Publicidade

Estado de Minas

Cidade chinesa de Guiyu recicla lixo eletrônico do mundo todo


postado em 29/10/2014 10:39 / atualizado em 29/10/2014 10:47

Equipamentos são desmontados em oficina de Guiyu para reciclagem(foto: AFP PHOTO / JOHANNES EISELE )
Equipamentos são desmontados em oficina de Guiyu para reciclagem (foto: AFP PHOTO / JOHANNES EISELE )
 

GUIYU - A cidade chinesa de Guiyu, que recebe lixo eletrônico de todo o mundo para reciclá-lo, emprega dezenas de milhares de pessoas, com um custo ambiental extremamente alto.

A contaminação por metais pesados tornou tóxicos o ar e a água e as crianças têm altos níveis de chumbo no sangue, segundo estudo feito por cientistas da Universidade Médica de Shantou.

"Antes, mandavam para nós o lixo de outras partes do mundo para a China. Esta era a principal fonte (de resíduos) e o principal problema", disse Ma Jun, diretor de uma das principais ONGs ambientalistas, o Instituto de Assuntos Públicos e Ambientais.

"Mas agora, a China se tornou uma potência consumidora por si só", acrescentou.

"Penso que temos 1,1 bilhão de celulares usados e a vida destes aparelhos é cada vez mais curta", afirmou. "Isto vai trazer um grande problema", acrescentou.

Segundo cifras da ONU, a China gera seis milhões de toneladas de rejeitos eletrônicos por ano; os Estados Unidos, 7,2 milhões, e o mundo inteiro, 48,8 milhões.

Trabalhadores descarregam caminhão com lixo eletrônico(foto: AFP PHOTO / JOHANNES EISELE )
Trabalhadores descarregam caminhão com lixo eletrônico (foto: AFP PHOTO / JOHANNES EISELE )

Em Guiyu, a capital da reciclagem tecnológica da China, esta indústria emprega pelo menos 80.000 moradores desta cidade de 130.000 habitantes.

Em um depósito mal iluminado, montes de controles remoto cobrem o chão. Mulheres sentadas em tamboretes de plástico abrem os aparelhos eletrônicos como se fossem ostras, procurando placas de circuitos.

Em uma ruela, a centenas de metros dali, pai e filho, originários de uma província distante, lavam os microchips em recipientes de plástico, enquanto homens descarregam com uma pá telefones velhos e teclados de computador de um caminhão.

A cada ano, a cidade processa mais de 1,6 milhão de toneladas de lixo tecnológico, gerando ganhos no valor de 600 milhões de dólares ao ano, o que atrai migrantes de várias partes da China.

Mas esta atividade é muito irregular e tem um alto custo ambiental. Os resíduos resultantes são lançados em um rio próximo e o ar fica saturado de fumaça da combustão de plásticos, circuitos e produtos químicos.

"As pessoas consideram que não se deve permitir que isto continue", avaliou Leo Chen, funcionário do setor de finanças de 28 anos, que cresceu em Guiyu.

"Lembro que na frente da minha casa tinha um rio. Era verde e a água era clara e bonita", relatou. "Agora, é preta", lamentou.
(foto: AFP PHOTO / JOHANNES EISELE )
(foto: AFP PHOTO / JOHANNES EISELE )

Lai Yun, um pesquisador do grupo ambientalista Greenpeace, que visitou Guiyu em várias oportunidades, diz que o governo chinês reforçou a legislação para proteger o meio ambiente, mas as normas vigentes não são aplicadas com rigor.

Para o governo de Pequim, em hipótese alguma se pode atravancar o desenvolvimento.

"Do ponto de vista do governo, coletar os resíduos eletrônicos e processá-los é importante para a economia local", declarou Lai.

"Segundo estudos, 80% dos lares participam da atividade. Por fim, se esta indústria não se desenvolver, estes habitantes precisarão de outro tipo de trabalho", acrescentou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade