Publicidade

Estado de Minas

Google fortalece o combate aos deepfakes com nova tecnologia; veja exemplos

Banco de dados lançado pela empresa vai ajudar a identificar quando um vídeo foi manipulado


postado em 27/09/2019 20:15 / atualizado em 27/09/2019 20:48

(foto: Georges Gobet / AFP)
(foto: Georges Gobet / AFP)
O Google lançou nesta terça-feira (24) uma base de dados para auxiliar no combate aos deepfakes na internet. Para isso, a gigante da tecnologia filmou cerca de 3 mil cenas com atores e aplicou técnicas de deepfake, alterando face e fala. Assim, os dados gerados podem ser usados por ferramentas que detectem a presença de deepfakes em vídeos e imagens.

 

A ideia do banco de dados é treinar ferramentas de detecção de vídeos manipulados e, por meio da inteligência artificial, dar elementos para que estas ferramentas possam identificar de formar mais automatizada os vídeos e imagens suspeitos.

 

Acima, os atores capturados pelo Google. No quadro abaixo, as técnicas de deepfake aplicadas. (foto: ai.googleblog.com)
Acima, os atores capturados pelo Google. No quadro abaixo, as técnicas de deepfake aplicadas. (foto: ai.googleblog.com)
Em parceria com a sua incubadora interna, Jigsaw, o Google lançou a base de dados FaceForensics, aliado à Universidade Técnica de Munique e à Universidade Federico II, de Nápoles. Segundo a empresa, a ideia é produzir boas práticas de inteligência artificial, para diminuir ao máximo os danos e abusos que as novas tecnologias possam causar.

 

"Como esta é uma área que evolui rapidamente, vamos adicionar mais dados constantemente, evoluindo junto com os deepfakes e continuaremos trabalhando com nossos parceiros com este objetivo. Acreditamos que esta base de dados é um passo importante para a comunidade de pesquisa na área", declarou a empresa.

 

O comunicado oficial pode ser encontrado no blog de inteligência artificial do Google e a base de dados completa pode ser baixada na página do FaceForensics no Github.

#praentender

Em reportagem especial do #praentender, publicada em julho deste ano, o Estado de Minas elaborou um vídeo, para explicar do que se tratam os deepfakes e como podem ser identificados.

 

 


Publicidade