Publicidade

Estado de Minas NOVOS HÁBITOS

Homens jovens preferem videogame a sexo casual, aponta estudo

Diminuição do consumo de álcool e maior acesso à pornografia on-line estão entre os motivos, segundo pesquisa feita nos Estados Unidos


09/04/2021 21:16 - atualizado 09/04/2021 21:54

Estudo feito nos Estados Unidos associa uso do videogame à mudança de hábito entre homens jovens(foto: Pixabay)
Estudo feito nos Estados Unidos associa uso do videogame à mudança de hábito entre homens jovens (foto: Pixabay)
Homens jovens preferem jogar videogame a fazer sexo casual. É o que mostra pesquisa feita pelas Universidades de Rutgers, em Nova Jersey, e Estadual de Nova York, nos Estados Unidos. Cerca de 2 mil homens e mulheres foram entrevistados para o estudo, entre 2007 e 2017. O objetivo era entender as razões da queda na atividade sexual entre jovens. 

A principal causa do desinteresse, detectada pelos pesquisadores, foi a diminuição no consumo de bebida alcoólica. Porém, no caso específico dos homens, jogar videogame aparecia em segundo lugar, com 25% das respostas.

De acordo com a pesquisa, publicada em 22 de março, a proporção dos jovens de 20 a 24 anos, que afirmam não ter feito sexo casual no último ano aumentou de 11,7% para 15,2%. Já entre os homens na faixa etária de 18 a 24 anos, esse aumento saltou de 18,9% para 30,9%. 

Cerca de 1/4 do público masculino atribui a queda à prática de jogar videogame. Segundo os números, a possibilidade de um homem que joga videogame diariamente fazer sexo casual é menos da metade em relação a outro que não joga.

Mudança nos hábitos dos jovens

 
Embora a diminuição do consumo de álcool tenha sido o principal motivo da queda – tanto entre homens, quanto mulheres –, os pesquisadores não conseguiram identificar um segundo fator para o público feminino

O estudo também não encontrou outras evidências que pudessem explicar a queda na atividade sexual entre os jovens, como situação financeira ou uso excessivo de internet e televisão, por exemplo.

Já o fato de ainda morar com os pais afetou apenas 10% dos entrevistados.

O professor do Instituto de Saúde e Sociedade da Universidade de Newcastle, Simon Forrest, comentou a pesquisa e chamou a atenção para mudanças nos hábitos de jovens nos últimos 50 anos.

Para ele, os jovens atualmente formam parcerias de longo prazo mais tarde em suas vidas. Em geral, por volta dos 30 anos.

Além disso, como muitos ainda são dependentes financeiramente da família, isso pode afetar o tipo de relação que desenvolvem.

Forrest ressaltou também um fenômeno que classificou como "pornografização" da sociedade. Ele consiste basicamente no acesso maior à pornografia on-line. Tal fenômeno poderia ter impacto nos relacionamentos.

De acordo com o professor, jovens podem estar preocupados em ter seus corpos "objetificados", ou até mesmo em reforçar atitudes negativas contra mulheres. Outra possibilidade é que teriam menos encontros sexuais porque passam mais tempo assistindo a pornografia.
 
*Estagiária sob supervisão da subeditora Kelen Cristina 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade