Publicidade

Estado de Minas

Fapesp investe US$ 40 milhões para garantir uso de telescópio a brasileiros

GMT, o maior telescópio dos últimos tempos, será instalado nos Andes chilenos


postado em 25/10/2014 11:00 / atualizado em 27/10/2014 11:28

Aparato servirá também para atender à demanda cada vez maior nas pesquisas relacionadas ao bigue-bangue, a exoplanetas e à energia escura(foto: GMT/Divulgação)
Aparato servirá também para atender à demanda cada vez maior nas pesquisas relacionadas ao bigue-bangue, a exoplanetas e à energia escura (foto: GMT/Divulgação)

Quando crianças, sempre tivemos aquela curiosidade intrínseca ao espaço sideral. Que atire a primeira rocha lunar quem nunca sonhou na vida ser um astronauta e vagar pelo infinito. Posto isso, o imaginário do ser humano, desde a Grécia Antiga, sempre nos levou a estudar e a tentar desvendar os mistérios do universo (ou multiverso, para alguns cosmólogos e teóricos quânticos). A nossa inquietude nos levou a desbravar o céu e também a observá-lo, mesmo que de longe. Para tal, gigantescos apetrechos foram construídos, a fim de podermos vislumbrar melhor a vastidão além do alcance do olho nu. Um desses é o Giant Magellan Telescope (GMT), que será utilizado – em parceria com outras 10 instituições internacionais – por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP). O instrumento está sendo construído nos Estados Unidos, mas será devidamente instalado nos Andes chilenos.

Processo de construção do Gian Magellan Telescope (GMT), nos Estados Unidos. Frutos começarão a ser colhidos entre 2029 e 2030(foto: RAY BERTAM/UNIVERSITY OF ARIZONA/DIVULGAÇÃO)
Processo de construção do Gian Magellan Telescope (GMT), nos Estados Unidos. Frutos começarão a ser colhidos entre 2029 e 2030 (foto: RAY BERTAM/UNIVERSITY OF ARIZONA/DIVULGAÇÃO)
Para a participação no projeto, membros da comunidade científica da universidade apresentaram a proposta à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) em outubro de 2011. Depois de parecer favorável por parte do conjunto internacional, formado por universidades da Austrália, Estados Unidos e Coreia do Sul, a instituição pública fez um investimento de 40 milhões de dólares, com o intuito de garantir 4% de uso do GMT. “Nosso tempo será usado pelos pesquisadores de qualquer instituição do estado de São Paulo e os projetos serão avaliados por uma comissão técnica de alto nível, seguindo as melhores práticas internacionais. A decisão da Fapesp de financiar nossa participação no GMT se reveste da maior importância para garantir a excelência na pesquisa para a próxima geração de cientistas”, comenta João Evangelista Steiner, professor do Instituto de Astronomia e Geofísica (IAG) da USP.

O fatiar dos investimentos e do tempo de uso se dá graças à magnitude do projeto. Vale destacar que, atualmente, os maiores telescópios ópticos têm espelho de oito metros de diâmetro e o GMT terá um espelho de 25 metros, segmentado em sete círculos de 8,4 metros de diâmetro cada. Por isso, para se ter o megatelescópio em pleno funcionamento há de se gastar bastante e o orçamento total fica na casa de 1 bilhão de dólares. Muito dinheiro se traduz num projeto revolucionário. “O GMT terá uma área coletora de luz quase 100 vezes maior do que o telescópio espacial Hubble e uma nitidez 10 vezes melhor quando operado no infravermelho. A capacidade de atuar com óptica adaptativa fará deste um telescópio revolucionário”, destaca Steiner. Um aparato dessa magnitude servirá para atender à demanda cada vez maior nas pesquisas relacionadas ao bigue-bangue, a exoplanetas e à energia escura. Quanto à construção, o Giant Magellan Telescope está dentro do cronograma, dividido em três etapas.

Atuação brasileira
O GMT começará a operar em 2021 e os pesquisadores creem que os primeiros frutos serão colhidos entre 2029 e 2030. Por causa desse longo gap para a obtenção de resultados, foi crucial a entrada com antecedência dos pesquisadores brasileiros no projeto. “Se quisermos continuar a ser players internacionais nessa área, temos que tomar as decisões críticas agora”, afirma o professor. Atualmente, o Brasil é consorte em dois projetos similares. “O país já é sócio de dois consórcios internacionais muito importantes. O Gemini consiste em dois telescópios com espelhos de oito metros, um localizado no Havaí e outro nos Andes chilenos, e temos 6,5% do tempo de ambos. O segundo é o Soar, localizado ao lado do Gemini Sul, com espelho de quatro metros e do qual temos 34%”, ressalta Steiner.

