A juíza explicou que a audiência é para definição exclusivamente de questões procedimentais, sem qualquer cunho decisório -  (crédito: Juca Varella/Agência Brasil/Arquivo)

A juíza explicou que a audiência é para definição exclusivamente de questões procedimentais, sem qualquer cunho decisório

crédito: Juca Varella/Agência Brasil/Arquivo

A juíza da 1ª Vara Empresarial da Comarca de Belo Horizonte, Cláudia Helena Batista, marcou para a próxima quarta-feira (17/7), às 9h, uma audiência administrativa no âmbito do processo de recuperação judicial das empresas 123 Viagens e Turismo Ltda, MM Turismo & Viagens S.A, Lance Hoteis Ltda, Art Viagens e Turismo e Novum Investimentos e Participações S/A.


A audiência vai acontecer no Fórum Cível e Fazendário - Unidade Raja Gabaglia. Os credores, porém, vão poder acompanhar por uma transmissão no canal da Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes (Ejef).

 

Leia também:123milhas: consumidores lesados podem cobrar valores em novo site


Foram intimados para a audiência as empresas em recuperação judicial, os administradores judiciais - nomeados pelo juízo e os nomeados em segunda instância - e o Ministério Público.

 

 

“Considerando que é inviável e impossível permitir e assegurar a participação de todos os credores interessados e submetidos a esta recuperação judicial, a audiência administrativa será transmitida via YouTube”, determinou a magistrada no despacho.

 

Leia também:123 Milhas: Defensoria Pública lança cartilha com orientações para clientes

 

A juíza ressaltou ainda que o processo “apresenta características particulares que revelam, neste momento processual, a necessidade da designação de audiência administrativa para definição exclusivamente de questões procedimentais, sem qualquer cunho decisório que afete os créditos ou pleitos de credores e terceiros vinculados ao procedimento, bem como que é essencial coordenar os atos processuais necessários ao regular processamento desta recuperação judicial, em razão do número de credores e peculiaridades do caso”.


Até o momento, segundo a justiça, o processo tem 26.967 páginas.