17°/ 34°
Belo Horizonte,
16/SET/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Polícia descarta exumação de corpos de vítimas do acidente na BR-040 O delegado regional de Ipatinga recebeu a garantia, da equipe do IML de Curvelo, de que as identificações foram feitas com segurança

Luana Cruz -

Flávia Ayer -

Publicação: 20/03/2012 11:03 Atualização: 20/03/2012 11:33

Tumulto marco enterro do mecânico de manutenção Nivaldo José Lourenço ( Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Tumulto marco enterro do mecânico de manutenção Nivaldo José Lourenço

Suspeita de erro na identificação das vítimas, troca de cadáveres e pedido de exumação de corpos aumentaram a dor e o sofrimento de familiares na despedida dos 15 mortos sábado no acidente entre um ônibus e uma carreta, na BR-040, em Felixlândia, Região Central de Minas. A desconfiança levou uma das famílias a abrir o caixão lacrado, ao lado da cova. Na segunda-feira, a polícia cogitou a possibilidade de exames de DNA e exumação de corpos, para confirmar a identificação dos restos mortais.

Porém, nesta terça-feira o delegado regional de Ipatinga, Geraldo Magela de Morais, descartou a possibilidade de exumação do corpo do mecânico de manutenção Nivaldo José Lourenço, de 33, cuja família tentou exigir a retirada do cadáver para novo reconhecimento.

O delegado entrou em contato com a equipe de Curvelo, cidade onde foram feitas as identificações dos corpos pelo Instituto Médico Legal e onde correm as investigações sobre o acidente. Nessa conversa, o Morais recebeu a garantia de que os procedimentos foram feitos com segurança.

Caso a família de Nivaldo e os parentes de outras vítimas ainda exijam a exumação, devem recorrer à delegacia de Curvelo. Porém, a família do mecânico já mostrou que desistiu desse assunto.

A expectativa é pelo depoimento do motorista do ônibus Armando Anselmo Faria. Os condutores da carreta e da escolta acusaram o condutor do ônibus de fazer uma ultrapassagem perigosa. Porém, ele só será ouvido quando deixar o Hospital Imaculada Conceição, em Curvelo, onde está internado desde sábado. O motorista passa bem e deve receber alta até o fim desta semana.

Os condutores da carreta e da escolta acusaram o condutor do ônibus de fazer uma ultrapassagem perigosa (Divulgação Corpo de Bombeiros )
Os condutores da carreta e da escolta acusaram o condutor do ônibus de fazer uma ultrapassagem perigosa


O acidente

O ônibus da empresa Conenge, que seguia no sentido Paracatu/Paraopeba, estava atrás de um caminhão de carvão e, no sentido contrário, vinha a carreta, que transportava um imenso tubo de aço. O caminhão de carvão teria saído para o acostamento, para dar passagem à carreta. Interpretando o gesto como um sinal de ultrapassagem, o motorista do ônibus teria seguido para o meio da pista, quando colidiu com a carreta. Com o choque, o tubo invadiu a carroceria do ônibus e a partiu ao meio.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.