SIGA O EM

Estocar água exige cuidados e especialistas alertam para os perigos

Com receio de possível racionamento, moradores armazenam recurso em casa. Riscos para a saúde e até desperdício estão entre os problemas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 805200, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Marcos Vieira/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': "Afr\xe2nio Andrade armazena \xe1gua da chuva em sua piscina, que serve para lavar a casa e irrigar plantas: 'Fazemos tratamento e temos o acompanhamento da qualidade dessa \xe1gua. \xc9 reserva e preven\xe7\xe3o'", 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/02/24/620900/20150224002657191563a.jpg', 'alinhamento': 'right', 'descricao': ''}, {'id_foto': 805201, 'arquivo_grande': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/02/24/620900/20150224002716358223u.jpg', 'credito': '', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/02/24/620900/20150224002712327076i.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 24/02/2015 06:00 / atualizado em 24/02/2015 08:20

Junia Oliveira /

Marcos Vieira/EM/D.A Press
O medo dos efeitos de um rodízio ou racionamento está levando muita gente a promover uma verdadeira corrida para estocar água. Vale tudo: improvisar tambores, comprar bombonas e até encher a piscina de casa. Nos bairros mais altos de BH, como na Região da Pampulha, onde as torneiras têm ficado secas durante alguns dias, a busca por alternativas se tornou rotina. Mas guardar água exige cuidados e não pode ser feito aleatoriamente, segundo especialistas. Se mal-condicionada ou não tratada, é um risco para a saúde e de mais desperdício se a fonte for o líquido que vem direto da Copasa.

A companhia de saneamento também vê com ressalvas esse movimento pelo armazenamento e teme comprometimento da meta de economia de 30% nos próximos três meses. Professor associado do Departamento de Biologia Geral da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Ricardo Motta Pinto Coelho diz que uma indicação de que as pessoas realmente começaram a estocar é a falta de bombonas no mercado. Ele cobra orientação mais refinada dos gestores de água do estado sobre essa questão. “Não se deve estimular a estocagem de água fora das especificações da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)”, afirma. Entre os problemas, ele cita o riscos estruturais em apartamentos e coberturas, infestação do mosquito Aedes aegypti, causador da dengue, e acidentes e mortes por afogamento de crianças nos recipientes com água. “Percebo um amadorismo no trato institucional da crise de água. Vejo diretores de empresas dando conselhos inadequados que podem colocar o cidadão em risco.”

Coelho alerta ainda que 90% da água de chuva em BH é de má qualidade, o que exige atenção de quem está captando sem se preocupar com tratamento. Além do ar poluído com óxido de enxofre, outro problema são pombos e pássaros que ficam nas calhas dos telhados, podendo contaminar a água com coliformes fecais e transmitir doenças. “As pessoas devem se preocupar com a diminuição do consumo, não em estocar. Em vez de estímulo ao uso de equipamentos inteligentes, como torneiras que reduzem o gasto enormemente, vejo soluções da Idade Média”, critica.

O professor cobra medidas de estímulo ao uso dessas tecnologias e também uma espécie de financiamento do poder municipal para a a instalação de hidrômetros individuais em condomínios. O biólogo teme ainda outras consequências e compara o alarme da crise hídrica com a de alimentos na Flórida, nos Estados Unidos, quando da passagem de furacões: as pessoas correm para o supermercado para estocar comida e ela acaba. “Imaginem se todos estocarem água no apartamento? Estabelece-se o caos antes de ter o caos. Captar água da chuva pode ser interessante, se feito com segurança, mas podemos reduzir nosso consumo enormemente também. Temos que usar mais inteligência nesse processo, pois imagino que só louco não esteja tomando banho mais rápido ou cuidando de vazamento”, diz. “É preciso mais do que isso. Redução de consumo pode ser tão eficiente quanto estocagem, senão for mais”, ressalta.

Morador do Bairro Bandeirantes, na Pampulha, o economista Afrânio Alves de Andrade, de 72 anos, conta que adota bem antes da crise hídrica, há pelo menos 10 anos, a piscina como reservatório de captação de água de chuva. De novembro a março, época normal das precipitações, ele mantém um volume de mais de 20 mil litros de água, que serve para lavar a casa, irrigar as plantas e também para nadar ou tomar banho, seguindo padrões de controle. Presidente da associação comunitária do bairro, ele diz adotar um sistema simples e pitoresco de captação. “Fazemos tratamento uma vez por semana e temos todo acompanhamento da qualidade dessa água. Não fomos atingidos pela crise, mas é uma reserva e um pouco de prevenção, porque a família é grande. Isso ajuda bastante. Economiza dinheiro, nos dá alegria e protege a casa.”

REÚSO EFICIENTE

Coordenadora do curso de engenharia ambiental do Centro Universitário Newton Paiva, Érika Fabri, reforça que a estocagem de água, seja de reuso ou de chuva, deve ser associada à finalidade dela e não deve ser feita por muitos dias. Deve ser usada para fins menos nobres, como lavar quintal, limpar cômodos da casa ou jogar no vaso sanitário e, mesmo assim, exige recipientes lacrados evitar risco de proliferação de bactérias. A situação muda se usada para higiene pessoal ou de vasilhames e roupas. “No caso da chuva, não sabemos o que há de contaminantes”, diz.

Érika ressalta que a estocagem só é indicada nos casos de corte de fornecimento. “Guardar água da Copasa para cozinhar e tomar um banho, por exemplo, é aceitável, pois pode-se armazená-la de um dia para outro”, afirma. O problema maior, segundo a professora, é se isso ocorre por muitos dias, pois ela está guardada num recipiente que pode ter toxinas e micropartículas. “Se não for cortar abastecimento não tem sentido. É um gasto a mais, porque água não servirá para ser usada depois de certo tempo e deverá ser jogada fora.”

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
alvaro
alvaro - 24 de Ferveiro às 14:49
E água e ponto final
 
ROBSON
ROBSON - 24 de Ferveiro às 11:01
Dica, uso a água da maquina de lavar roupa, para lavar o quintal, e limpeza da casa.