Publicidade

Estado de Minas

Versão atualizada do Google Tradutor encanta usuários em BH

Aplicativo faz a conversão de seis idiomas para o inglês, inclusive o português, por meio de imagens. Uma grande vantagem é não precisar de rede wi-fi


postado em 20/01/2015 11:09 / atualizado em 20/01/2015 11:17

Usuário do smartphone como aplicativo aciona o ícone da câmera fotográfica para ter a facilidade à mão(foto: Cristina Horta/EM/D.A Press )
Usuário do smartphone como aplicativo aciona o ícone da câmera fotográfica para ter a facilidade à mão (foto: Cristina Horta/EM/D.A Press )
Saber escolher um prato saboroso em um cardápio escrito em russo, ser capaz de entender o que diz uma placa em alemão ou ler, nos museus, as explicações em inglês. O mundo dos viajantes e dos interessados em idiomas virou de pernas para o ar na última semana, quando a gigante da internet liberou a versão atualizada do seu aplicativo Google Translate (Google Tradutor). Com capacidade de traduzir frases por meio de imagens, o recurso assustou quem o conheceu e animou aqueles que não são fluentes em inglês, já que, por enquanto, a versão está disponível para traduzir do inglês para outros idiomas, e vice-versa. Para a novidade, considerada mágica por muitos, é preciso um smartphone em mãos para que a tradução seja instantânea, porém, como qualquer tecnologia, ainda há falhas que frustram aqueles que acharam ser possível ‘se virar’ em qualquer país sem ser fluente no idioma local.


Assim que o aplicativo foi lançado – gratuito para celulares que operam com Android ou Apple –, o Estado de Minas foi às ruas testá-lo. Para a maioria dos entrevistados, o recurso é mesmo surpreendente e será útil nas viagens internacionais daqui pra frente. Porém, para os turistas que aqui estavam, a novidade não ajudou muito, principalmente quando os textos eram escritos à mão. Além disso, para o estrangeiro que não é fluente em inglês e precisava de uma tradução do português para a sua língua materna, o aplicativo não funciona, já que só traduz para o inglês.

Uma das grandes vantagens para usar essa tradução instantânea é que não é necessária a rede de wi-fi: o sistema funciona mesmo sem internet local ou do ambiente, evitando, assim, gastos com serviços de telecomunicações. Para usá-lo, o usuário tem que baixar o aplicativo para o smartphone (quem já o tem, basta conferir se está atualizado) e, em seguida, abrir o programa, que vai orientá-lo. Na tela principal, é possível escolher as traduções – são, por enquanto, seis idiomas disponíveis que podem ter a tradução para o inglês: italiano, alemão, francês, russo, espanhol e português.

Capa do EM de ontem traduzida pelo app: ainda há erros, como a palavra estrelas, que ficou em português (foto: Luciane Evans/EM/D.A PRESS )
Capa do EM de ontem traduzida pelo app: ainda há erros, como a palavra estrelas, que ficou em português (foto: Luciane Evans/EM/D.A PRESS )

Ainda na tela principal da ferramenta, há o ícone câmara, que, ao ser selecionado, é similar à tela de fotos do celular. Basta, então, apontar o aparelho para cartazes, cardápios, receitas, livros e, na teoria, você terá a tradução em tempo real, como se a leitura do aparelho fosse aquela que o usuário escolheu. “O recurso não é novidade, já existia um aplicativo que fazia o mesmo”, comenta o especialista em marketing digital, Santana Dardot. Ele se refere ao Word Lens, que tinhas as mesmas funções e capacidade, porém, o Google adquiriu o sistema no ano passado quando comprou o Quest Visual, um empreendimento fundado pelo programador de informática Otávio Good.

O Word Lens usa o modo de vídeo das câmeras dos smartphones para escanear cenas, identificar texto escrito e depois projetá-lo como se estivesse escrito em inglês. Segundo Santana, é justamente no “escanear” que está a mágica para a tradução instantânea. “A tecnologia usada nesses casos é a mesma que se usava quando escaneávamos um texto e ele reconhecia as palavras”, comenta.

