SIGA O EM
 col-xs-12

Itambé vive nova fase com a associação com a Vigor

Estratégia da empresa é aumentar a presença da marca no interior de Minas, em regiões como o Sul e o Triângulo Mineiro

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 14/11/2013 16:01 / atualizado em 14/11/2013 16:43

No início, garrafas de vidros retornáveis garantiam a distribuição do leite Itambé, que chegava às mesas das famílias mineiras. O tempo passou e com ele surgiram o leite em saquinho plástico, em lata, em caixinha e mais uma gama enorme de produtos. Tudo fruto da modernização da então cooperativa criada em 1948, que se consolidou como a maior empresa de laticínios do estado e a terceira do país, segundo índice de 2012 da Associação Leite Brasil. Este ano, a sociedade firmada com a Vigor Alimentos, responsável por um aporte de R$ 410 milhões, garantiu à sócia 50% das ações, iniciando um novo ciclo na empresa mineira, que estreia na lista geral das marcas mais prestigiadas em Minas, despontando em nono lugar no ranking geral.

A conquista é invejável. No resultado do ano passado a Itambé estava em 19ª lugar entre as 72 marcas pesquisadas e em sexto na lista das empresas com sede no estado – posição também alterada, passando para segundo lugar. Os novos investimentos, utilizados para fortalecer a estrutura de capital e contribuir para o crescimento da companhia, vão muito provavelmente fortalecer ainda mais a presença da empresa no estado e em nível nacional, mas, por enquanto, segundo o assessor de Relações Institucionais, Ricardo Cotta, o posicionamento de mercado continua o mesmo de antes da operação com a Vigor. A associação resultou numa mudança importante: a Itambé deixou de ser uma cooperativa e passou a atuar como uma S/A (sociedade anônima). “O maior diferencial é a empresa passar a usar dos mesmos instrumentos de mercado das concorrentes. Trabalhamos como duas empresas independentes, o que mudou foi a gestão”, assinala Cotta.

DISPARADA A empresa, que estampa em sua comunicação o orgulho de ser “100% brasileira”, continua forte em sua vocação mineira. Este é um dos motivos apontados por Cotta para o prestígio da marca no estado. “Apesar de a Itambé estar presente em praticamente todo o país, sua identificação com Minas é maternal, pois é seu berço. O estado, que é o maior produtor de leite do país, traz em sua raiz uma cultura laticinista e a Itambé fez parte dessa história como protagonista”, ressalta Cotta.

O estreitamento do vínculo da Itambé com sua própria origem, justifica o gerente de Planejamento Comercial e Marketing, Reinaldo Borges Araújo, é a razão para a disparada da empresa na pesquisa de avaliação das marcas em Minas. “Buscamos aumentar cada vez mais a nossa presença, principalmente no interior de Minas, especialmente no Sul do estado e no Triângulo Mineiro, que sofrem uma forte influência do mercado paulista. Expandimos o nível de serviço e atendimento em cidades com menor acesso, por meio de uma nova estrutura comercial e de atendimento logístico”, explica.

ORIGEM Há 65 anos no mercado, a Itambé surgiu quando seis cooperativas do interior de Minas se uniram por meio de uma central para assumir a distribuição de leite pasteurizado na região da Grande Belo Horizonte. Tudo começou com o arrendamento da Usina Central de Leite da Secretaria de Estado da Agricultura. Hoje, cinco fábricas, sendo quatro em Minas e uma em Goiás, dão conta da produção. No total, são mais de 3 mil colaboradores diretos e cerca de 7 mil fazendas produtoras de leite reunidas em mais de 30 cooperativas associadas que geram diversos empregos indiretos.

Ao gosto do consumidor

Leite in natura ou em pó, manteiga, iogurtes, bebidas lácteas... A Itambé, posicionada no segundo lugar do ranking que avalia as marcas com sedes em Minas, tem mais de 100 tipos de produtos, entre linhas de sabores, que se tornaram há décadas parte da alimentação dos mineiros. “Tradição e confiança que não foram construídas de uma noite para o dia. O que destaca a Itambé neste relacionamento com o cliente é, sem dúvida, o total respeito, buscando sempre entregar o melhor produto, fabricado com as melhores práticas de garantia da qualidade, a um preço justo. E é exatamente isto que o consumidor mineiro mais preza”, ressalta o assessor de Relações Institucionais, Ricardo Cotta.

Juntas, as linhas de produtos da Itambé somaram, em 2012, aproximadamente 400 mil toneladas vendidas no país e o faturamento da empresa superou os R$ 2 bilhões. Em seu planejamento, a empresa espera crescimento de 13% em 2013. Na busca pelos resultados, linha de produção e marketing caminham lado a lado. De acordo com o gerente de Planejamento Comercial e Marketing, Reinaldo Borges Araújo, todos os lançamentos estão embasados nos preceitos de qualidade.

“Só colocamos um novo produto no mercado após efetuarmos pesquisa de aceitação pelos consumidores, em Minas e em outros estados, e ter a garantia de que o nosso seja o melhor. Se a aceitação não for boa, muda-se a composição para se adaptar ao gosto do consumidor”, diz Araújo, lembrando que todas as campanhas publicitárias da empresa são alinhadas com esses valores por meio de produtos diferenciados.


MAIS PERTO Em 2013, uma das novidades foi a implantação do canal de vendas “Porta a Porta” em Minas, Rio de Janeiro e Goiás, para atender consumidores localizados em regiões com menor acesso logístico. Em agosto, a empresa apresentou ao mercado o iogurte Grego Itambé. Até dezembro, o produto será alvo de maior divulgação, com campanhas de degustação nas principais redes de supermercados e veiculação de peças publicitárias que apelarão para conceitos de prazer e indulgência, já que o produto tem sabor e cremosidade superiores aos iogurtes tradicionais.

Atuações responsáveis

A Itambé tem desde 2010 uma Gerência de Sustentabilidade específica para coordenar sua atuação social e ambiental. Não à toa, os mineiros deram à marca o nono lugar na categoria melhores em responsabilidade social e ambiental. Entre os projetos da área está o de reciclagem de toda a água gerada no processo produtivo do leite condensado e do leite em pó, garantindo a reutilização e a economia da extração do recurso na natureza.

Já a iniciativa “Cooperativismo Sustentável” possibilitou a geração de emprego e renda para uma associação de catadores de recicláveis em Pará de Minas, no Centro-Oeste do estado, além da destinação segura e adequada dos resíduos recicláveis gerados. Entre outras atuações, a empresa mantém o inventário de carbono da sua cadeia produtiva.

“Com o objetivo de demonstrar o seu compromisso com o meio ambiente e a preocupação com as mudanças climáticas, a companhia foi pioneira no lançamento de produtos lácteos carbono neutro (UHT e leite condensado) no mercado brasileiro”, ressalta o assessor de Relações Institucionais da Itambé, Ricardo Cotta. Esses produtos tem toda a emissão de carbono gerada no processo produtivo neutralizada pelo plantio de árvores. Do ponto de vista social, a Itambé ainda contribui com projetos como o programa Mesa Brasil do Sesi Minas (Serviço Social da Indústria) e o Movimento Minas Solidário.
Tags:
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600