SIGA O EM

Sistema Paraopeba registra queda no volume total nos últimos seis dias

Sistema que abastece a Grande BH começou a semana com queda, apresentou ligeiro aumento no meio da semana, mas índices voltaram a cair na sexta-feira

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 30/01/2015 11:37 / atualizado em 30/01/2015 11:49

Cristiane Silva

O volume total do Sistema Paraopeba, que abastece os municípios de Belo Horizonte e região metropolitana, deve fechar a semana em ligeira queda. No último domingo, quando a Copasa começou a divulgar em seu site os níveis dos reservatórios, Paraopeba apresentava volume de 30,26% contra 30,11% nesta sexta-feira. Na segunda-feira, contava com 30,3%.

Na quarta-feira, a quantidade de água armazenada ficou em 29,88%, mas na quinta-feira chegou a 30,17%. A represa de Serra Azul passou de 5,89% para 6,20%. Vargem das Flores saltou de 28,51% para 28,84% e Rio Manso saiu de 44,38% para 44,64%. Já no Sistema Rio das Velhas, cuja captação é feita no fio d’água e não usa reservatórios, houve queda na vazão. Enquanto na terça-feira os técnicos captaram a 25,05 metros cúbicos por segundo, na quarta-feira a retirada do recurso hídrico se deu a 23,24 metros cúbicos de água por segundo.

Comparando os níveis registrados no domingo, primeiro dia da divulgação, com os desta sexta-feira, o nível do reservatório Rio Manso começou a semana com 45,04% e atualmente está com 44,46%. Os outros dois reservatórios que integram o sistema tiveram uma pequena alta. Serra Azul, no domingo, apresentava 5,85% e conta com 6,33% nesta sexta-feira. Em Vargem das Flores, o nível passou de 28,29% para 28,84%.

A Copasa atualiza os dados dos reservatórios diariamente às 10h. No site também é possível verificar a medição dos volumes de água por reservatório entre os anos de 2013 e 2014. Para conferir os números, é preciso acessar o endereço da companhia na internet e clicar em Copasa Transparente. Você também pode conferir os números atualizados na página principal do em.com.br(Com informações de Guilherme Paranaíba)
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Freedom
Freedom - 01 de Ferveiro às 14:11
E as matérias sobre as mineradoras e o agronegócio consumindo grande parte das águas do Estado?
 
Émerson
Émerson - 30 de Janeiro às 19:24
Pessaol, boa tarde! Sou morador da cidade de Cristiano Otoni, interior de MG, e é aqui que nasce o rio Paraopeba. Pequenininho, tranquilo e la longe se torna um dos maiores afluentes do rio São Francisco. Porem a minha preoculpação só vem almentado, a cada ano que passa el se torna menor as águas que o fazem ser grande só diminuem", e fato preponderente para que isso aconteça são as palntações de eucalipto na região. Esitem varios corregos que o ajudam a se tornar grande, mas estes estão morrendo, tenho um terreno a uns 4 km do Paraopeba e meu vizinho sequecou um corrego para sua plantação SOS