Publicidade

Estado de Minas

Professor de BH está entre os 20 selecionados para participar de capacitação em Genebra

Mestrando em astrofísica, Rodrigo Bernadelli vai integrar grupo no Programa Educacional promovido pelo CERN, maior laboratório de física de partículas do mundo


postado em 05/09/2019 15:19 / atualizado em 05/09/2019 18:01

Ex-aluno do ITA, Rodrigo Bernadelli é diretor de Ensino do Grupo Olimpo, formado em física pela UFSC e é aluno de mestrado em astrofísica na USP(foto: Arquivo Pessoal)
Ex-aluno do ITA, Rodrigo Bernadelli é diretor de Ensino do Grupo Olimpo, formado em física pela UFSC e é aluno de mestrado em astrofísica na USP (foto: Arquivo Pessoal)
O professor de Belo Horizonte Rodrigo Bernadelli foi selecionado para integrar o grupo de brasileiros selecionados para participar da capacitação no Programa Educacional promovido pela Organização Europeia (CERN, sigla em francês), responsável pelo maior laboratório de física de partículas do mundo. De acordo com Rodrigo, a seleção é bem criteriosa. “Durante a seleção, é feita análise de histórico, currículo lattes, participações em feiras e congressos, além do histórico em sala de aula”, explica. Para o mestrando em astrofísica na USP, essa é uma oportunidade única. “A sensação é fantástica, maior centro de pesquisa de partículas do mundo, além da chance de aprender com os maiores pesquisadores do mundo”, conta.

Da Europa para o Brasil. Rodrigo pretende passar todo conhecimento obtido durante a capacitação para seus alunos. “Quero levar essa experiência para a sala de aula brasileira, empolgar o aluno ao mostrar uma realidade muitas vezes distante”, exemplifica. O professor também relata que o conteúdo estudado durante a capacitação é novidade no Brasil. “Hoje, no nosso país, a apresentação da física moderna é feita sobre a relatividade restrita e física quântica, assuntos da década de 20/30, relata. “Já aqui, estamos aprendendo acontecimentos da década de 60 a 90, e, hoje, é fronteira de pesquisa, como o modelo padrão das partículas, as supersimetrias, ideais que os alunos acabam conhecendo somente por meio de revistas. São ideias discutidas em sala de aula em países europeus, de primeiro mundo, países com altíssimo nível de educação e o objetivo é levar isso para sala de aula do aluno brasileiro”, finaliza.

A capacitação do CERN começou em 28 de agosto e vai até o dia 8 deste mês. Os brasileiros selecionados estão na Europa junto com professores de escolas secundárias portuguesas, de aulas de física de partículas, e contam com sessões experimentais e visitas aos laboratórios do CERN, na Suíça, incluindo o maior acelerador de partículas em atividade, o grande colisor de prótons LHC. A Escola de Física CERN é uma realização da SBF em colaboração com a Rede Nacional de Física de Altas Energias (Renafae) e o São Paulo Research and Analysis Center (Sprace).


Publicidade