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600