SIGA O EM
 col-xs-12

2º Lugar em Minas

Pra lá das montanhas

Cemig mantém estratégia de crescer pelo país e no exterior, mas garante que os valores de sua origem são a base para conquistar reputação

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 29/11/2012 11:55 / atualizado em 29/11/2012 14:46

ARQUIVO EM

A Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) tem negócios e ativos em 23 estados brasileiros e também no Chile. Suas ações são negociadas nas bolsas de valores de São Paulo, Nova York e Madri, reunindo 114 mil acionistas em 44 países. Em 60 anos de história, completados em 2012, a companhia ganhou o mundo, mas faz questão de manter suas raízes no estado. “A Cemig foi obrigada a crescer, sair das divisas de Minas, conquistar mercados, por uma questão estratégica, de sobrevivência. Ou fazíamos isso ou seríamos absorvidos por algum outro grupo”, diz o diretor de Relações Institucionais e Comunicação, Luiz Henrique Michalick.

Entretanto, ele assinala que a estratégia sempre incluiu “a manutenção dos valores que norteiam o povo de Minas Gerais”. “O mineiro é respeitado por sua seriedade, integridade, honestidade, pelo espírito conciliador e outros atributos que são fortes para a composição de uma marca e reputação de uma organização”, ressalta. No estado, a Cemig responde por 96% da área de concessão, com mais de 7 milhões de consumidores, em 774 municípios.

Criada na década de 1950 pelo então governador de Minas Gerais e depois presidente da República, Juscelino Kubitscheck, a segunda colocada no ranking das marcas mais prestigiadas em Minas e 11º no ranking nacional construiu em seis décadas uma sólida relação de confiança e respeito com a população, fortalecida pelo importante papel desempenhado no desenvolvimento socioeconômico do estado.

“Originalmente, a Cemig seria apenas uma holding para reunir as diversas centrais elétricas e construir usinas que pudessem dar suporte ao plano de JK. A empresa, contudo, foi além e passou a assumir a distribuição de energia em vários municípios, levando eletricidade para a periferia, para o campo e para as indústrias. Ela sempre se mostrou aberta a dialogar com todos os agentes da sociedade de Minas e nunca fugiu da responsabilidade de buscar um serviço de qualidade para a população”, explica o diretor de Relações Institucionais e Comunicação.

Na Cemig, a gestão da marca é feita a partir das diretrizes da Superintendência de Comunicação Empresarial e envolve todos os segmentos do grupo. A companhia segue a máxima de que construir uma marca de reputação forte é dever de todas as áreas e de todos os empregados: “Essa é a mensagem que procuramos passar, e temos tido êxito. Não adianta termos uma comunicação forte e estruturada e não ter nossos colaboradores cientes de que devem atender bem os nossos clientes”, afirma Michalick. A companhia, que investe R$ 25 milhões em comunicação anualmente, mantém um comitê de marca e reputação.

A excelência no trabalho de branding desempenhado pela Cemig ajudou a companhia a se tornar um dos mais sólidos e importantes grupos do segmento de energia elétrica do Brasil. Além de ser reconhecida pela sua dimensão e competência técnica, a empresa tem se destacado na economia global pelo compromisso com a sustentabilidade. Há 13 anos consecutivos, a Cemig está na seleta lista de empresas do Dow Jones Sustainability World Index (DJSI World), mantendo-se como a única do setor elétrico da América Latina a fazer parte desse índice desde a sua criação, em 1999.

Não à toa, a empresa alcançou a quarta posição na dimensão responsabilidade social e ambiental na pesquisa “Marcas mais prestigiadas em Minas”. “O investidor, os fornecedores, acionistas, clientes e a sociedade admiram sempre as empresas sustentáveis. Procuramos, assim como a questão da marca e da reputação, passar para os nossos colaboradores a importância de atuarmos para ter uma Cemig sustentável”, conclui Michalick.


DEDO DE PROSA COM LUIZ HENRIQUE MICHALICK
Diretor de relações institucionais e Comunicação da Cemig

Sustentabilidade reforça a marca

Como a Cemig trabalha a marca no país?
A nossa marca é trabalhada nacionalmente de forma equilibrada. Se adquirimos ativos em outros estados, apresentamos os nossos valores, mas respeitamos os atributos das empresas que adquirimos. Não somos ainda uma marca forte nacionalmente, mas isso ocorrerá de forma gradual, afinal atuamos no setor de utilities, segmento que não precisa, necessariamente, ter uma marca forte comercialmente.

Como o trabalho de branding contribui para o desempenho das ações da companhia nas bolsas de valores?

Em todas as comunicações que fazemos com os novos investidores, seja na Bolsa de Nova York, Madri ou de São Paulo, procuramos posicionar a marca da Cemig inserida com os seus valores. Claro que apenas ter uma marca forte não basta, a empresa precisa ter uma governança firme, comunicar-se bem e de forma clara com os investidores para se posicionar no mercado internacional.

Em tempos de novas mídias e de redes sociais, como a Cemig trabalha a proximidade e a transparência com seus consumidores?
Acompanhamos on-line o movimento de nossos clientes, parceiros e fornecedores e procuramos atuar de forma ágil quando detectamos algum tipo de problema. Como fornecedora de um serviço de utilidade pública, vemos a Cemig como parte integrante e viva da sociedade. Qualquer movimento interfere de forma positiva ou negativa nas dimensões que formam a marca e a reputação da empresa. Entendemos que precisamos avançar ainda mais e estamos trabalhando para isso, tornando o nosso site mais amigável, buscando tornar a nossa agência virtual mais visitada e atuando em outras formas e meios para esclarecer, tranqüilizar e informar os nossos consumidores.
Tags:
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600