SIGA O EM

BH tem o maior acumulado de chuva em fevereiro dos últimos 11 anos

Mesmo com a chuva, os reservatórios que abastecem a Grande BH ficaram praticamente estáticos. Somente o Serra Azul que passou de 5,8% para 9,2% em pouco mais de um mês

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 02/03/2015 15:09

João Henrique do Vale

A Região Metropolitana de Belo Horizonte, incluindo a capital mineira, passa por momentos de crise no abastecimento por causa da crise hídrica. Em 2014, um longo período de estiagem atingiu os municípios. Fevereiro trouxe um pouco de alívio. No mês, choveu 40% acima da média histórica, que é de 188 milímetros. O volume acumulado é o maior dos últimos 11 anos. Mesmo assim, a preocupação quanto ao nível dos reservatórios continua. De 26 de janeiro, quando a Copasa começou a divulgar diariamente a situação das barragens, até esta segunda-feira, o Sistema Paraopeba, responsável pelo abastecimento na Grande BH, teve uma leve queda de 0,01%. Destaque, apenas, para o Serra Azul, que aumentou de 5,80% para 9,2%. Rio Manso apresentou queda e Vargem das Flores teve leve alta.

O grande volume de chuva em fevereiro pode ser explicado pela atuação do fenômeno chamado de zona de convergência do Atlântico Sul que estava atuando no estado. “Esse fenômeno é muito comum no verão. A interação da umidade da região amazônica provoca chuvas em abundância no Sudeste”, explica o meteorologista Claudemir Azevedo, do 5º Distrito do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

No período de 28 dias choveu o equivalente a 264 milímetros de água. Esse percentual é 40% acima da média histórica que é de 188 milímetros. O último registro de alto índice de chuva em fevereiro foi feito em 2004, quando a capital mineira teve 363,9 milímetros. O maior acumulado foi em 1978, que teve 487,3 milímetros.

A previsão para março não é tão boa para os reservatórios. “Ainda existe a possibilidade de chuva. A expectativa é que fiquemos dentro da média histórica, que é de 163,5 milímetros. Isso equivale a praticamente 12 dias com chuva”, comenta Claudemir Azevedo.

Nesta segunda-feira, o tempo vai ficar parcialmente nublado com possibilidade de chuva fraca durante a noite. Na terça-feira, tem possibilidade de precipitações na parte da manhã. No restante do estado, Os temporais podem acontecer nas regiões Norte e Leste de Minas. No Sul de Minas, a massa de ar frio provocou declínio de temperatura. A cidade de Maria da Fé registrou 8,7º C.

Situação dos reservatórios

Mesmo com o grande volume de chuvas, os reservatórios não tiveram grandes mudantças em seus níveis. Quando a Copasa começou a divulgar os dados diariamente, o Sistema Paraopeba apresentava 30,03% de sua capacidade. Rio Manso estava com 44,78%, Vargem das Flores com 27,72% e Serra Azul 5,80%. Nesta segunda-feira, o nível dos reservatórios praticamente ficaram estáticos.

O Sistema Paraopeba passou para 30,2% da sua capacidade. Rio Manso teve uma leve queda e está com 42,7%. Vargem das Flores subiu para 30,2%. Já o reservatório Serra Azul apresentou um grande aumento. Nos últimos dias, passou de 8,8% para 9,2%. Mesmo com a diferença, a situação da barragem, a terceira maior da capital mineira, ainda é preocupante. O volume de captação do Reservatório Serra Azul despencou 70% em um ano. A escassez de chuva que deixa Minas Gerais em estado de alerta em relação ao abastecimento põe a represa em estado crítico. Segundo a Copasa, em janeiro de 2014, Serra Azul distribuía 2.200 litros de água por segundo e, neste ano, a vazão caiu para 661 litros por segundo.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
João
João - 02de Março às 17:30
Como sempre os meteorologistas não acertam nada ... falaram que as chuvas de fevereiro seriam abaixo da média!!!
 
João
João - 02de Março às 17:10
E alguém sabe me dizer quantos milhões ou bilhões de metros cúbicos de agua sai de minas levando minerio pro Espirito Santo. Essa crise serve de reflexo pra ver o desdenho de como a agua é tratada.