SIGA O EM

Justiça nega pedido de advogado e mantém exibição de documentário sobre o Caso Bruno

O advogado do goleiro informou que deve entrar com um recurso para retirar imagens do atleta que estão veiculadas em um site que também vai exibir o documentário

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 19/06/2012 20:30 / atualizado em 19/06/2012 20:54

João Henrique do Vale

A Justiça paulista negou o recurso da defesa do goleiro Bruno Fernandes e manteve a transmissão do documentário “Até que a morte nos separe”, do canal pago A&E, e que também será exibido por um site na noite desta terça-feira. No episódio, que vai ao ar, defesa e acusação do processo sobre o desaparecimento e morte de Eliza Samudio contam suas versões do caso que chocou o país. Em sua decisão, a juíza Patrícia Maiello Ribeiro, da 41ª Vara Cível, cita que “a liberdade de imprensa e de informação assegura o direito à veiculação de toda e qualquer informação de interesse público, cabendo ao meio de comunicação acautelar-se para não se distanciar do “animus narrandi”.

O advogado Eduardo Salles Pimenta, que defende o atleta, havia entrado com uma ação indenizatória com pedido para tentar impedir a veiculação do programa e para retirar de um site as imagens do goleiro. “A decisão da juíza joga a responsabilidade toda para o programa. Se o canal extrapolar as medidas, caso eles falem que o Bruno fez algo, que induza que ele cometeu o crime, o site e o canal terão de pagar indenização”, afirma. Na ação, o defensor pediu uma multa de R$ 100 mil, mais um real de cada assinante do canal e do site.

Eduardo Pimenta deve entrar com um recurso para tentar retirar as imagens do goleiro da página do canal. “O site já vai pagar uma indenização por veicular uma imagem do Bruno sem a autorização. Pois a juíza analisou a questão sob a ótica do programa, pretendo entrar com um agravo de instrumento”, explica o advogado.

O episódio sobre o chamado “Caso Bruno” vai ao ar sob o título “Penalidade Máxima”. Embora o corpo de Elisa nunca tenha sido encontrado, a Prodigo Filmes, produtora da série, considera que ela realmente foi morta e teve o corpo desmembrado. “Crime que chocou o país em virtude da crueldade de seu mandante. A história envolve o assassinato e esquartejamento de Elisa, ex-amante do goleiro Bruno, reconhecido em seu clube, o Flamengo, e cotado para defender a seleção brasileira em 2014”, diz a sinopse.

Os principais depoimentos, segundo a produtora da série, são do jornalista Juca Kfouri, do advogado Cláudio Dalledone, que defenseu Bruno durante a maior parte do processo, do delegado Edson Moreira, que chefiou as investigações, do advogado José Arteiro, que representava a mãe de Elisa, e da delegada Alessandra Wilke, que participou do começo das investigações.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.