SIGA O EM

Copasa diz que situação dos reservatórios ainda é preocupante, mesmo com a chuva

A presidente da Companhia, Sinara Meireles, fez o alerta durante a segunda reunião da força-tarefa para discutir a crise hídrica em Minas Gerais

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/02/2015 19:44 / atualizado em 09/02/2015 19:52

João Henrique do Vale

A segunda reunião dos órgãos e entidades que compõe a força-tarefa para discutir a crise hídrica em Minas Gerais terminou com um alerta da presidente da Copasa, Sinara Meireles. Durante o encontro, nesta segunda-feira, a gestora afirmou que mesmo com a chuva dos últimos dias a situação dos reservatórios ainda é preocupante.

Dados apresentados diariamente pela Copasa mostram que a situação ainda necessita de cuidados. A chuva fez aumentar o nível do reservatório Serra Azul, um dos três que compõem o Sistema Paraopeba, responsável pelo abastecimento de água da Grande BH. Ele chegou a 7,1% nesta segunda-feira. Nos últimos 30 dias, o terceiro maior reservatório de Belo Horizonte teve níveis oscilando entre 6,6% e 6,9%. O volume mais baixo foi registrado em 5 de janeiro, quando alcançou 5,6%.

No entanto, a chuva ainda não foi suficiente para melhorar a situação no sistema como um todo. Nesta segunda-feira, Paraopeba tem 30,1% da sua capacidade. No domingo, o volume era de 29,1%. Apesar do ligeiro aumento, o sistema ainda não alcançou o índice do dia 10 de janeiro, quando apresentava 32,1%.

Força-tarefa

A reunião da força-tarefa serviu para traçar as últimas estratégias para o encontro entre representantes do Governo de Minas e o Ministério da Integração Nacionao e Ministério das Cidades, marcado para a próxima quarta-feira. Os órgãos apresentaram as obras e projetos que precisam ser feitos no estado para evitar o desabastecimento.

A força-tarefa também reuniu dados para apresentar no encontro do Conselho Estadual de Recursos Hídricos na quinta-feira. O conselho integra os órgãos públicos, setor produtivo e sociedade civil organizada, visando assegurar o controle da água e sua utilização em quantidade e qualidade.

Participaram da discussão representantes das Secretarias de Estado de Governo (Segov), Planejamento e Gestão (Seplag), Transporte e Obras Públicas (Setop), Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), Desenvolvimento Regional, Política Urbana e Gestão Metropolitana (Sedru) e Desenvolvimento e Integração do Norte e Nordeste de Minas Gerais (Sedinor), além da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam), Agência de Desenvolvimento da Região Metropolitana, Ruralminas, Defesa Civil e Fundação HidroEX.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600