SIGA O EM

EM passa um dia em povoado isolado após tragédia em Mariana

Com atenções voltadas para Valadares, reportagem do EM fica 24 horas em segunda comunidade mais afetada por desastre e mostra que população vaga entre escombros sem ajuda de bombeiros ou Defesa Civil

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/11/2015 06:00 / atualizado em 13/11/2015 11:24

Mateus Parreiras - Enviado especial

Sidney Lopes/EM/D.A Press
Paracatu de Baixo (Mariana) – No dia em que a zona quente da crise deflagrada pelo rompimento de barragens da Samarco foi transferida para Governador Valadares, que teve visita presidencial, anúncio de multa de R$ 250 milhões para a mineradora, batalha por água e protestos na linha da ferrovia Vitória a Minas, a situação em um dos povoados mais atingidos em Mariana denuncia o abandono de moradores afetados pelos primeiros impactos da onda de lama liberada pela tragédia. Durante um dia e uma noite, a equipe do Estado de Minas testemunhou a situação da comunidade de Paracatu de Baixo, onde, em vez de bombeiros e agentes da Defesa Civil, moradores se arriscam sozinhos em construções condenadas e improvisam passarelas atirando pedaços de pau sobre uma camada de lama e minério que varia da altura dos joelhos à do queixo de um adulto.

Sem ninguém para avaliar a solidez das casas, 80% delas destruídas pela avalanche, entram nas moradias trincadas e até sem partes das paredes para resgatar móveis, objetos de valor, utensílios domésticos, documentos e recordações de família que foram poupados da onda de rejeitos. Enquanto um vasto número de equipes atua em Bento Rodrigues, o povoado de Mariana que foi mais destruído pela avalanche de rejeitos, no dia 5, Paracatu de Baixo, a segunda comunidade mais afetada do município da Região Central, só conta com o apoio dos próprios habitantes, que não aceitaram uma remoção para Mariana, nas buscas pelo que sobrou do desastre.

Do total de uma centena de casas, restaram intactas duas dezenas. E é dessas habitações no alto da comunidade, com a luz fraca do fim da madrugada ofuscando a iluminação de postes, que surgem os primeiros a despertar em Paracatu de Baixo. São os vaqueiros, trazendo cordas, baldes de alumínio e banquinhos nas mãos. Os melhores pastos, que ficavam nas várzeas do Rio Gualaxo do Norte, foram varridos pela lama que seguiu pela calha do curso d’água e obrigou que tocassem o gado para os morros. Em um desses altos é que Livaldo Marcelino, de 37 anos, improvisou um curral para tirar leite de sete vacas. “Foi uma corrida desesperada, com a lama subindo depressa atrás da gente – e eu ainda tenho um joelho quebrado. Por causa desse aperto todo, as vacas estão estressadas, arredias. Como não deu tempo de apartar todos os bezerros, eles estão mamando à vontade. Só consigo tirar metade dos 40 litros que conseguia antes”, lamenta o vaqueiro.

Durante o dia, o movimento no distrito é intenso. O ruído dos tratores e caminhões de sucção de prestadoras de serviço da Samarco ecoa pelos quarteirões ainda tomados por lama e água barrenta, enquanto tentam desimpedir a avenida principal. Fileiras de desabrigados passam se espremendo pelas trilhas íngremes batidas de gado nas colinas que beiram a lama ou dentro do próprio terreno movediço. “Minha casa ficava no meio do lote e as dos meus filhos, em volta. Estão todas debaixo do minério. Estamos dormindo em Mariana e de dia a gente vai e volta uma 20 vezes, para carregar o que pode ser salvo. Como sou da folia de reis, estou mais preocupado com os nossos instrumentos. Por enquanto só salvei uma sanfona e uma bandeira”, conta o lavrador José Patrocínio de Oliveira, de 85.

As cercas de arame das propriedades se tornaram varais para secar roupas, equipamentos eletrônicos, elétricos e até uma bíblia. No amontoado que foi arrancado das casas e misturado pelo lamaçal se encontra de tudo: camas, geladeiras, televisores, bonecas, bicicletas, roupas, cosméticos, tacos de sinuca e livros. Engradados de cerveja entupidos de barro são empilhados perto das portas dos cinco bares que funcionavam no povoado, agora arrasados, antes famosos por fritar os melhores pastéis da região.

Os lavradores José Horta, de 50, e Raimundo Gonçalves, de 48, enfrentaram as rachaduras nas casas para recuperar pelo menos suas ferramentas de trabalho. Mas, mesmo quando conseguiram vencer a lama, improvisando passarelas com pedaços de pau, a decepção foi grande. “Desenterrei a motosserra e a moto. Mas nenhuma das duas funciona mais. Estou sem saber como fazer, porque eram meu ganha pão. Como vou conseguir serviço e ter dinheiro para minha família comer?”, indagava José Horta.

Sidney Lopes/EM/D.A Press

MATILHAS FAMINTAS
Às 19h, as máquinas da Samarco se silenciam e as vans levam para Mariana os trabalhadores e a maioria dos moradores de Paracatu de Baixo. A escuridão acentua a sensação de deserto em ruas e casas vazias. Logo os uivos de cães abandonados ecoam de todas as partes. Bandos desses animais famintos perambulam entre as ruínas sobre o lamaçal. Qualquer um que porventura trombe com a matilha é logo cercado e farejado pelos animais de rabos inquietos, sedentos por atenção.

Luzes de lamparinas e velas avistadas por entre as casas mais altas levam à dona de casa Maria de Oliveira, de 76, que vagava pela vizinhança com filhos e parentes procurando os poucos que, como ela, resistem. “Daqui, só saio morta. No dia da lama, quando me levaram para Mariana, passei a noite sem dormir, sem comer, só esperando a manhã para voltar. Comprei querosene e velas para ter luz, trouxe água e comida (doados). Agora, não saio mais”, disse. Um dos filhos dela, Pedro de Oliveira, de 26, conta que o medo de que outra barragem se rompa ressurge a cada chuva. “A gente mal dorme. Fiquei com a tragédia na cabeça. Ainda me lembro do rio sendo tomado, da lama vindo e de todo mundo correndo para o alto. As crianças choravam, as mulheres berravam, os velhos pediam socorro. Teve até quem dormisse no cemitério”, conta ele, que diz se sentir abandonado por autoridades e até por quem se dispõe a ajudar. “Estamos esquecidos”, resume.

Vídeo mostra situação de Paracatu de Baixo


Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Ricardo
Ricardo - 13 de Novembro às 15:00
39 ministérios e ninguém cuidando das pessoas. Vergonha deste governo.
 
Marcelo
Marcelo - 13 de Novembro às 11:02
A vida tem pouco, ou quase nenhum valor. O Ministério Público do Meio Ambiente está ocupado em receber seu auxílio moradia retroativo que vai importar em quase 400.000,00 para cada promotor... O pobre! Esse que se morda...
 
Gerson
Gerson - 13 de Novembro às 09:30
Estes fatos já eram esperados pois com certeza nada será ressarcido ou reparado, até porque irão entrar numa discussão jurídica e principalmente técnica referente a identificação da causa do acidente que foi gerado pelo uso de projeto inadequado por profissionais inexperientes em alteamento de barragem e ausência de instrumentação para monitoramento em função da exigência dos acionistas para redução de custos operacionais e de manutenção. Porém os representantes jurídicos já se encontram em atuação e todas as ações serão feitas de forma cautelosa para não assumirem responsabilidades.