SIGA O EM

Governo defende que ajuste em análise de reprovações impactou negativamente nota

Para secretária, Ideb abaixo da meta nas séries finais do ensino fundamental e no médio na rede pública de Minas Gerais é resultado de mudança na computação de alunos reprovados

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1071189, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Beto Novaes/EM/DA Press - 30/6/16', 'link': '', 'legenda': 'De acordo com Maca\xe9 Evaristo, reprova\xe7\xe3o de 2014 e 2015 foram somadas, o que impactou os \xedndices', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/09/10/802650/20160910112509361612e.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}]

postado em 10/09/2016 06:00 / atualizado em 10/09/2016 11:27

Márcia Maria Cruz

Beto Novaes/EM/DA Press - 30/6/16
O desempenho insuficiente da rede pública estadual de Minas no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) nos anos finais do ensino fundamental, de 4,5 quando a meta era 4,8, e no ensino médio, de 3,5 quando a meta era 4,4, é efeito da forma como os estudantes em recuperação passaram a ser registrados em 2015. A afirmação foi feita pela secretária de Educação, Macaé Evaristo, em entrevista coletiva, na tarde de ontem na Cidade Administrativa. Segundo a secretária, antes era permitido aos estudantes em dificuldade com as disciplinas fazerem a recuperação até fevereiro do ano seguinte. Ao término desse processo de ajustamento, ele era aprovado ou não.

Por isso, de acordo com a secretária, foram computadas reprovações que seriam de 2014 no ano de 2015, o que impactou de forma negativa a média final. A mudança foi autorizada pela Resolução 2.807, de 29 de outubro de 2015, que prevê que as reprovações sejam contadas no ano vigente. Segundo Macaé, era necessário fazer o ajuste em algum momento e os dados de anos anteriores não eram precisos no que se refere às reprovações. “Nos próximos Idebs não teremos distorções”, afirmou. A secretária informou que foram contadas as reprovações de 2015 e 30% de reprovações do ano anterior. O Ideb mede a proficiência dos estudantes em língua portuguesa e matemática, reprovações e índices de evasão.

A secretaria afirmou que a tendência de queda no Ideb é verificada desde 2005 no estado. A matemática foi um dos principais entraves, de acordo com Macaé. Ela afirmou que, no ensino fundamental, a rede pública conseguiu reverter a queda na proficiência em língua portuguesa, mas não teve êxito em matemática. No ensino médio, houve pequena melhora nos indicadores de proficiência em português, mas queda em matemática e aumento na taxa de reprovação. Macaé lembrou que 66% das escolas atingiram as metas do Ideb estabelecidas para 2015. “Nosso estado tem tradição educacional. Não nasce com nossa gestão nem com a gestão passada. Minas sempre foi um bom exemplo para o país na área de educação. Isso foi construído pelas comunidades e trabalhadores da educação, profissionais e famílias que militam nessa pauta”, afirmou a secretária.

Os jovens com idades entre 15 e 17 anos constituem grupo vulnerável na rede pública. Cerca de 14%, nessa faixa etária, não frequentavam a escola em 2015 e 40% deles estavam atrasados. Em vez de cursarem o ensino médio ainda estavam no ensino fundamental. Os dados do Ideb, conforme destaca a secretária, reforçam resultados do Sistema Mineiro de Avaliação (Simave) que apontaram, em 2015, que apenas 4% dos alunos concluintes do ensino médio tinham a proficiência desejada tendo como base o ano letivo de 2014. “Temos 23 mil estudantes, nos anos finais do ensino fundamental, que não sabem ler e escrever. Eles são acompanhados por professores para que concluam a alfabetização e o letramento”, informou Macaé.

A secretária também apontou que a formação de professores e o tempo que eles têm de carreira nas instituições de ensino são outros fatores que ajudam a compreender o desempenho da rede pública estadual. Macaé lembrou que dos 180 mil professores da rede, apenas 60 mil eram efetivos, sendo outros 60 mil designados e outros 60 mil sob a Lei 100. Macaé afirmou que uma ação para mudar o quadro é a contratação de professores. Do ano passado até o momento foram nomeados 30 mil e, até hoje, serão nomeados outros 2,5 mil. Macaé afirmou que a meta é nomear 60 mil profissionais até o fim do mandato. Ela questionou, no entanto, os projetos de lei e proposta de emenda constitucional que restringem a realização de concursos e nomeação de professores. Criticou também a mudança na determinação de repasse de recursos da exploração do pré-sal pela Petrobras à educação. “Os gestores têm que entender que não é possível melhorar a qualidade da educação aprovando projetos que vão congelar os investimentos nos próximos 20 anos”, concluiu.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Alexandre
Alexandre - 10 de Setembro às 21:16
por que meus comentários não são mais publicados? Pela manhã enviei um e até o momento não houve publicação.
 
Alexandre
Alexandre - 10 de Setembro às 10:20
Se eu entendi bem, existia uma "pedalada" no ideb da rede de ensino estadual?
 
comentarista
comentarista - 10 de Setembro às 09:44
%u201CTemos 23 mil estudantes, nos anos finais do ensino fundamental, que não sabem ler e escrever. Eles são acompanhados por professores para que concluam a alfabetização e o letramento%u201D, informou Macaé. Como estes alunos foram aprovados até chegar ao 9º ano? Como foram suas provas de ciencias, história, geografia, lingua portuquesa? Isto não é importante, o que importa são os professores doutrinarem estes alunos que não tem discernimento com questões de ideologia política. Ao invés de criticarem a escola sem partido, critiquem a qualidade do ensino!