SIGA O EM

Nível do Sistema Paraopeba cai e atinge a sua pior marca

O acumulado das represas Vargem das Flores, Serra Azul e Rio Manso, atingiu 29,4% nesta terça-feira. Copasa garante o abastecimento até janeiro mesmo sem chuva

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 913766, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 07/08/2015', 'link': '', 'legenda': 'A represa Serra Azul \xe9 a que apresenta o menor n\xedvel de \xe1gua', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/08/25/681766/20150825143531899775e.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 25/08/2015 14:00 / atualizado em 25/08/2015 17:57

João Henrique do Vale , Guilherme Paranaiba

Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 07/08/2015

O Sistema Paraopeba atingiu o seu pior nível de capacidade nesta terça-feira. O percentual chegou a 29,4%, superando a marca de 5 de fevereiro de 2015, registro duas semanas depois do anúncio da crise pela Copasa, em que cehgou a 29,47%. Segundo a Companhia essa é o menor volume registrado na Região Metropolitana de Belo Horizonte com a atual configuração do Sistema Paraopeba com seus três reservatórios. Somente de segunda-feira para hoje a queda foi de 0,2 ponto percentual. A tendência é de queda nos próximos dias caso não tenha chuva. Porém, a empresa garante que o volume é suficiente para garantir o abastecimento até dezembro.

O volume disponível em todo o sistema leva em conta o armazenamento das represas Vargem das Flores, Serra Azul e Rio Manso. Todos os três tiveram queda nos últimos dias. Vargem das Flores saiu de 29,8% no domingo e foi para 29,5% nesta terça-feira. Serra Azul saiu de 12,1% para 11,8%, já o Rio Manso, que é o maior reservatório do Paraopeba, começou a semana com 39,9% e já está em 39,8%.

A vazão do Rio das Velhas se manteve estável. No último sábado estava com 11,8 metros cúbicos por segundo. Na segunda-feira estava com 12,1 metros cúbicos por segundo. Por causa da economia média da população entre fevereiro e julho, que atingiu 13,4%, além de 55% mais chuvas de janeiro a julho deste ano do que o acumulado no mesmo período de 2014, a Copasa descartou o racionamento na Grande BH.

Quando anunciou o descarte, a companhia afirmou que se chover de agosto a novembro a mesma quantidade registrada em igual período do ano passado, o Sistema Paraopeba terá, em dezembro, 20% de sua capacidade. O atual volume do sistema é suficiente para o abastecimento até janeiro de 2016, mesmo se não chover nenhuma gota até lá, de acordo com a empresa. A Copasa também informa que aumentou em 400 litros por segundo a capacidade de transferência da água produzida pelo Sistema Rio das Velhas para a área atendida pelo Sistema Paraopeba, o suficiente para abastecer uma população de 746 mil habitantes.

Para dezembro está prevista a conclusão das obras de captação adicional no Rio Paraopeba, que levarão 5 mil litros de água por segundo até a Estação de Tratamento de Água do Rio Manso, possibilitando a recarga dos reservatórios do Paraopeba e garantindo o abastecimento sem a necessidade de restrições nos próximos 20 anos.

A empresa ressalta, ainda, que durante o período chuvoso, que começa em outubro e segue até março, será possível a reversão de tendência de queda de volume armazenado nos reservatórios que terão condições adequadas para recuperação.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Leandro
Leandro - 26 de Agosto às 07:18
A Copasa garante o abastecimento até janeiro! Conversa fiada.... estou desde sábado sem água em casa (A interrupção para manutenção seria até a madrugada de segunda-feira, segundo a Copasa). Moro em Igarapé no bairro União e sempre falta água!
 
Andre
Andre - 25 de Agosto às 21:40
Esse pimentel do Pt só pensa em aparecer nas propagandas e fazer papel de herói. Pinta um caos no começo do ano e agora a situação ta a mesma, não fizeram nada, deixaram o povo gastar e a água acabar! A maior secada da história foi ano passado. E agora?
 
SERGIO
SERGIO - 25 de Agosto às 17:53
É muita sacanagem e falta de vergonha na cara culpar a falta de chuvas pela falta de água, já que a água que a natureza dispõe aos cidadãos brasileiros, não só belo-horizontinos, está é indo ralo abaixo, c desvios clandestinos e vazamentos não consertados... Aí é querer demais...
 
Bidu
Bidu - 25 de Agosto às 16:57
É só continuar destruindo a natureza, que daqui uns 10 anos não vai mais existir agua potável. Ai vai ser tarde demais.
 
Marcelo
Marcelo - 25 de Agosto às 15:49
Continuo insistindo : a maioria dos brasileiros paga contas de celular e TV a cabo cujos valores, às vezes , chega a três, quatro vezes aqueles da conta de água. Pergunta-se , destes três itens qual é imprescindível à vida do cidadão? Marcelo Lopes