FALHAS

Segundo o especialista, no caso dos aplicativos, a câmera de celular capta a imagem, e o software reconhece as palavras e, a partir disso, faz adaptações. Porém, no teste do EM, os entrevistados apontaram que, em muitos casos, o aplicativo não lia os escritos mais simples, como ocorreu com a norte- americana Hemter Dolstra, que passeava pelo Mercado Central, na capital mineira, e topou testar a novidade, a pedido da equipe de reportagem. O interesse dela era traduzir o que diziam as placas dos comerciantes do Mercado Central. Porém, como a maioria é escrita à mão, como aquelas com nomes de frutas, a tecnologia não reconheceu as palavras. “Seria útil se pudesse nos ajudar nesse mercado, porque tem muitos nomes que desconhecemos. Para mim, não funcionou”, comentou Hemter.

De acordo com Santana Dardot, é possível que o erro ocorra porque há várias tipografias diferentes. “Algumas têm o desenho muito semelhante, como é aquela do zero e do o, ou do I e do L”, diz. Para o especialista, quando isso ocorre e o sistema não lê, ele tenta buscar palavras parecidas. “É uma tecnologia que vai se desenvolvendo a partir do uso das pessoas e vai se aprimorando. Trata-se de algo evolutivo”, afirma.

Tomás Duarte, empresário da Tracksale, empresa especializada em ferramentas para gestão de pesquisa de satisfação de consumidores por meio de tecnologia, testou o aplicativo em seu escritório e escreveu à mão frases que foram traduzidas pelo aplicativo. “Acredito que, para a tradução, o aparelho de celular também deve ser novo e atualizado”, diz, acrescentando que o Google deve ter priorizado alguns idiomas, para, mais adiante, inserir outras línguas, sem ser o inglês, como ferramenta.

O empresário conta que sempre usou o Google Goggles, um outro aplicativo que traduz um escrito por meio de uma foto tirada. “Toda essa tecnologia é espantosa e, para quem não entende, inacreditável. E, diferentemente do que se imagina, as pessoas não vão parar de estudar línguas por causa dessas ferramentas. Elas terão, inclusive, mais vontade de aprender para agilizar esse tipo de experiência”, avalia. Para Santana Dardot, independentemente das falhas, ao oferecer às pessoas a possibilidade de tradução ao vivo, é algo inovador. “Vai ser muito útil naqueles países onde a escrita é com ideogramas, já que as variações não são tantas e os tipos de fontes semelhantes”, pontua.


CONHEÇA OUTROS APLICATIVOS DE SMARTPHONE QUE AJUDAM NO IDIOMA
Word Lens

» Disponível para Android e iOS, o Word Lens é um dos aplicativos mais populares do gênero. O usuário precisa só direcionar a câmera do seu aparelho diretamente para o texto que deseja traduzir. Automaticamente, uma camada com a tradução se sobrepõe à imagem, sem alterar seu perfil original. Há compatibilidade nativa com diversos idiomas.

Translator Speak & Translate
» Além de detectar idiomas de forma automática, o Translator Speak & Translate usa os serviços do Google e da Microsoft como base de dados. Frases e palavras salvas nos favoritos podem ser acessadas mesmo com o dispositivo off-line. Disponível para Android, o app conta com uma versão grátis e outra paga. Na mais completa delas, é possível escolher o servidor de tradução, melhorar o vocabulário e checar a pronúncia.

iTranslate
» O iTranslate é um dos apps desta categoria mais baixados na App Store. Ele é compatível com nada menos que 42 idiomas. Além disso, o iTranslate oferece conectividade com outros dispositivos por meio de um recurso chamado AirTranslate. Há compatibilidade ainda com serviços como e-mail, SMS, Twitter e Facebook. Há versões pagas e gratuitas.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade