Publicidade

Estado de Minas

Saiba o que fazer agora que você está sem WhatsApp

Não precisa descabelar sem acesso ao aplicativo de bate-papo. Há outras opções na internet e a alternativa de driblar a proibição


postado em 02/05/2016 13:50 / atualizado em 02/05/2016 14:37

(foto: Reprodução/internet)
(foto: Reprodução/internet)

Com a determinação de novo bloqueio do WhatsApp, desta vez por 72h, muitos usuários de smartphones estão sem saber o que fazer para se comunicar com amigos, parentes e no trabalho.

Não é preciso desesperar. Há duas alternativas. Baixar outros aplicativos que oferecem serviço semelhante ou usar uma VPN para seguir usando o próprio WhatsApp.

Outros aplicativos

A internet tem uma série de aplicativos que funcionam como o WhatsApp. Veja aqui algumas dicas.
os alternativos

Messenger: é do Facebook. Pode-se fazer chamadas pelo ícone de telefone por voz ou imagem. Mas o bate-papo por texto é o mais usado.

Telegram: foi o aplicativo de bate-papo mais baixado quando a Justiça brasileira proibiu o WhatsApp pela primeira vez. Usa stickers em vez de emoticons para ilustrar as conversas, que ficam todas criptografadas, uma forma de proteger os diálogos. Não tem chamadas por telefone.

Skype: troca mensagens de texto e vídeo em grupo ou individualmente. O uso dessa ferramenta não é restrita a smartphones, pode-se usar também em desktops, por exemplo.

Viber: faz chamadas telefônicas grátis para a lista de contatos no celular e envia mensagens instantâneas.

VPN

VPN é uma sigla, em inglês, para “Rede Virtual Privada”. A ferramenta permite criar uma rede de comunicações entre computadores e outros dispositivos com acesso restrito. Com isso, um usuário pode continuar usando o WhatsApp, mesmo com a proibição judicial.

Mas há um detalhe importante para quem se atreve a usar uma VPN. O proprietário da rede pode ter acesso às suas comunicações e, basicamente, a tudo o que o usuário faz na internet. Portanto, muito cuidado na hora de escolher. Uma busca no Google indica várias VPNs gratuitas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade