SIGA O EM

"Foi metade da minha vida embora. Não consigo fazer mais nada", diz avó de Tiago

Tiago Damasceno Santos, de 7 anos, foi enterrado no fim da tarde desta quarta-feira em Mariana. Muito abalada, a mãe deixou o cemitério de ambulância

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/11/2015 17:32 / atualizado em 12/11/2015 19:09

Valquiria Lopes

Valquiria Lopes/EM/D.A Press

Arquivo Pessoal
Muita comoção marcou o enterro do menino Tiago Damasceno Santos, de 7 anos, quinta vítima da tragédia decorrente do rompimento de duas barragens, em Mariana, na última quinta-feira.

Logo após o enterro, no Cemitério de Santana, em Mariana, nesta quarta-feira, a avó de Tiago, Carminha de Jesus, conversou com a imprensa. Ela disse que ainda se recusa a acreditar na morte do neto, de apenas 7 aninhos. "Não acredito que isso aconteceu com ele. Não consigo comer, não consigo dormir. Foi metade da minha vida embora", afirmou. ". Não consigo fazer mais nada. Não consigo lavar uma roupa, não consigo fazer comida. Está difícil demais", acrescentou emocionada.

A mãe de Tiago, Giovanna Rodrigues, muito abalada, chorou muito ao ver o corpo do filho. Ela acompanhou o cortejo amparada por parentes e amigos e deixou o cemitério em uma ambulância.

Tiago foi a quinta vítima confirmada na tragédia. Ainda nesta quarta-feira, foi identificado Marcos Roberto Xavier, de 32 anos, a sexta vítima do desastre. Outros dois corpos aguardam identificação e 20 pessoas ainda estão desaparecidas, sendo 11 funcionários da Samarco e/ou empresas tercerizadas e nove moradores.

Ainda nesta quarta-feira, às 19h, o arcebispo de Mariana Dom Geraldo Liro Rocha celebra missa de sétimo dia pela vítimas da tragédia, na Praça Cláudio Manoel.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Daniel
Daniel - 11 de Novembro às 18:31
Agradeçam ao FHC que privatizou a Vale e retirou do Estado o poder sobre essas empresas