Os consórcios Gemini e Soar foram financiados tanto pelo Ministério da Ciência e Tecnologia quanto pela Fapesp. O processo operacional está a cargo do Laboratório Nacional de Astrofísica (LNA), com sede em Itajubá, na Região Sul de Minas Gerais. O LNA também gerencia o Observatório do Pico dos Dias, entre Brazópolis e Piranguaçu, e a 1.864 metros de altitude.

A evolução
Equipamento, que começará a operar em 2021, terá um espelho de 25 metros, segmentado em sete círculos de 8,4 metros de diâmetro cada(foto: GMT/Divulgação )
Equipamento, que começará a operar em 2021, terá um espelho de 25 metros, segmentado em sete círculos de 8,4 metros de diâmetro cada (foto: GMT/Divulgação )
Para atender às infindáveis e cada vez mais aprofundadas pesquisas, a tecnologia tem de se aperfeiçoar constantemente. Os megatelescópios consistem num advento que servirá para atender às novas exigências. Além do GMT, estão em construção, no momento, o Telescópio de Trinta Metros (TMT), que terá espelho de 30 metros de diâmetro, e o dantesco European Extremely Large Telescope (E-ELT) com suntuoso espelho de 40 metros de diâmetro. A tríade, certamente, contribuirá bastante com os trabalhos realizados pelos pesquisadores. O TMT terá sede no Havaí, enquanto o E-ELT ficará no Chile, mais especificamente no Cerro Armazones – montanha localizada a sudoeste da região de Antofagasta.

Todavia, há menos de 40 anos, as dimensões eram muito mais “modestas”. Na década de 1980, houve um boom de telescópios de quatro metros, como o Ukirt e o CFHT (ambos no Havaí). Nos anos 1990, o diâmetro dobrou com os supracitados Gemini, os Kecks (localizados no Havaí) e os VLTs, no Chile, grupo de quatro telescópios inaugurados há 16 anos, cada um com espelho primário de 8,2 metros de diâmetro. Eles consistem no maior conjunto de telescópios ópticos do mundo atualmente e podem funcionar de maneira independente ou combinada. Antu, Kuyen, Melipal e Yepun ficam no Cerro Paranal, no Deserto do Atacama.

Coração parado traz novo alento aos transplantes
Médicos do Hospital Saint Vincent’s, de Sydney, anunciaram ontem que conseguiram transplantar corações que haviam deixado de bater, um avanço que pode revolucionar o mundo da doação de órgãos. Até agora, eram utilizados apenas corações que permaneciam com batimentos, procedentes de doadores com morte cerebral. Mas os cirurgiões conseguiram desenvolver uma técnica para “ressuscitar” órgãos que estavam parados por até 20 minutos. “Sabíamos que durante um certo tempo o coração pode ser reanimado, assim como outros órgãos, e agora tivemos a capacidade de reanimá-lo com uma máquina, para depois realizar o transplante”, explicou o cirurgião Kumud Dhital, professor associado da Universidade de New South Wales, de Sydney. A nova técnica consiste em transferir o coração do doador a uma máquina portátil, na qual o órgão é mantido em uma solução de conservação ressuscitado e permanece aquecido até o transplante.

O diretor médico da unidade de transplantes de coração do Saint Vicent’s, Peter MacDonald, explicou que “o uso de corações doados após a morte circulatória do paciente aumentará consideravelmente a disponibilidade desses órgãos para a realização de transplantes”. Até o momento, três pessoas receberam esse tipo de transplante. Duas se recuperam com normalidade e uma permanece na unidade de terapia intensiva. Michelle Gribilas e Jan Damen, os dois primeiros pacientes submetidos à nova técnica, estão satisfeitos com o resultado. “Agora, sou uma pessoa completamente diferente. Sinto que tenho 40 anos. Tenho muita sorte”, disse Michelle, de 57. Dhital se mostrou otimista a respeito da técnica. “Atrever-me-ia a dizer que, nos próximos cinco anos, veremos mais e mais transplantes com o novo método”, afirmou o cirurgião.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade