Sem revitalização, Anel Rodoviário trava obras em BH

Obras essenciais para desafogar o trânsito, como o Rodoanel e o Portal Sul, só começarão depois que o projeto executivo de recuperação da via estiver pronto, às vésperas da Copa

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 10/01/2013 06:00 / atualizado em 10/01/2013 07:32

Paula Sarapu

MARCOS MICHELIN/EM/D.A PRESS

 

A longa novela de revitalização do Anel Rodoviário, por onde passam cerca de 140 mil veículos por dia, complica cada vez mais o saturado trânsito de BH, porque compromete o início de outras intervenções viárias importantes. Apesar da demora para início das obras e do aumento dos nós no tráfego, o superintendente do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), José Maria da Cunha, diz que as alças do Rodoanel e até do Portal Sul, que desafogariam o congestionamento diário do trevo do Belvedere, no entroncamento das BRs 356 e 040 com a MG-030, só serão executadas depois que o projeto executivo do Anel estiver pronto  e as obras engatilhadas, às vésperas da Copa do Mundo. A previsão é de que só em 2017 a rodovia esteja de cara nova.

Cunha reconhece que os projetos do Rodoanel e o Portal Sul ficarão estagnados, mas justifica que as obras se somam e que são interdependentes. Especialistas discordam. Para eles, todas as intervenções são necessárias e deveriam ser executadas paralelamente. O superintendente do Dnit pede paciência para que o trabalho seja benfeito, sem risco de precisar ser reajustado.

“A velocidade não é a que a população anseia, mas é necessário ter paciência para fazer um bom trabalho. Os projetos para enfrentar o trânsito local e de longa distância são interdependentes e iniciá-los pontualmente pode acabar interferindo”, afirma José Maria.

“A Alça Norte do Rodoanel, por exemplo, tem um desenho complexo e é necessário um projeto bem detalhado para a execução da obra. O trecho Sul, em função das melhorias propostas pelo DER para o Anel, deve sofrer alterações também. Essas alças são complementares e precisarão de encaixes. Se fizermos um primeiro, podemos perder o serviço ou ter que fazer realocação em função do conjunto”, explica ele.

O engenheiro civil e mestre na área de transportes Silvestre de Andrade Puty Filho afirma que todas as obras são urgentes. Ele destaca que a única relação entre elas é o objetivo: dar fluidez ao trânsito. “O Rodoanel é uma alternativa ao Anel atual. É um novo projeto, com outro itinerário, para tirar os veículos do Anel e substituí-lo. O Portal Sul, por sua vez, é um projeto importante para aliviar o trânsito do Bairro Belvedere, não tem nada a ver com o Anel”, explica o especialista.

Silvestre concorda que as obras do Anel precisam, “por exigência lógica”, de um bom projeto executivo, mas lembra que os demais projetos básicos foram elaborados há mais de 10 anos. “São intervenções complementares, mas independentes. Todos são indispensáveis, urgentes e o melhor seria se fossem executados em paralelo. Começar pelo Anel e deixar as outras obras na gaveta atrasa soluções que são para hoje”, enfatiza Silvestre.

Diretor de Trânsito da Associação de Moradores do Belvedere, José Renato Pereira Filho, diz que a iniciativa privada já arcou com R$ 8 milhões do valor total do complexo viário do Portal Sul, orçado em R$ 28 milhões. Com medidas compensatórias, uma pequena alça e uma trincheira serão concluídas em março. O Dnit informa que os recursos federais ainda não foram liberados, mas José Renato considera que o Vetor Sul está abandonado pelo poder público.

“Essa obra é um projeto muito antigo e não tem vinculação com Anel e com o Rodoanel. É um gargalo da MG-030 por causa dos investimentos imobiliários que ultrapassaram todos os limites do aceitável. Estamos falando de uma região que continua crescendo para Nova Lima, Raposos, Rio Acima, Vale dos Cristais, Vale do Sereno”, lembra.

José Renato propõe que a arrecadação do bairro seja revertida para o próprio Belvedere e lembra que a obra poderia ter sido assumida pela prefeitura, uma vez que integrou o Orçamento Participativo mas acabou perdendo para a Praça São Vicente.

“O Portal Sul é importante porque vai desfazer o nó no entorno do BH Shopping, que para todos os dias, principalmente às 18h. Pelo fluxo de hoje, é uma obra que já nasce com capacidade esgotada, uma vez que o projeto tem 10 anos. Há reflexos na Avenida Nossa Senhora do Carmo e na Rua Patagônia, por exemplo, e os acessos já não aguentam mais. Se tivermos que esperar pelo Anel, o bairro vai parar e vai ser melhor andar de helicóptero para escapar do caos absoluto”.

Na avaliação do especialista em transportes e trânsito e doutor em engenharia de transportes Frederico Rodrigues, se não há orçamento para contemplar todos os projetos ao mesmo tempo, a escolha deve ser feita pela segurança viária, em detrimento da fluidez. “Nesse caso, eu começaria mesmo pelo Anel, que é a via com mais capacidade de escoamento na cidade e precisa de uma revitalização pautada na segurança viária”, diz ele. “Há três variáveis quando se pensa num projeto de tráfego e quase nunca é possível contemplar os três. Ou se aposta na mobilidade ou na segurança viária ou na acessibilidade, o que necessariamente reduz a capacidade de circulação”.

MARCOS MICHELIN/EM/D.A PRESS